Os dados macroeconômicos mostram boa recuperação da economia

Ao falar esta manhã sobre as contas públicas a ministros do TCU, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira,disse que “a economia como um todo registra boa recuperação”.

Na carta que mandou ontem aos deputados, Michel Temer já tinha colocado esta questão, adicionado tabela sobre a melhoria dos principais indicadores macroeconômicos.

O ministro citou dados do consumo das famílias, de inflação, da safra agrícola, da taxa de desemprego e da produção industrial, por exemplo.


Dyogo Oliveira, no entanto, alertou para os elevados gastos com Previdência.

Ele também defendeu a reforma da previdência.

CLIQUE AQUI para examinar tabelas e gráficos apresentados pelo ministro. 

21 comentários:

Anônimo disse...

Mas querem de volta Lula e Dilma, pode? Veremos.

Anônimo disse...

Em que mundo o editor vive para dar crédito a tamanha falácia?

Anônimo disse...

FORA TEMER E DIRETAS JÁ. POR QUE NÃO?

Anônimo disse...

Fiscais param contra liberação do trabalho escravo por Temer

Anônimo disse...

Mentira da braba. Indicador da atividade econômica caiu em agosto. Essa informação está em todos os jornais.

Anônimo disse...

Portaria do trabalho escravo é a nova “Renca” de Temer?

Anônimo disse...

“Retomada” anunciada por Temer foi “vôo de galinha”

Anônimo disse...

Cascata da braba essa noticia.

Anônimo disse...

Pelo jeito o editor decidiu morrer abraçAdo no PMDB.

Anônimo disse...

Isso é piada né?

Anônimo disse...

“Retomada” anunciada por Temer foi “vôo de galinha”:

FERNANDO BRITO · 18/10/2017 - O Tijolaço

ibcbr0817

“O Brasil cresceu e vem crescendo”, escreveu Michel Temer em sua carta apelando aos parlamentares para que o poupem da denúncia da Procuradoria Geral da República.

Isso foi na segunda-feira.

Na terça, ontem, o IBGE divulgou os indicadores do setor de serviços (quase 70% do PIB) durante agosto: recuou 1,0% frente a julho, após queda de 0,8% em julho e alta de 1,3% em junho, na série com ajuste sazonal.

Hoje, o Banco Central publicou o seu índice de atividade econômica, o IBC-Br, que veio em queda expressiva de o,38%, também dessazonalizado (isto é, compensando as variações normais características de cada mês).

Embora os comentaristas da grande imprensa pequem cada número timidamente positivo – até porque as bases de comparação a que se referem são desastrosas – o fato é que não existe nenhum processo consistente de recuperação da economia, que está sendo sustentada, basicamente, na ideia de que está se dando por conta da inflação baixa.

E esta, por sua vez, está ancorada em dois setores, ambos com grau imenso de risco de volatilidade: alimentos e câmbio.

O Governo Temer tem apenas duas diretrizes econômicas: cortar e vender.

Nos cortes, esbarra na resistência natural da política em aprovar retirada de direitos e na impossibilidade de retirar mais ainda de uma máquina onde falta tudo, exceto o privilégio de suas castas intocáveis. Ou, ainda mais preciso com o já velho termo do ex-Ministro Antonio Magri: imexíveis.

Nas vendas de patrimônio, reside sua esperança de alavancar investimentos, o que não só é ilusório num país que tem taxas de retorno financeiro tão altas como o nosso, como impossível com a descapitalização do BNDES, forçado a entregar os saldos que tinha em títulos do Tesouro e, portanto, tendo de ser mais avaro do que nunca na aprovação de projetos e desembolsos, além do que estes terão taxas muito mais altas com o fim da TJLP, a Taxa de Juros de Longo Prazo.

Em suma: o resumo da ópera do governo Temer, em matéria econômica é o de fazer caixa, reduzindo o déficit público.

E nisso, é só olhar o aprofundamento dos déficits e os malabarismos que se tem de fazer para alcançá-los, mesmo sendo rombos imensos, para ter ideia de sua “eficiência”.

Anônimo disse...

Enquanto isso a Airbus se rendendo a Embraer;

https://airway.uol.com.br/airbus-compra-programa-dos-jatos-c-series-da-bombardier/

E a Boeing vai construir, em parceria com a Embraer a primeira fabrica fora do USA no Brasil, adivinha onde?


Joel

Anônimo disse...

