Rigotto desiste e abre caminho para a união do PMDB do RS em torno de Eduardo Campos

A definitiva renúncia do ex-governador Germano Rigotto à disputa pela cadeira de Senador, anunciada ontem a noite, confirma a informação passada neste espaço pelo editor, ontem, quando informou que será esta a chapa liderada pelo ex-prefeito de Caxias do Sul, José Ivo Sartori:

Governador - José Ivo Sartori, PMDB
Vice-governador - José Cairolli, PSD
Senador - Beto Albuquerque, PSB

. Ao jogar a toalha, Rigotto desativa também o movimento dos chamados dilmistas do PMDB, que perderam o único nome de que dispunham para tentar embretar novamente o Partido no quesito eleição presidencial, abrindo caminho definitivo para o apoio a Eduardo Campos, desejo dos velhos cardeais liderados pelo senador Pedro Simon.

. O anúncio sobre a candidatura de Beto será anunciada amanhã durante almoço dele com lideranças do PMDB.

. Resta fechar a rosca com José Cairolli, mas isto não parece ser mais o maior problema.

4 comentários:

Unknown disse...

Todos, apos Outurbo, terao que procurar TRABALHO... Menos, claro, o marido da Goia que ja tem este emprego desde muito, ne editor?

Anônimo disse...

Os velhos cardeais estão se aposentando e jogando uma pá de cal no PMDB RS que morre com eles.

Anônimo disse...

O PMDB cada vez se apequena mais...

Anônimo disse...

A direção estadual do PMDB resolveu eleger o Lasier e rebaixar os companheiros e o próprio partido. Infelizmente, com tantos nomes qualificados e de expressão (Simon, Rigotto, Fogaça, Ziulkoski, Ibsen, etc), é isso que vão conseguir fazer. Por que pouca importância para o Senado ? Têm apenas alguns CCs. Por que importância zero para reeleger o Simon ? Já tem os CCs e ele não costuma preencher todos. Parece que não sabem que uma candidatura forte como o SImon, venceria a eleição e alavancaria a candidatura a Governador. Ficaram cegos pelas CCs do Executivo. Não aprendem com os erros: Na eleição que o Rigotto perdeu para a Yeda, não quiseram fazer nenhuma coligação importante, deixaram para o segundo turno e lá não chegaram. Na eleição que elegeu o Tarso, com nomes qualificados como hoje (Ibsen, Ziulkoski, etc), cometeram a idiotice de não colocar candidato na segunda vaga para o Senado e o segundo voto de quem votou no Rigotto foi para eleger a Ana Amélia, prejudicaram o candidato a Governador e nem foram para o segundo turno. Agora, já ficaram fora na largada