Artigo, Gustavo Ioshpe, Veja - Nossas escolas ajudam na formação de patifes

A análise a seguir é do economista Gustavo Ioschpe. Ela foi publicada na Veja sob o título "O que há de errado conosco ?" O texto a seguir é a edição da parte final do artigo de duas páginas, justamente o que trata da educação atualmente ministrada nas nossas escolas. 

A pergunta que se coloca urgentemente, antes que passemos por mais um impeachment, Lava-Jato ou mensalão, é o que devemos fazer para mudar. A resposta mais óbvia-precisamos que os pais deem melhores ensinamentos e exemplos para seus filhos – é inexequível. Não podemos nos imiscuir na maneira como pais se comportam em casa. As duas instituições-chave do Estado (portanto, sob nosso controle) que precisam ser acionadas nesta luta são a escola e o Judiciário.
Apesar de todo o blá-blá-blá sobre formar cidadãos conscientes, nossas escolas ajudam na formação de patifes. Porque são, elas mesmas, instituições profundamente antiéticas. Alunos colam em quase todas as provas e os professores fazem vista grossa. Também, pudera: a maioria dos mestres também é aética. Falta às aulas, chega atrasada, não cumpre com suas obrigações profissionais.
O professor médio brasileiro não está em condições morais de cobrar comportamento virtuoso de seus pupilos.
A própria incompetência da nossa escola conspira contra a honestidade: o livro de Almeida mostra que, quanto mais instruída a pessoa, mais séria ela tende a ser.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

10 comentários:

Anônimo disse...

CORRETÍSSIMO!

MAS, em primeiro lugar o VOTO DISTRITAL. Sem o Voto Distrital nada poderá ser feito para melhorar TUDO.

NENHUM governante teve até aqui a ousadia de implantar o Voto Distrital. Sabes porque? Muito simples: OS POLITICOS NORDESTINOS não querem mudanças. O VOTO DISTRITAL implica perda de poder. SÃO OS NORDESTINOS QUE SEMPRE MANDARAM NO BRASIL.


Unknown disse...

Esta, com certeza, é a pior herança que o bolivarianismo(comunismo populista) vai nos legar!!!
Informatização plena do ensino, em que professores sejam consultores e monitores de conhecimentos e sistema de ensino e não ideólogos formadores de neosocialistas.

Carlos Mota disse...

Perfeito o artigo. Este é o tipo de texto que deveria virilizar na internet.
E digo mais: tudo piorou quando a(O)s professora(E)s começaram a auto proclamarem-se EDUCADORA(e)S em detrimento de PROFESSORA(E)S.
Educação adquire-se em casa; formação e conhecimento é na escola.
Além, é claro de permitirem que os alunos chamassem de Sôra, Sôr, Profi, Tia ou Tio.
Onde há intimidade há menos seriedade!!!!

Anônimo disse...

Sr. Ioschpe. Experimente voce tirar a prova de um aluno que está colando.
Experimente repreender um aluno.
Experimente reprovar um aluno.
Experimente proibir o uso do celular durante a aula.

O sr. correrá sério risco na sua integridade física, ou na sua vida.

Será transferido de escola. E, caso se defenda das agressões, terá toda uma gama de órgãos e pessoas a lhe processar.

Se o sr. se acha apto, experimente lecionar. Tanto faz,escola pública ou privada, ou até mesmo em Universidade.

Experimente colocar sua teoria em prática. Experimente...

Anônimo disse...

Conheci um aluno e certo dia o encontrei e perguntei como estavam as aulas.
Ele, assistindo um filme na TV me disse que aquele dia teria uma prova.
Pedi para ver o caderno da disciplina que ele teria prova, fiz quatro ou
cinco perguntas das mais fáceis do conteúdo e ele não soube responder nenhuma.
Perguntei se havia estudado e ele disse que não, ao que eu disse que ele
iria sair muito mal, poderia até tirar zero, pois ele não sabia nada, que ele deveria pedir para a professora para fazer a prova mais adiante, noutro
dia, porque tivera algum problema e não pudera estudar o conteúdo.
Para minha surpresa, o aluno me disse que faria a prova e tiraria DEZ.
Ao que perguntei: de que modo, de que forma tirarás DEZ SEM SABER NADA?
Resposta do aluno: a professora DEIXA COLAR!!!!
E o que fazia esta professora além de lecionar?
Era vereadora do PT! A professora estava "cevando" o seu eleitorado.
E olhe que esta história é bem antiga, anterior a chegada do Lula ao governo. Pelo visto, este método da "didática petralha" foi replicado
com sucesso pelo Brasil afora, ampliando barbaridade a criação de jegues.

Anônimo disse...

Falou tudo.

Anônimo disse...

O das 11:16 falou tudo !
Hoje em dia, o professor, se fizer isso, corre sério risco até de vida !
Acorda rapaz !

Anônimo disse...

Pelo que se observa, o cenário é o de que nossos governantes (prefeitos e governadores) vão continuar a não investir em educação.

Basta ver a situação das escolas públicas em todo o Brasil.

Portanto, nada irá mudar pelos próximos vinte anos no mínimo!



Anônimo disse...

Anonimo das 11:16 hs entre no Google e pesquise esvola militarizada em Manaus que suas perguntas serão respondidas. O que está faltando é política pública de boa gestão nas escolas.Num determinado bairro muito problemático de Manaus, a situação era exatamente como descreve o anônimo das 11:16 hs além do tráfico de drogas que corria solta na Escola, os pais dos alunos já não aguentavam mais e pediu ajuda. O Governo do Amazonasentregou a Gestão da Escola para a Policia Militar administrar, a média escolar que eram baixíssimas subiram substancialmente.Hoje é considerada escola padrão de Manaus e outras escolas estão no mesmo caminho, até o Estado de Roraima já está em projeto ou já implantou escolas militarizadas.O que está faltando no Brasil não é dinheiro, falta vontade políticapara que as coisas aconteçam.

Anônimo disse...


É preciso lembrar que existiu um governador aqui no RS que tentou fechar a Escola Tiradentes, porque era muito "militarizada".