Pesquisa Sensus aponta para segundo turno: Dilma, 35%; Aécio, 23,7%; Campos, 11%

Não se confirmaram as piores notícias que se esperavam para a presidente Dilma Roussef - ainda. É que a revista Istoé deste fim de semana traz  pesquisa do Instituto Sensus, que não aponta 31% para Dlma e 27% para Aécio, como se esperava, tudo baseado em fortes boatos desta sexta. De qualquer modo, a pesquisa é a primeira a apontar segundo turno nas eleições presidenciais de 2014.

Dilma Rousseff (PT)           35,0%
Aécio Neves (PSDB)           23,7%
Eduardo Campos (PSB)     11,0%
Indecisos/brancos/nulos  30,4%

. A pesquisa demonstra que enquanto o governo teria 35%, a oposição conseguiria 34,7%, o que configuraria um empate técnico.

. O segundo cenário inclui os candidatos de partidos nanicos. Eis os números:

Dilma Rousseff (PT)            34,0%
Aécio Neves (PSDB)            19,9%
Eduardo Campos (PSB)        8,3%
Pastor Everaldo (PSC)          2,3%
Randolfe Rodrigues (Psol)  1,0%
Eymael (PDC)                        0,4%
Mauro Iasi (PCB)                  0,3%
Levy Fidelix (PRTB)              0,1%
Indecisos/brancos/nulos   33,9%

. A percentagem de brancos e nulos representa um quarto de tudo, o que significa que muita coisa ainda pode mudar, e não propriamente em favor de Dilma. Ou seja: no cenário B, o governo teria 34%, contra 32,4% dos adversários, uma diferença de 1,6 ponto. Como a margem de erro é de 2,2 pontos, também estaria aberta a possibilidade de segundo turno.

. Responsável pela pesquisa, o cientista político Ricardo Guedes aponta um quadro delicado para Dilma e o PT. "Está difícil para a presidente", diz ele. Uma das razões seria a queda da identificação entre os eleitores e o PT. Embora o partido ainda seja o preferido dos eleitores, a identificação caiu de 18% para cerca de 9%.

10 comentários:

j disse...

Estas borracho 232,7 pro AÉCIO e sobre 1000 por dento as tuas contas.

Anônimo disse...

Agora é Dilma vs Globo:

“O importante não é o que o Globo publica, mas o que não publica”

Rui Falcão falava no comício do PT , quando anunciou os dois compromissos prioritários do Partido: a reforma política, com plebiscito e Constituinte Exclusiva; e a Ley de Medios.

Aí, a plateia, em coro, bem alto, gritou:

“A verdade é dura, a Globo apoiou a ditadura”.

Lula tocou no mesmo nervo exposto: “a maior oposição é a da grande mídia”.

Num outro ponto, a plateia gritou: “o povo não é bobo, abaixo a Rede Globo !”

Finalmente, o PT, o Lula e – inevitavelmente – a Dilma se deram conta de que a Globo é o inimigo #1 !

É a Globo que interdita o debate político no pais.

Dizia o Dr Roberto: “o importante não é o que o Globo publica, mas o que não publica !”.

A Globo e sua editoria “o Brasil é uma m…” é que não deixam o povo saber que o copo está mais mais cheio que vazio.

A Globo incentiva o Golpe.

Como dizia o Jango, ela envenena o Brasil.

A Globo é o Clarín da Cristina K, a da Ley dos Medios.

É preciso fracionar, quebrar a Globo em pedaços, como a K fez com o Clarín.

Como o Theodore Roosevelt fez com a Standard Oil …

Uma Ley de Meios como a de TODOS os países civilizados.

Os filhos do Roberto Marinho – eles não têm nome próprio – teceram a armadilha em que caíram.

Vem ai a licitação do 4G.

O Google vai googlar a Globo.

Enquanto a audiência cai fantasticamente, sob a regência iluminada do Gilberto Freire com “i”.

As receitas fora da tevê aberta não pagam o salário do Cala a Boca Galvão …

Os filhos do Roberto Marinho nunca tiveram Plano B.

Ou era o neolibelismo da Urubóloga, incorporado ao Principe da Privataria, ou nada.

Não imaginaram que pudessem viver tanto tempo fora do poder.

