Dica do editor - La Salle ensina uso de smartphones e computadores para idosos

A Universidade La Salle, Porto Alegre, fornece cursos para idosos que querem melhorar seu desempenho no uso de computadores e smartphones. As mensalidades custam R$ 60,00 mensais.

3 comentários:

Anônimo disse...

Faz o curso com o netinho de 6 anos...ele talvez saiba mais!

Anônimo disse...

Anônimo das 9:36 está certo, além de aprendermos interagimos com os netos.

Aqui em casa é o que fazemos.

Anônimo disse...

Adam Smith e Karl Marx em uma Graduação de Relações Internacionais: qual deles é o mais 'prestigiado' entre os professores?
Olá, jornalista Políbio Adolfo Braga. Eu cursei as graduações de Gestão Pública e de Administração. E sobre esse papo recente/atual de "esquerdização" das Universidades, principalmente em professores de Humanas, não vi (no meu caso) nessas duas graduações, pois ambas têm baixa quantia de disciplinas de Humanas se comparado a outros cursos, principal e obviamente se comparados aos cursos da área de Humanas. Nessas minhas 2 primeiras graduações, tive muitas disciplinas em que a base era economia, finanças, contabilidade, legislação; enfim, 'pouco espaço' para adentrar disciplinas como história, sociologia, filosofia, etc (tive, no todo ou em parte, tais disciplinas, mas em número muito menor que as outras citadas). Onde quero chegar com essa conversa? É que, atualmente, faço um curso (Relações Internacionais) que tem muitas disciplinas que englobam conteúdos de filosofia, sociologia e, principalmente, história. Apesar de eu ter obtido a dispensa em mais de 1 ano de disciplinas (por causa das outras graduações cursadas), ainda assim tenho quase 2 anos a cursar. E no final desse ano, completo 1 ano de curso em "R.I." com disciplinas cursadas efetivamente só neste. E a maioria das disciplinas cursadas neste ano, foram de disciplinas com alta carga de conteúdo em história - e razoável carga em sociologia e filosofia. Complemento: Tanto a esquerda quanto a direita traduzem seus debates/embates em 3 campos: política (organização do Estado e sua relação com a sociedade), economia (organização dos meios de produção e sua tríade: produtores, consumidores e inclusive Estado) e moral (relações interpessoais e as relações destes com as inter-organizacionais, incluído aí o Estado também; obs.: para o espectro da direita, por vezes moral confunde-se com costumes... mas aí é assunto pra outro email...). E para cada um desse campos de debate/embate, há seus autores ou nomes de referência, tanto pra esquerda quanto pra direita. Para a esquerda, o grande referencial dela é Karl Marx (embora a sua obra de referência aos esquerdistas seja sobre as relações de meios de produção, ou seja, economia, ele ainda assim é tido como referência em política). Para a direita, talvez seja Adam Smith (referência em economia; apesar dele tratar também de política, ficou 'marcado' pelo legado de economia). Indo ao ponto: Sabe quantas vezes, neste ano(2019), eu tive uma disciplina que tratasse, ao menos uma vez, de Karl Marx? Sem exageros, em torno de 40% das disciplinas. Isso mesmo, quase a metade das disciplinas (de um total de 12). Em algumas disciplinas, tive citações breves sobre ele; já outras, tive 1 ou 2 aulas só dele (mas em Geopolítica, tive umas 3 aulas que ele, Marx, ocupava boa parte das aulas...). E Adam Smith? Sem exageros (e se minha memória não falhar), Smith foi abordado em só duas disciplinas (e repito: com as atuais, foram 12 disciplinas este ano); sendo que em uma, ele foi abordado com só uma citação breve. Veja a disparidade de apresentação de duas referências (uma da direita e outra da esquerda) durante um ano de disciplinas em uma graduação de Humanas, no caso Relações Internacionais. Depois dizem que não há doutrinação? Chamar do que isso? Orientação? Preferência? 
Cordialmente, Acadêmico na Graduação de Relações Internacionais