Muito bom. A situação mudou demais, basta ver os indicadores econômicos da Dilmandioca e os indicadores econômicos de agora, do Presidente Temer, apresenta melhora significativa. Temer realmente tem feito um bom governo, do jeito que encontrou o Brasil, em frangalhos e no fundo do poço realmente tem feito muito.

Anônimo disse...

Com certeza. Depois do Perda Total ter transformado o Brasil em terra arrasada, até que Temer tem feito muito e mostrando que é possível recolocar o Brasil nos trilhos. Força Temer. Que Deus abençoe seu trabalho.

Anônimo disse...

Claramente se vê uma diferença nos dias de hoje, seja no aumento das vendas à varejo, seja no crescimento da indústria e do emprego. As políticas economicas adotadas por Temer,tem trazido bons resultados. A baixa dos juros e inflação é um grande estímulo ao crescimento e a retomada do emprego.

Anônimo disse...

Agora sim. Temos um presidente respeitado no mundo todo. O discurso de abertura na ONU foi muito aplaudido e teve enorme repercussão.

Anônimo disse...

Se a economia está se recuperando, por que estão ocorrendo demissões em massa em todas as áreas?

Anônimo disse...

Resposta aos anônimos 20:18 e 20:20h:
Vocês comeram merda ou o que???? Em que mundo vocês vivem???
Devem estar tc de dentro de um condomínio fechado de alto padrão e não conhecem o mundo fora daí.

Anônimo disse...

O certo é que as fontes oficiais comprovam a volta do emprego. Dilmandioca ficou para trás, graças à Deus.

Anônimo disse...

A tentativa – bem sucedida, aliás – da direita de transformar os problemas do Brasil em algo sobre “moralidade sexual-religiosa”, com a ajuda de alguns bobalhões, imaturos, que se portam como crianças que arrastam uma vareta na grade onde há cães ferozes à solta é, para qualquer um que reflita um pouco, puro diversionismo, para que a imoralidade, a desumanidade, o vilipêndio do ser humano não chame a atenção.

Hoje, no UOL, Carolina Farias mostra o drama de Tatiana Cristina da Silva, 34 anos, mãe solteira de três filhos, de 17, 15 e 9 anos e que há um ano nem “bicos” consegue.

“Já passei aperto, mas esse é o pior. Ultimamente nem bico aparece. Faço faxina, passo roupa, faço o que aparecer. Nem que seja entregar papel. Estou surtando. “Antes, eu trabalhava e não faltava nada. Tinha danone na geladeira e o armário cheio. Agora é vaca magra. Não tem carne. Tem só arroz e feijão”…

A repórter conta também o que dizem os comerciantes, em plena “retomada”.

A impressão dos comerciantes e dos que atuam nas ruas do Rio é, como eles mesmos dizem, de que “o dinheiro não está circulando”

Não está, mesmo, porque a recessão não é uma praga divina, mas uma política econômica para que, resfriando a economia, se obtenha queda da inflação. E no Rio, ainda pior, porque Moro e companhia destruíram a indústria do petróleo e sua cadeia de suprimentos, motor da economia fluminense.

Os anéis e brincos do ladravaz Cabral são abjetos, mas não são a origem sequer de 0,00001% da ruína econômica do Rio.

Estamos diante da imoralidade da fome, do desemprego, da desesperança.

Tatiana trabalhava em um mercado no Leblon, bairro mais chique da Zona Sul Carioca – aliás, onde morava Cabral – “onde os clientes só chegavam em carrões”.

Os carrões continuam, Tatiana, talvez um modelo mais novo e mais caro.

Eles bateram panelas, protestando contra um tempo que estava fazendo você ser gente, como qualquer pessoa.

Anônimo disse...

Após vender o pré-sal, Temer abre mão de R$ 1 tri para agradar petroleiras

Não satisfeito em vender o petróleo do pré-sal, governo Michel Temer quer a redução de tributos de empresas envolvidas nas atividades de exploração, desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural para favorecer as empresas internacionais.

Somente para 2018, a previsão de renúncia de receita, decorrente de Medida Provisória que teve relatório aprovado em comissão especial, é de cerca de R$ 16,4 bilhões, e pode chegar a R$ 1 trilhão, conforme previsões de técnicos do setor e de relatórios elaborados pela assessoria legislativa da Câmara.

Isso é uma traição nacional, traição do governo para com o país. O que está sendo aprovado nesta comissão é uma mamata para o setor internacional de petróleo.