(Embora continuem a mamar no BV que levou o Pizzolatto à condenação…)

Os filhos do Roberto Marinho terceirizaram a opinião.

Os editoriais do Globo não tem a mínima importância, a mínima repercussão – como nos tempos do Jorge Serpa e do Dr Roberto.

Quando o Jorge Serpa – a mando do Dr Roberto – publicava aqueles tijolaços na primeira pagina de O Globo, a Republica tremia – ou caía na gargalhada…

O editorial é A voz do dono !

Agora, mandam os colonistas

1001 colonistas que, somados, não tem a importância de meio Jorge Serpa (com o Dr Roberto, por trás…).

Como os filhos do Roberto Marinho não têm a competência do pai para fazer o jogo da política – e da opinião, do que NÃO publicar – entregaram a opinião e o que NÃO publicar a empregados.

Que precisam garantir o emprego, com a faca no dentes.

E se tornaram mais realistas que o Rei.

São empregados que se engalfinham na reunião de pauta – como o “i” e o Ataulfo – para ver quem concorda mais com o patrão.

E exageraram.

Destruíram as pontes.

Foram longe demais.

Mais longe do que seria compatível com a sobrevivência da empresa.

Colocaram-se a empresa na linha de fogo.

O PT e a Dilma não têm mais como recuar: ou atiram ou morrem !

Essa eleição é sobre a Petrobras – clique aqui para ler “como vai ser a CPI – Joel Rennó vs pré-sal para o povo”.

E também sobre a Globo.

A Globo vai tentar destruir a Dilma.

É um questão empresarial.

Porque a Organização (sic) não sobrevive a um segundo mandato da Dilma.

(E, se, depois do segundo mandato da Dilma, o Lula volta, como ele disse no comício ?)

A Globo não vai fazer caixa para sustentar o custo de ser a Globo.

Vai faltar grana.

Quanto mais ela mantém “o padrão de qualidade”, mais ela se enforca.

“Meu pedacinho do chão” só se paga enquanto ela conseguir embolsar 80% da verba de tevê aberta com menos de 40% da audiência.

Um dia, os anunciantes vão desconfiar…

Tão caro por tão pouco ?

E vão pedir o BV de volta.

Não dá para perder 30% de audiência em 10 anos e 10% num ano e ficar tudo na mesma.

A Globo vai ficar obsoleta como líder de audiência.

Como a Veja.

Como a Time.

Como a Look.

É a morte anunciada.

Que o Dr Roberto saberia evitar: porque sabia também o que publicar …

A Globo vai morrer gorda.

Como um dos filhos do Dr Roberto.

Anônimo disse...

Pesquisas ora as pesquisas que só servem para encher linguiça.

Anônimo disse...

Não gostei da pesquisa, faltou colocar o Bolsonaro e a Denise Abreu nesta lista.

Anônimo disse...

O editor omitiu que num segundo turno Dilma ganha.

Carlos, NH disse...

O mais maluco, é que estes socialistas doidos continuam presos ao passado. CARAS! O MUNDO MUDOU!... Voces ainda estão combatendo a ditadura! Porque não tratam de coibir a rapinagem que seu partido está fazendo na nação e param de procurar o bode na sala!

Anônimo disse...

É!!! Aonde a vaca vai, o boi vai
atrás!!! Para a oposição, esta
eleição está se preparando como
vaca para touro!!!!!...

Anônimo disse...

Campos faz crítica tímida a Aécio. Marina quer mais...

Gustavo Rampini:

Com menos da metade das intenções de votos de Aécio Neves, Eduardo Campos vem sendo pressionado por aliados, especialmente por Marina Silva, a quebrar o pacto de não agressão com o tucano; neste domingo, ele pontuou a primeira diferença, mas sem bater; "temos diferenças, tanto que somos de partidos diferentes"; será que isso basta para chegar ao segundo turno?; desempenho no Fórum de Comandatuba, marcado pela ironia de Aécio, que disse não o ver como adversário, contribui para mudança de rumo

O Fórum Empresarial de Comandatuba foi o elemento que faltava para o candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, fazer suas primeiras críticas ao adversário do PSDB, Aécio Neves. Ambos firmaram, no ano passado, um pacto de não agressão, mas a aliança dos socialistas com a ex-ministra Marina Silva, do grupamento Rede, vai colocando essa estratégia cada vez mais em xeque. Encerrado neste domingo 4, o evento organizado pelo empresário João Doria Jr., presidente do LIDE, teve no debate, na sexta-feira 2, entre os dois candidatos, o seu ponto alto. "Sinceramente, ouvindo o Eduardo falar, não o vejo como adversário", afirmou Aécio, assim que iniciou sua exposição, feita após a de Campos. "Vamos vencer e certamente estaremos juntos a partir do ano que vem", anunciou o presidente do PSB.

