Artigo, Rogério Mendelsky - A soma de todos os medos

Em 2014, na ONU, Dilma atacou EUA e Síria por ataques ao Estado Islâmico, pedindo diálogo com os terroristas. Agora, diante da ofensiva na Europa e no Brasil, ela e o seu PT calam. CLIQUE AQUI para examinar video sobre a participação de Dilma na ONU.


O total desta soma de medos nós só tomaremos conhecimento quando acabar a Olimpíada do Rio de Janeiro, mas ela pode desde já revelar algumas parcelas que, adicionadas, mostrarão o resultado final do maior evento esportivo do planeta que o Brasil reivindicou para si.

O brasileiro convive diariamente com muitos medos – assassinatos, assaltos à mão armada (“perdeu, tio”), seqüestros, estupros, roubos a bancos, furtos de veículos, saidinhas de caixas eletrônicos – mas ainda nos faltava um medo maior que não chegara até nós: o terrorismo islâmico.

Puxa vida, logo aqui neste país tão cordial que se orgulha de mostrar ao mundo a mais pacífica convivência entre árabes e judeus que se conhece, os brasileiros começam a falar na possibilidade de atos terroristas nos Jogos Olímpicos. O Brasil é a bola da vez do terror do estado Islâmico, não por sermos críticos a ele ou por condenarmos suas ações criminosas. Nosso país entrou na pauta do terror por que o mundo estará atento à Olimpíada e 205 países se farão representar com a maior cobertura midiática de um evento esportivo dessa magnitude.

O EI não sobrevive sem notícias a seu respeito e não há oportunidade mais adequada para a divulgação do novo terror num país que tem uma legislação considerada “branda” para tratar com rigor a quem se atreva a incutir o medo entre nós.

Fomos tão complacentes com o EI que a então presidente Dilma Rousseff, em manifestação na ONU, chegou a afirmar que lamentava os ataques aéreos na Síria contra o grupo terrorista. Suas palavras:
“Lamento enormemente isso (ataques aéreos na Síria contra o EI).

CLIQUE AQUI para ler mais.

11 comentários:

Anônimo disse...

"O Partido dos Trabalhadores, aliado ao que há de pior na vida pública e privada – do coronelismo nordestino ao banditismo sindical e empresarial"

Estado de São Paulo.

Retrato da velha ARENA PODRE, comandada por Lula!


Anônimo disse...

Isso só veio a confirmar que ela não teme o perigo que nos ronda pois o desconhece por ignorância.

Anônimo disse...

Em 2009, por ocasião da votação para escolha do local das Olímpiadas de 2016, o ator americano Robin Willians disse que o Brasil ( Lula, Pelé et caterva ) ofereceram 50 strippers e meio quilo de pó.

O Brasil venceu a votação.....

Anônimo disse...

Mendelski e não Mendelsky.

Anônimo disse...

O jornalista Rogério Mendelsky tem razão, sabe-se lá o que essa terrorista estúpida já deve ter feito junto com a canalhada comunista do PT e outros partidos, para facilitarem e radicarem esses colegas terroristas do EI aqui no Brasil!

Anônimo disse...

Só falta os fachistas culparem a Dilma por um eventual ataque terrorista no Brasil.

Anônimo disse...

Ela sempre foi uma presidente sem noção. Felizmente ficamos livres dela. Graças a Deus!

Anônimo disse...

O Brasil nunca teve problemas com estes grupos.
O governo atual, irresponsável e inexperiente, para fazer média com a França e EEUU está provocando o EI, cutucando a onça com taquara curta prendendo até criador de galinha como suspeito de terrorista.
O resultado poderá ser catastrófico para o povo brasileiro que anda nas ruas porque os que estão lá em Brasilia tem em torno de sí toda a segurança

cdjayme disse...

Há um rescaldo nefasto que persistirá, demoníaco, mesmo após o impeachment , a doutrinação no sentido de dicotomizar os bandidos em duas categorias: ao bandidos maus, os que lucubraram o “golpe sórdido sem armas”, que derrubou um governo legitimamente constituído e coonestado pelas urnas; os bandidos bons, os que se opõem ao capitalismo selvagem, neoliberal e açambarcador das economias dos povos subdesenvolvidos nos países do terceiro mundo. Não importa que, como em Cuba, resultem numa ditadura cruel, num desastre econômico e social; não importa que destruam a economia dum país líder mundial na produção de petróleo, a Venezuela; não importa que decapitem e divulguem via internet imagens dos vídeos para o mundo.
Cumpre afirmar, como o fez a presidente em processo de impeachment Dilma Rousseff, em manifestação na ONU:
“Lamento enormemente (ataques na Síria contra o EI), o Brasil sempre vai acreditar que a melhor forma é o diálogo, o acordo e a intermediação da ONU”.
Deu no que deu... a gratidão e o reconhecimento estão escrachados e serão protagonizados durante a Olimpíada do Rio. SE NÃO SOUBERMOS, OU NÃO QUISERMOS REAGIR À ALTURA AOS ATENTADOS.

Anônimo disse...

O esquerdismo é uma doença mental. Esta endemia grassa a América Latina. Produz miséria e sofrimento. Por que será que os mamadores do serviço público são os mais suscetíveis de contaminação?

Anônimo disse...

De terrorismo Bandilma entende- é terrorista, lembrando que ela queria dialogo com os terroristas como disse na ONU

FORA BOLIVARIANOS, VAO PRA COREIA DO NORTE