Governo federal diz que RS só pode repactuar dívida com a União se vender CEEE, CRM e Sulgás

A repactuação dará 3 mais 3 anos de carência para o governo do RS. Serão R$ 2 bilhões este ano e mais R$ 3 bilhões no ano que vem que estarão disponíveis para equilibrar as conas dos dois últimos anos do governo Sartori.

Em reunião de mais de quatro horas em Brasília, nesta quinta-feira, o secretário estadual da Fazenda, Giovani Feltes, iniciou o encaminhamento do processo de adesão do Estado ao plano de recuperação fiscal proposto pela União. E recebeu um ultimato no Ministério da Fazenda: o Rio Grande do Sul, não poderá receber o socorro federal se não se desfizer de ativos, reforçar o caixa e oferecer os valores como garantia.

Isso significa privatizar ou federalizar CEEE, Sulgás e Companhia Riograndense de Mineração (CRM).