Bolsonaro lidera em São Paulo, seguido de perto por Alckmin

Em São Paulo, reduto eleitoral do ex-governador Geraldo Alckmin, quem lidera as intenções de votos é o deputado Jair Bolsonaro, mas seguido de perto pelo tucano. O poste de Lula, Haddad, conseguiu apenas 4%.

Veja os números de hoje do Instituto Paraná Pesquisas, liberados ainda há pouco:

Bolsonaro, 22,3%; Alckmin, 19%;Marina, 10,4%; Ciro, 8,1%; Alvaro Dias, 4,5%;Fernando Haddad, 4%; João Amoêdo, 1,4%; Manuela, 1,2%; Boulos,1,1%; Meirelles, 0,9%.

21,9% não votariam em nenhum deles e 4,5% não sabem em quem votar.

Os demais candidatos pontuaram muito pouco.

5 comentários:

luiz carlos prates disse...

POLIBIO, alguma informação a quanto andas os processos dos elementos ligados ao PSDB, DEM, MDB, ou só noticias do Lula e da Dilma.

Anônimo disse...

Bolsonaro + Alckmin + Amoedo + Meirelles = 43,6%. Marina + Ciro + Alvaro + Haddad + Manuela + Boulos = 29,3%. Os 25% restantes decidirão o vencedor. Mas isso é em São Paulo.

Anônimo disse...

A “castração midiática” de Jair Bolsonaro

FERNANDO BRITO · 18/07/2018

Dizia Otto Bismarck que muitos não dormiriam se soubessem como são feitas as salsichas e as leis.

Pode acrescentar a esta lista as alianças partidárias envolvendo o tempo de televisão dos candidatos.

Como escreveu Bernardo Mello Franco, ontem, em O Globo, “a turma se destaca pelo forte apego a valores”, assim, digamos, sonantes.

Vale para comprar e vale para não entregar a outro.

Jair Bolsonaro é, dizem os que não colocam Lula nas pesquisas eleitorais, o líder das preferêrncias eleitorais.

Como estes mesmos dizem que Lula não concorrerá nem arrastará um nome à liderança, Bolsonaro, sob este olhar, é favorito.

E desde quando candidato favorito não acha vice e é esnobado publicamente, anunciando que vai anunciar alguém para, em seguida, o “escolhido” dizer: “muito obrigado, fico honrado, mas tenho planos de me candidatar a uma “boquinha” no Senado que, como disse Darcy Ribeiro, é o paraíso na Terra?

Não duvide nada que algum espírito santo de orelha baixou nos dirigentes dos partidos de Magno Malta e prometeu sonantes bênçãos para recusar autorização a seus pupilo para subir na garupa de Bolsonaro.

Afinal, como naquele comercial de cartão de crédito, Bolsonaro com apenas 10 segundos de televisão não tem preço.

Mesmo que não cresça, o tamanho que ele tem hoje é mortal para o crescimento de qualquer candidatura de direita.

Pior ainda se seus votos se reproduzirem.

É, portanto, necessário castrá-los midiaticamente, para que não proliferem mais.

Ainda assim, parece tarde demais para deter os zumbis.

Anônimo disse...

A “castração midiática” de Jair Bolsonaro:

FERNANDO BRITO · 18/07/2018

Dizia Otto Bismarck que muitos não dormiriam se soubessem como são feitas as salsichas e as leis.

Pode acrescentar a esta lista as alianças partidárias envolvendo o tempo de televisão dos candidatos.

Como escreveu Bernardo Mello Franco, ontem, em O Globo, “a turma se destaca pelo forte apego a valores”, assim, digamos, sonantes.

Vale para comprar e vale para não entregar a outro.

Jair Bolsonaro é, dizem os que não colocam Lula nas pesquisas eleitorais, o líder das preferêrncias eleitorais.

Como estes mesmos dizem que Lula não concorrerá nem arrastará um nome à liderança, Bolsonaro, sob este olhar, é favorito.

E desde quando candidato favorito não acha vice e é esnobado publicamente, anunciando que vai anunciar alguém para, em seguida, o “escolhido” dizer: “muito obrigado, fico honrado, mas tenho planos de me candidatar a uma “boquinha” no Senado que, como disse Darcy Ribeiro, é o paraíso na Terra?

Não duvide nada que algum espírito santo de orelha baixou nos dirigentes dos partidos de Magno Malta e prometeu sonantes bênçãos para recusar autorização a seus pupilo para subir na garupa de Bolsonaro.

Afinal, como naquele comercial de cartão de crédito, Bolsonaro com apenas 10 segundos de televisão não tem preço.

Mesmo que não cresça, o tamanho que ele tem hoje é mortal para o crescimento de qualquer candidatura de direita.

Pior ainda se seus votos se reproduzirem.

É, portanto, necessário castrá-los midiaticamente, para que não proliferem mais.

Ainda assim, parece tarde demais para deter os zumbis.

Anônimo disse...



Vai dar Alckmin na cabeça. Não adianta chorar nem espernear, galera petista!