Joesley Batista, JBS, também teria gravado Aécio pedindo R$ 2 milhões. Ao agradecer a ajuda, teria dito Aécio: "É uma ajuda do caralho !"

O dono da JBS, Joesley Batista, além do grampo aplicado em Michel Temer (nota a seguir) entregou à PGR um grampo no qual Aécio Neves lhe pede 2 milhões de reais.

Até as 20h, as gravações não apareceram, Joesley e a PGR nada confirmaram também.

A nota de Lauro Jardim é a seguinte:

No diálogo, gravado em 24 de março no Hotel Unique, em São Paulo, Aécio diz que o dinheiro é para pagar o advogado criminalista Alberto Toron, que o defende na Lava Jato. O encarregado de pegar o dinheiro com Joesley foi Frederico Pacheco de Medeiros (Fred), ex-diretor da Cemig e um dos coordenadores da campanha do tucano à presidência.

Uma das falas de Aécio, no entanto, dá a entender que o dinheiro não seria para pagar o advogado:

- Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer a delação. Vai ser o Fred com um cara seu. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara. E você vai me dar uma ajuda do caralho.