O jornalismo lulopetista acha que a comunista Manuela D'Ávila foi vítima de "machismo" no Roda Viva

O jornalismo amestrado pelo lulopetismo ou patrulhado pela vanguarda do atraso que passou a pautar as principais redações gaúchas, não consegue entender o que acontece em ambientes como os do Roda Viva.

As jornalistas Rosane Oliveira, RBS, e Taline Oppitz, manifestaram-se escandalizadas com o que viram na roda em que a deputada comunista Manuela D'Ávila foi colocada no Roda Viva, segunda-feira.

"O que se viu na segunda-feira à noite (...) foi militância política e machismo escancarado", escreveu Oppitz, hoje, em coro com Rosane.

A Folha, hoje, diz que Manuela foi interrompida 42 vezes, contra 3 vezes de Marina. Um abaixo assinado com 15 mil assinaturas, pede que Manuela vá de novo ao Roda Viva. Resta saber se a comunista quer isto.

A opinião é igual a do site Brasil247 e a todo o lulopetismo.

17 comentários:

Paulo Rocha disse...

Deve ser por isso que se chama Roda Viva. Quem se dispõe a sentar ali sabe que será o alvo do tiroteio, exceto se a parte que questiona for amestrada.

Quem tem conteúdo vai bem, por outro lado, quem é só embalagem...

Anônimo disse...

Fizeram o mesmo com o Amoedo do Novo.
O Boulos foi chapa branca, mas tem programas que estão fazendo pior.
Agora entendemos porque Bolsonaro não tem aceitado convites.

FAÇANHA, o ADVOGADO do POVO. disse...

MACHISMO? O que é isso? Ora, até DEUS É HOMEM!

Anônimo disse...

Sra Rosane de Oliveira que se diz jornalista especializada em politica até hj não sabe que politico que não aguenta pressão em entrevistas é despreparado e não serve para cargo nenhum, caso da nossa querida Manu!!

Unknown disse...

Manuela se saiu muito bem neste programa, demonstrando ser extremamente preparada, mesmo com as perguntas tendenciosas de todos os participantes. Parabéns Manuela!!!

Anônimo disse...

Espero que convidem também o Amoedo que não conseguiu expor suas ideias, sendo da mesma forma interrompido a toda hora. Mas no caso dele não ouvi nenhum mimimi de imprensa que não produz fake news. O fato é que sem o Augusto Nunes a bancada do Roda Viva parece que é formado por um monte de Faustões que falam mais do que o entrevistado. Fazem a pergunta, respondem e colam a resposta ao entrevistado

Anônimo disse...

Ela fugia cinicamente da maioria das perguntas, preferindo se escorar em clichês do marxismo cultural e tergiversar sobre as indesmentivelmente fracassadas experiências comunistas.

Adilio Faustini disse...

Mimimimimimimimimimimimi.

Anônimo disse...

Sem a midia amiga é assim, pois a realidade é dura!

ganhatudo disse...

Nos dias de hoje o xingamento dos mais graves que existem é o de chamar a pessoa de "machista", e outros assemelhados. É muito pior do que chamar o cara de fdp. Se chamar de fdp as mulheres esquerdistas nem ligam.

Anônimo disse...

Mas se tivessem perguntado mais sobre EUA/CAVIAR/ARMANY, ela se sairia melhor.

andrered disse...

HahahahshshhshahahahahhahhahahhahhahhahhhahahhahhahahhHhhhhshhshshhshhhhhhahahahHHhHahhahhhhhahahhahahahhahajahahahahahahahaharespirohahahahahahahahahahahahahahahahahahahajajahhhhahahahahahhahahahahhahahhahahajahajahjajahahahahahajajahmorri

Anônimo disse...

Que coisa ridicula, se os direitos de homens e mulheres são iguais legalmente
(OU NÃO SÃO?????) PAU QUE BATE EM XICO BATE EM FRANCISCO! Logo estas historietas de "machismo" são meros VITIMISMOS RIDICULOS de PETRALHAS, COMUNAS & OUTROS PICARETAS!

Anônimo disse...

Manuela, sempre com mesmo Papinho de comunista, indo,negro,genero,completamente despreparada.

Anônimo disse...

Manuela, sempre com mesmo Papinho de comunista, indo,negro,genero,completamente despreparada.

Anônimo disse...

independente se é mulher, homem, branca, preta...
eu penso que foi um absurdo o que fizeram com manubeleza.
deveriam ter interrompido ela 100 vezes.
...e o mesmo para a marinagatunasecabraçinhodopt

Anônimo disse...

vejam o roda viva com a yeda crusius (tem no youtube) e aí vocês vão saber o que é ser interrompido de verdade.
onde estavam as "jornalistas" da rbs quando a yeda foi interrompida
sem contar que a manuela era interrompida porque NÃO RESPONDIA às perguntas.