Empreiteiro diz que doou R$ 7,5 milhões para campanha de Dilma por medo de represálias do governo

O empresário Ricardo Pessoa, dono da empreiteira UTC, disse a procuradores da Operação Lava Jato que doou R$ 7,5 milhões à campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff por temer prejuízos em seus negócios na Petrobras se não ajudasse o PT.

O ministro Teori Zavascki homologou, ontem, a delação premiada do dono da UTC.

Segundo Pessoa, a contribuição da empresa foi tratada diretamente com o tesoureiro da campanha de Dilma, o atual ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Edinho Silva.
Preso desde novembro do ano passado e hoje em regime de prisão domiciliar, o empresário negocia desde janeiro com o Ministério Público Federal um acordo para colaborar com as investigações em troca de uma pena reduzida.

Nos contatos com os procuradores e no documento em que indicou as revelações que está disposto a fazer caso feche o acordo, Pessoa descreveu de forma vaga sua conversa com Edinho, mas afirmou que havia vinculação entre as doações eleitorais e seus negócios na Petrobras.

O empreiteiro contou ter se reunido com Edinho a pedido do então tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, apontado como o principal operador do partido no esquema de corrupção descoberto na Petrobras e hoje preso em Curitiba.

As doações à campanha de Dilma foram feitas legalmente. Segundo os registros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), foram três: duas em agosto e outra em outubro de 2014, dias antes do segundo turno da eleição.

Pessoa já havia indicado sua disposição de falar sobre a campanha de Dilma Rousseff em documento escrito na cadeia e publicado pela revista “Veja”. “Edinho Silva está preocupadíssimo”, escreveu o empresário.

CAIXA DOIS

Pessoa também afirmou aos procuradores que fez contribuições clandestinas para a campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à reeleição, em 2006, e a do prefeito petista de São Paulo, Fernando Haddad, em 2012.

O empreiteiro disse que deu R$ 2,4 milhões à campanha de Lula, via caixa dois. O dinheiro teria sido trazido do exterior por um fornecedor de um consórcio formado pela UTC com as empresas Queiroz Galvão e Iesa e entregue em espécie no comitê petista.

Pessoa afirmou também que, a pedido de Vaccari, pagou outros R$ 2,4 milhões para quitar dívida que a campanha de Haddad teria deixado com uma gráfica em 2012. O doleiro Alberto Youssef, outro operador do esquema de corrupção na Petrobras, teria viabilizado o pagamento.
Segundo o empreiteiro, o valor foi descontado de uma espécie de conta corrente que ele diz ter mantido com Vaccari para controlar o pagamento de propinas associadas a seus contratos na Petrobras.

Pessoa também promete revelar às autoridades detalhes sobre seus negócios com o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, que hoje cumpre prisão domiciliar por seu envolvimento com o mensalão.
O empreiteiro, que pagou R$ 3,1 milhões à empresa de consultoria de Dirceu entre 2012 e 2014, diz que o contratou para prospectar negócios no Peru, mas afirmou aos procuradores que a maior parte dos repasses foi feita após a prisão do ex-ministro, para atender a um pedido de ajuda financeira da sua família, em razão de sua influência no PT.

OUTRO LADO
O PT rejeitou as acusações do empresário Ricardo Pessoa e afirmou em nota que todas as doações à campanha da presidente Dilma Rousseff em 2014 foram feitas de acordo com a legislação eleitoral.
O partido ressaltou que as contas da campanha de Dilma foram aprovadas por unanimidade na Justiça Eleitoral.
A assessoria do ministro Edinho Silva, chefe da Secretaria de Comunicação Social, que foi o tesoureiro da campanha presidenical, informou que a nota do PT deveria ser considerada sua reposta às alegações do empreiteiro.
A Presidência da República e a assessoria do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disseram que não fariam comentários sobre o assunto.
O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, afirmou que as doações à sua campanha foram todas feitas de acordo com a lei, e que as dívidas foram absorvidas e quitadas posteriormente pelo PT.
O advogado Luiz Flávio Borges D’Urso, que defende o ex-tesoureiro petista João Vaccari Neto, disse que ele só captou doações legais para o partido e não participou do esquema de corrupção descoberto na Petrobras.
O advogado do ex-ministro José Dirceu, Roberto Podval, informou que seu contrato de consultoria com a UTC tinha como objetivo prospectar negócios no Peru, sem qualquer relação com a Petrobras

16 comentários:

Anônimo disse...

Pois é pessoal, neste caso cabe a máxima:

Quem tem c* tem medo.

Anônimo disse...

isso é verdade empresas ditas normais, recebiam telefonemas do comitê central de Brasilia, pedindo dinheiro para campanha da Dilma.
mais ou menos assim:
"você tem acompanhado o desenvolvimento do Brasil, a evolução e a inclusão social, precisamos continuar a fazer mais, elegendo a Presidenta Dilma, quanto você e sua empresa podem ajudar ??"
eram mínimo de 03 ligações, a cada ligação recebido subia o tom da pedida, mais descarada e petulante.

Anônimo disse...

Aposto uma cerveja que dilma não sabia de nada.

Anônimo disse...

Mas só tem anjo neste meretricio

Anônimo disse...

Se a Lava Jato não pegar o Lula, não poderá pegar nenhum político, muito menos o PT, já que o método de SIMULAR CONTRATOS DE DOAÇÃO é rigorosamente o MESMO!!!!

Anônimo disse...

Se a Lava Jato não pegar o Lula, não poderá pegar nenhum político, muito menos o PT, já que o método de SIMULAR CONTRATOS DE DOAÇÃO é rigorosamente o MESMO!!!!

Anônimo disse...

Polibio esse cidadão que fez o pedido de habeas corpus para o apedeuta tem pagina no facebook, e lá faz parte de grupos que dizem assim: Mexeu com Lula mexeu comigo . e tem outra que enaltece A Doida. só de ver esses dois posts, já da para ter uma base do sujeito. Ele deve ganhar em vez de um sanduiche de mortadela e uma tubaína... dois sanduiches e duas tubaínas.

Anônimo disse...

Dá para responder com outra pergunta: Foi ele que falou ou botaram na boca dele para ser solto?

Anônimo disse...

Tadinho do empreiteiro né, editor?

Anônimo disse...

Ficou com medo porque sabia bem o tipo de pessoas com as quais estava tratando ao lado das quais Al Capone seria um inocente gangster amador!

Anônimo disse...

Tirou do dele e não botou em ninguém, afinal ter medo é "subjetivo", não incrimina ninguém, mesmo porque também doou para outros Partidos. Agora se ele falasse na hora e recebesse represálias, aí sim sairia da subjetividade para a objetividade.

Anônimo disse...

TODAS as eleições nos últimos 10 anos foram feitas com dinheiro de propinas sobre obras superfaturadas pelas empreiteiras. Não há legitimidade nenhuma no sistema político brasileiro. Precisa sim de uma intervenção militar para jogar no lixo todos esses pilantras.

Anônimo disse...

Cassação do mandado da terrorista já! E se o TSE não fizer isso, ou o Congresso Nacional, deixem pros milicos!

Anônimo disse...

Se aplica o governo do Estado de SP, onde o PSDB governa a mais de 20 anos, ao Pará, ao Paraná, a Goias e até 2014 para MG, anônimo das 16:59? Ou só para o governo federal?

Anônimo disse...

NÃO, PTRALHA as 10:18 é só para a QUADRILHA PTISTA!


Anônimo disse...

Anônimo gurmet das 13:51, nos Estados de SP, Pará, PR, Goias e MG, os governos do PSDB NUNCA contrataram obras pelas empresas tais empresas da Lava Jato?