Blog de Augusto Nunes - Agora é com o eleitorado

- O editor tem muitas restrições em relação à constitucionalidade e até em relação à justeza da Lei da Ficha Limpa, já que viola o princípio da presunção da inocência e atropela o estatuto civilizatório da coisa julgada. É a velha história de justificar o desrespeito às leis diante de valores que grupos sociais consideram superior a elas. Assim nascem as ditaduras. De qualquer forma, o artigo a seguir ilumina um pouco mais o dedate, focando num ponto ignorado por todos, que é a posição do eleitor. O editor pergunta se não estaria, também, na hora de uma Lei da Ficha Limpa para o eleitor que vende seu voto, vota sem atenção, escolhe por favor ou por simpatia.

A aplicação da Lei da Ficha Limpa já nas eleições deste ano é uma notícia animadora. Por decisão do Supremo Tribunal Federal, serão imediatamente varridos para longe das urnas obscenidades como Joaquim Roriz e Severino Cavalcanti, que renunciaram aos mandatos no Congresso para driblar a cassação inevitável.
E as listas de candidatos ficarão menos apavorantes com o sumiço de candidatos que foram condenados por algum tribunal.
Concordo com meu amigo Ricardo Setti: desde ontem, o país ficou um pouco melhor. Mas a Lei da Ficha Limpa é uma pedra no caminho insuficiente para obstruir a passagem da multidão de casos de polícia, todos portadores de salvo-condutos emitidos pelo eleitorado.
As restrições aprovadas pelo STF podem, por exemplo, livrar o Senado de um Jader Barbalho, mas não impedirão que outros barbalhos apareçam em Brasília cavalgando centenas de milhares de votos. É assim em qualquer Estado. É assim no país inteiro.
“Não se deve esquecer que essa tal opinião pública é a mesma que elege os chamados candidatos ficha-suja”, argumentou o ministro Gilmar Mendes, que considera a lei inconstitucional. A frase não tem força suficiente para sustentar a tese de Gilmar, mas é verdadeira.
A paisagem política só se tornará menos assustadora quando milhões de eleitores pararem de votar contra o Brasil.

2 comentários:

Anônimo disse...

eh preciso sim - não apenas uma, mas varias - leis que encabrestem esse tresloucado e doidivano eleitorado que consegue eleger corruptos consumados uma eleição atras da outra...

eh preciso "parar" o eleitor brasileiro, ele eh um perigo a democracia, por mais paradoxal que possa ser...

alias, a ascensão desse tal bolivarianismo na America Latrina eh simplesmente a prova de que eh preciso uma reformulação da democracia, pois o sistema demonstrou ser muito frágil, suscetível a manobras que transformam o regime em ditaduras de forma legal e muito facilmente...

a democracia precisa se atualizar e criar regras que barrem os já conhecidíssimos truques usados pelos safados para se perpetuarem no poder...

eh inconcebível, por exemplo, a reeleição de gente que tem a chave de um cofre gordíssimo, podendo comprar meio eleitorado de maneira obliqua, e não apenas distribuindo grana, literalmente...

de resto, so acho que a aprovação da lei dessa maneira atabalhoada e precipitada também prejudicou a base de sustentação do estado de direito...

poderiam aplicar a lei daqui pra frente, sem revanchismos pra tentar pegar corruptos velhos e tudo ficaria perfeito...

mas nessepaiz alguém tem sempre que avacalhar com tudo...

Anônimo disse...

Melhor para esta porcaria de voto proporcional, apenas serão mais cuidadosos pois os eleitores continuarão sem sabem onde o seu representante tem residencia.