Imposto sindical obrigatório pode voltar em texto no Senado

O projeto que pretende reformar as leis trabalhistas no Brasil em nome de uma modernização corre o risco de deixar de fora o fim da obrigatoriedade do imposto sindical.

Todo trabalhador com carteira assinada é obrigado a contribuir com o sindicato da categoria dele, mesmo que não seja filiado a nenhuma entidade sindical. O valor corresponde a um dia de trabalho por ano. A maior parte desse dinheiro fica com os sindicatos, que não têm obrigação de prestar contas.

Os deputados aprovaram dentro da reforma trabalhista o fim dessa obrigatoriedade. Pelo projeto aprovado na Câmara, cada trabalhador passa a decidir se autoriza ou não o desconto na folha de pagamento.

Mas para o projeto virar lei ele ainda terá que percorrer um longo caminho no Senado, e as centrais sindicais já entraram em cena para tentar reverter a decisão e reincluir o imposto sindical obrigatório.

Representantes dos sindicatos conseguiram abrir uma negociação. Em vez de acabar de uma vez só, a cobrança passaria por uma transição até passar a ser opcional.