Argentina decidiu liberar a importação de 742 mil pares de calçados vendidos pelo Brasil para as festas de Natal

Pressionado pelos calçadistas, parlamentares e governo gaúcho, o ministro Pimentel demorou para agir, mas entrou em ação direta e resolveu. 



Todos os produtos brasileiros barrados na fronteira da Argentina começam a ser liberados a partir da próxima semana, conforme informação passada esta tarde pela Agência Estado. A notícia diz que o anúncio foi feito pelo ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Fernando Pimentel, nesta quinta-feira, após o segundo dia de reunião com o governo argentino, em Buenos Aires. A medida se refere especialmente aos 742 mil pares de calçados barrados há meses, com um prejuízo de US$ 13,2 milhões à indústria brasileira, de acordo com cálculo do presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Calçados, Heitor Klein. "Os calçados, com certeza, vão ser liberados a partir de agora. Todas as mercadorias que estão com problemas começam a ser liberadas a partir da semana que vem", disse Pimentel, ao sair da Casa Rosada, onde se reuniu com o novo chefe de Gabinete de Ministros (equivalente à Casa Civil), Jorge Capitanich.

. A liberação ocorre a tempo das vendas de fim de ano, mas depois de a indústria brasileira ter perdido as vitrines do Dia das Mães, que na Argentina foi comemorado no dia 20 de outubro. Pimentel e o assessor especial do Planalto, Marco Aurélio Garcia, já tinham se reunido ontem com Capitanich e os ministros argentinos de Economia, Axel Kicillof, e de Indústria, Débora Giorgi, além do secretário de Assuntos Técnicos e Legais da Presidência, Carlos Zanini. Na avaliação dele, as reuniões foram "muito boas, muito positivas".

9 comentários:

Anônimo disse...

resolveu?

sei la eu, essa petralhada bolivariana eh tao unha e carne que da quase pra garantir que a liberação não deve ter saído barato para o Brasil...

acho que vai vir algum espeto daqui alguns meses para a brasileirada pagar a conta...

ou os argentinos resolveram liberar o que não queriam só porque viram a cor dos olhos do ministro?

Anônimo disse...

semana que vem, quem viver verá!

Anônimo disse...

Aí tem, se dão com uma mão ,depois tiram com as duas!

Anônimo disse...

A partir da semana que vem...A primeira quinzena já terá passado e os produtos chegarao nas lojas depois do Natal.
E no proximo ano nao comprarao mais porque estarao com as mercadorias encalhadas e o vale do sapateiro que quebre.
Isso para agradar La Loca

Gil Rikardo disse...

Há muito desisti de tentar entender a relação Brasil X Argentina. A impressão que ficou foi um Brasil eternamente de joelhos?!?!?!

Anônimo disse...

Políbio,

O que o Foro de São Paulo(Marco A. Topo Top) foi fazer em Bn.As.???

A Argentina esta "ganhando tempo".

Certamente vai faltar o formulário AK-4569 que trancará tudo novamente.

JulioK

Anônimo disse...

kkkk, e tem gente que chama esse lixo dde mercado comum!Isso ai e o "Merdasul" isso sim, alias como tudo na America "Latrina" e sua comunalha!

Luiz Vargas disse...

No que será que cedemos e ainda nem sabemos?
Sinto um cheiro de que houve algum acerto atrás da moita e quem pagará a conta será o contribuinte.
O caso dos enfermeiros (os PeTralha$ os denominam médicos) cubanos mostra como funciona isto. O acordo com Cuba foi assinado no início deste ano, na camufla, e só divulgado uns quatro meses depois. No futuro saberemos o que teremos que assumir e pagar nos a$$erto$ promovidos pelo seu PimenTel e seu Toptop Garcia.

Anônimo disse...

Mercosul existe para as montadoras. O resto é como sempre foi.