Campos e Marina não acharam graça do volteio de Aécio. No salão lotado pelos empresários e suas mulheres, eles foram os únicos que não aplaudiram o senador mineiro ao final da exposição. Os dois e mais o governador da Bahia, Jaques Wagner, sentado ao lado do ex-governador de Pernambuco na mesa do evento. Apesar da ausência de aplausos – e com Marina com expressão fechada, face explícita de poucos amigos ali -, Campos se manteve alinhado, na fase de perguntas e respostas, ao seu compromisso de não atacar Aécio.

Ao cabo do debate, por sugestão do empresário João Doria Jr., presidente do LIDE, organizador do evento, os presidenciáveis posaram para fotos com uma bandeira do Brasil, cada um segurando-a pelas pontas.

Neste domingo 4, porém, Campos fez suas primeiras críticas públicas com mais ênfase na direção de Aécio. O motivo é simples. O tucano está crescendo nas pesquisas com mais velocidade do que Campos. Neste ritmo, já alcançou em ao menos um levantamento, um nível de intenções de voto para levá-lo ao segundo turno contra a presidente Dilma Rousseff. Campos e Marina crescem, mas a distância para Aécio, que só deverá escolher seu vice em junho, cresce.

Para mudança de discurso de Campos, que deve acentuar seu distanciamento de Aécio nos próximos dias, contribuiu decisivamente a postura de Marina. Ela não tem aceitado alianças com os tucanos nos planos estaduais – e já defende o nome do ex-deputado federal Walter Feldman, seu correligionário de primeira hora, para concorrer ao cargo de governador em São Paulo. Ex-fundador do PSDB, Feldmann foi atacado em sua saída do partido. Ele resolveu devolver seu mandato à legenda no momento em que entrou para o PSB, vindo da articulação para a organização do Rede, com Marina:

- Ela é muito especial, trouxe a sinceridade de volta para a política brasileira, define Feldman, amigo e admirador da ex-ministra.

No Fórum de Comandatuba, a conclusão geral foi a de que Campos fica mais tímido diante da presença de Marina. Na verdade, a timidez pode ter sido provocada, muito mais, pela decisão de não fazer frente a Aécio, o que fez de Campos, ali, quase que um representante de uma linha auxiliar do PSDB. Isso vai mudar - ou melhor, já está mudando.

Paulo Faustino disse...

O anti Globismo é de uma indigência ridícula, a TV Globo é uma empresa de um enorme grupo de outras empresas, e empresas não são ideológicas,sendo mais claro, ideologia de empresa é LUCRO, e o PT MAIS QUE QUALQUER OUTRO GOVERNO ANTERIOR, encheu as burras das empresas de comunicação, especialmente a GLOBO, de dinheiro. A televisão aberta no Brasil está minguando, já perdeu 60% de sua audiência para outros meios, Internet, TV Cabo e outros, portanto a TV Globo em si, já não detém o poder a ela atribuída.Mas o grupo segue FORTE, porque soube diversificar ao longo do tempo, tendo sido PIONEIRA na TV a Cabo por exemplo. O que os anti globistas não sabem, é que na hipótese (remotíssima) de quebra do grupo, vão desaparecer milhares de empregos e a maior produtora de conteúdo nacional, sem entrar no mérito da qualidade do produto. Regular o conteúdo de meios de comunicação, SEMPRE FOI E É, agenda de FASCISTAS E CORRUPTOS. A migração da audiência para outros meios e veículos é a VITÓRIA DO DIREITO DE ESCOLHA, por extensão da DEMOCRACIA.

Justiniano disse...

Quando é favorável ao petralhas é excelente, caso contrário: pesquisas ora as pesquisas que só servem para encher linguiça, tal qual disse o Anônimo 11:46!!