IPI reduzido custou R$ 12,3 bilhões ao Brasil

O incentivo tributário dado pelo governo Dilma para aumentar as vendas de automóveis custou R$ 12,3 bilhões de renúncia do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os cofres do governo federal, mas não foi suficiente para reduzir o lobby da indústria automobilística, que pede atualmente novos incentivos para o setor de autopeças, máquinas e exportações.

. A crise na Argentina e as restrições impostas pelo principal parceiro do Brasil no Mercosul devem diminuir as exportações brasileiras de veículos e servem agora como novo instrumento de pressão sobre o governo. 


. Segundo o jornal do Comércio, desde o estouro da crise internacional em 2008, foram dez medidas de redução, prorrogação e retorno parcial do IPI. O imposto voltou a subir em janeiro de forma gradual e as alíquotas devem chegar ao patamar normal no segundo semestre do ano.

2 comentários:

Anônimo disse...

É SÓ CONTER OS GASTOS OFICIAIS DO GOVERNO QUE RECUPERA ESTE VALOR.




EDUARDO MENEZES

americo ayala jr. disse...

Meu caro Polibio,
Esta conta de mentirinha sempre me irrita um pouco; está bem, mas quanto de imposto foi arrecadado pelo aumento de produção? Quanto de imposto foi arrecadado pelo restante da cadeia produtiva? Quantos empregos - e o seu respectivo consumo - foram mantidos por conta desta redução não só no segmento mas em toda a economia, já que indústria automobilistica puxa todo o resto da economia?
Os governos sempre vem com este lero-lero de "renúncia fiscal", mostrando só um lado das duas colunas da contabilidade! Por favor, não deixemos de compatibilizar margem com giro: os dois coexistem sempre!