Empresas de TI dizem que unificação do cálculo do PISZ e Cofins representa aumento selvagem de impostos

A Assespro protestou esta tarde contra a proposta de unificação do cálculo do PIS/ Cofins, alegando que ela prejudica o setor de serviços, em especial  o de Tecnologia da Informação (TI). O prejuízo, de acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), ocorreria porque as empresas de serviços gastam a maior parte de seus recursos com mão de obra, o que não gera crédito. 

. Em nota enviada ao editor, a Confederação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro Nacional) posiciona-se contrária à unificação, conforme diz Robinson Klein, presidente da Regional Sul: 

- Vamos nos mobilizar contra este tipo de medida. As empresas não têm mais margens para cobrir novos custos, que só têm aumentado nos últimos anos com a falta de recursos humanos e a inflação dos custos de serviços. Paralelamente, o mercado está recessivo e nada receptivo a aumentos”.  

. Se concretizada, a unificação da base de cálculo afetará aproximadamente 2,6 milhões de empresas do país, o que representa 36% das prestadoras de serviços em atividade. Segundo levantamento produzido pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) a pedido da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas (Fenacon) a carga tributária do setor de serviços pode aumentar em R$ 35,2 bilhões.

A mudança

O sistema de apuração do PIS e da Cofins não-cumulativo define uma lista de custos e despesas que pode gerar créditos tributários a serem deduzidos da carga dos tributos das empresas. A maior parte dos prestadores de serviços opta pelo regime mais antigo, o cumulativo, que não considera dedução de créditos tributários e tem PIS e Cofins menores (de 3,65%, quando somadas). Se forem obrigadas a migrar para o regime não-cumulativo, as empresas de serviços terão elevação de tributos. 

2 comentários:

Anônimo disse...

E quem vcs pensam que ira pagar a conta da corrupção e de todas as bolsas PT que existem?

Anônimo disse...

A média de lucratividade das empresas de TI é muito maior que de outras prestadoras de serviços. Além disso, se o mercado esta recessivo, o problema é do mercado, as empresas que invistam mais, inovem, sejam mais produtivas. Como sempre, é xororô para mamar na teta.