Saiba de que modo Dilma quer estuprar a Lei de Responsabilidade Fiscal

O título do editorial do Estadão deste domingo é "Nova ameaça à disciplina fiscal". O jornal é bem educado e não gosta de exagerar nos títulos. Não é o modo de trabalhar do editor. Leia toda a análise:

A boa gestão das contas públicas será novamente posta em xeque se os investimentos em mobilidade urbana forem descontados do endividamento de Estados e municípios, uma inovação defendida pela presidente Dilma Rousseff. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, declarou-se contrário a essa mudança, mas sua chefe, segundo informou o Estado na sexta-feira passada, "exigiu esforço máximo e conjunto" de sua equipe para dar à inovação uma vestimenta jurídica adequada.

Essa nova demonstração de voluntarismo - a proposta de mudança na regra fiscal - é mais uma reação da presidente às manifestações de rua.

CLIQUE AQUI para ler mais.

7 comentários:

Anônimo disse...

A quebradora de 1,99 vai contribuir muito para quebrar agora um país inteiro. Desde a saída de Meirelles do Ministério da Fazenda viramos a casa da sogra, das prostitutas, dos bolivarianos, dos canalhas,,,,,,etc. 9Dedos só vai concorrer a presidentA se quiser evitar ficar preso o resto de seus dias infectos.

Anônimo disse...

É a rodada final para destruição do Plano Real.

Anônimo disse...

Estupro é com as esquerdas, sabem de tudo do assunto, pois são os maiores estupradores de democracias do ocidente!

Luiz Vargas disse...

Estes ardis e estas mutretas contábeis apresentam indícios dos dedos do cumpanhero PeTralha Arno Augustin.

Justiniano disse...

Perderam os butiás dos bolsos, não sabem administrar e muito menos gerir.

É a incompetência generalizada em todos escalões, a começar pela baranga pançuda. Um país a beira do caos fiscal.

Nenhum estrangeiro investe em um país que não respeita contratos regulatórios e maquia a contabilidade fiscal.

Começou a debandada dos grande grupos investidores internacionais no Brasil migrando para os títulos do tesouro americano.

Anônimo disse...

O que no Brasil chamam de "contabilidade criativa" não passa de crime fiscal

Anônimo disse...

Isto mostra como o PSOL, através, do MPL conseguiu dar um golpe no país, em junho. As consequencias estão aí