Proposta que eleva dinheiro para saúde será votada nesta terça-feira

Será nesta terça-feira a votação da proposta de regulamentação da chamada Emenda 29, aprovada em 2000 para assegurar maiores e definitivos recursos para a área da saúde pública.

. “O Presidente do Senado, José Sarney, me disse pessoalmente que colocará em votação o relatório do Senador Humberto Costa, PT, que deveria ter sido apresentado na terça-feira da semana passada”, foi o que informou ao editor, nesta segunda ao meio dia, o Deputado gaúcho Darcisio Perondi. Perondi, médico, é Presidente da Frente Parlamentar da Saúde. Ele acampou no Senado.
 
. Caso a regulamentação seja aprovada, os atuais 7% da Receita Bruta da União subirão para 10%, por partes. A elevação de 7% para 7,5%, já no ano que vem, injetará R$ 32 bilhões adicionais na área da saúde.

. O problema todo é que o governo quer rejeitar a proposta de regulamentação e ameaça vetá-la, caso seja tudo aprovado pelo Senado.

. O editor quis saber como andam os cálculos para a votação desta terça. Eis as contas de Darcisio Perondi:
- A oposição garantiu o voto de 17 senadores, mas já temos garantidos mais 11 votos do PMDB. Somando-se aos dos dois senadores do RS (Ana Amélia, PP, e Paulo Paim, PT, já que o voto de Simon está incluído nos 11 do PMDB), isto significa que iremos ao plenário com 30 votos. 

. Serão necessários 41 votos para a aprovação, mas o Deputado do PMDB acha que largando com 30 votos, o ímpeto parlamentar fará o resto.

- O governo passa por uma situação vulnerável politicamente, porque precisa aprovar ainda este mês a DRU (Desvinculação da Receita da União) que lhe permitirá usar como bem entender a quantia de R$ 62 bilhões. Isto só ocorrerá com a boa vontade dos senadores, inclusive da oposição. Neste caso, será preciso transacionar.

2 comentários:

Anônimo disse...

Até quando o governo irá insistir no assunto DRU. Esse desvio de recursos fragiliza a saúde e a previdência. Até quando teremos que aguentar um governo gastador e que quer SEMPRE explodir com o direito alheio, como por exemplo, dos aposentados que trabalharam, produziram riqueza, contribuiram antecipada e compulsoriamente e ainda levam a fama de 'consumirem dinheiro dos cofres públicos' quando em verdade quem comsome recursos que não lhe pertencem é o governo central. Vamos dar um basta nisso, o governo precisa cair na real e saber que osas remunerações e despesas no setor público precisam URGENTE se enquadrar a realidade e, de preferência, ao setor privado, aquele que o sustenta.

Anônimo disse...

Políbio, li e gostei, pois retrda o que hoje assistimos.
Texto de Ayn Rand – filósofa judaico-russa – 1905 a 1982
"Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em autossacrifício, então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada".