Médicos cubanos, submissos, chegam ao Brasil e avisam que concordam que os Castro fiquem com a maior parte dos seus salários

Esta charge rola nas redes sociais deste domingo.



Explorados pelo regime de Raúl Castro, 206 médicos cubanos desembarcaram neste sábado em Brasília e no Recife para atuar no Programa Mais Médicos, do governo federal, segundo conta neste domingo o site www.veja.com.br  Os médicos não podem trazer suas famílias, embora sejam obrigados a permanecer três anos no Brasil. Nos Países onde já trabalharam - Venezuela, Bolívia e Angola - foram cabos eleitorais dos governos comunistas locais e ferrenhos defensores do regime dos Castro. O site fala em R$ 10 mil para Cuba, mas basta dividir o valor alocado pelo governo brasileiro e dividir pelo número de médicos cubanos, para perceber que o valor correto é R$ 21.000,00. Faça o cálculo você mesmo. Leia tudo:

Com forte discurso ideológico, os profissionais defenderam as assimetrias da parceria entre Brasil e Cuba – até 75% dos salários pagos a eles podem ser remetidos diretamente à ilha dos Castro – e afirmaram que, apesar das críticas, esperam poder ajudar municípios mais carentes e sem qualquer assistência básica. Alguns médicos desembarcaram chorando e foram amparados por autoridades locais.

. De acordo com o secretário-adjunto da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Fernando Menezes, os salários dos cubanos não serão de 10 000 reais, como os dos demais médicos que se inscreveram no programa do governo, e vão variar entre 2.500 reais a 4.000 reais mensais, conforme as condições dos municípios onde os profissionais serão alocados. A diferença entre o salário e o teto de 10 000 reais será enviada pelo Brasil ao governo cubano.

. Em Brasília, uma aeronave da Companhia Cubana de Aviación aterrissou às 18h41 na capital com 176 profissionais a bordo. Neste domingo, outros 50 médicos chegarão a Salvador, 78 em Fortaleza e 66 no Recife.

CLIQUE AQUI para ler tudo.
CLIQUE AQUI para examinar reportagem do SBT que conta o que há por tràs da vinda dos médicos cubanos. 

4 comentários:

Anônimo disse...

No Brasil temos empresários que não fazem quase nada e ficam bilionários, Fidel em 2 anos do programa médico-escravo poderá também ficá-lo. O Brasil é o primeiro país do mundo onde médico-escravo tem empresário, só que diferentemente de outros lugares, o empresário vai ganhar muito mais que os "artistas"! Nunca antes neste país! Vamos morrer e não teremos visto nem 0,0001% do repertório de canalhices da esquerda que se diz "democrata popular"! Nossa esquerda é muito popular entre aqueles que se vendem por esmola e que doutrinariamente nunca aprenderão a pescar e os bandidos que vendem drogas, matam e nos assaltam todos os dias.

Justiniano disse...

Companhia Cubana de Aviación devem ser aqueles Antonov sucatas da era soviética.

Será que o pai ináçio 51 vai dar o Aerolula para o amicíssimo Fidel (esse cara deve estar conservado em run), que certamente espera que todos os seus parceiros morram antes, para quando partir, poder fazer comícios com grande platéia no inferno. O Chavez já foi e deve estar ansioso em ver o Lula, o Evo, o Correa, a Cristina, a Dilma.

Anônimo disse...

É o que eu estou dizendo: trata-se de rufianato, ou seja, o CAFETÃO castro recebe a bolada das PROSTITUTAS que atendem pelo nome de MEDICINA CUBANA as quais recebem 10% do que foi pago ao RUFIÃO.

Anônimo disse...

O governo brasileiro não tem a mínima ideia de quanto Cuba pagará para os médicos que aqui virão, e isto foi admitido pelo próprio Ministro Padilha (http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2013/08/medico-cubano-no-brasil-deve-ganhar-mais-que-enfermeiro-diz-ministro.html). Ocorre que quando a situação começou a se complicar, ante a clara evidência de mão de obra escrava, surgiu, do nada (e não pode ser versão oficial, pois o governo Brasileiro nada sabe sobre o real valor do pagamento), versão de que os médicos receberiam cerca de 40% do pagamento, o que tem por nítido objeto acalmar a opinião pública, apresentando algo que pudesse ser "razoável". Mentira. Dissidente cubano - e que foi barbaramente torturado nos porões castristas - revelou que os médicos recebem somente 7% do que repassados por governos estrangeiros à cuba. Com 7%, não há como se afastar a realidade da mão de obra escrava. O Claudio Humberto fez uma entrevista com o dissidente, e militante negro cubano, que hoje mora em Miami (http://diariodopoder.com.br/noticias/explorado-pela-ditadura-medico-cubano-so-vai-receber-somente-7-do-seu-salario/). O que sobra da imprensa livre e da oposição precisam fazer com que o povo ouça esse homem e abra seus olhos, antes que os homens livres deste país sejam calados no paredón.