Ex-chanceler de Dilma prevê queda de Bolsonaro e posse de Mourão

O editor aposta que o diplomata vestirá a roupa que os dois médicos aplicaram no paciente ao lado.

O embaixador lulopetista Samuel Guimarães, ex-chanceler do governo Dilma, deposto com ela, consultou os astros e fez a seguinte previsão, hoje, sobre o futuro do governo Bolsonaro, que estarão decididos no curso dos próximos 60 dias:

1) Dentro de dois meses, o presidente será derrubado.
2) No lugar dele, assumirá o vice Mourão.

O embaixador também garantiu que a posse de Mourão não significará o início de uma ditadura militar.

Samuel Guimarães pode estar prevendo a queda posterior de Mourão e a eleição de Lula numa nova disputa presidencial.

48 comentários:

Anônimo disse...

Fake news...
https://www.youtube.com/watch?v=1EgtH7_h5qA

Anônimo disse...

Idolatria cega???
https://www.youtube.com/watch?v=fNwZnv4qwww

Anônimo disse...

Embora a democracia não seja uma marca brasileira...
https://www.youtube.com/watch?v=Sv5TNUEBFZI

Anônimo disse...

Cada qual com sua interpretação [sic] exótica...
https://www.youtube.com/watch?v=ISdE0-X-1tk
Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Esse ASNO deveria saber que só se derruba presidente via impeachment se ele cometer ilicilí durante o mandato! Fora isso, É GOLPE!!!

Anônimo disse...

🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣

Anônimo disse...

Pode sonhar que ainda não paga imposto.

Anônimo disse...

Tá mais fácil fechar o vongresso que bolsonaro cair.
Depous ele não previu que dilma vzi ser presa em 60 dias que médium cascateiro.

Anônimo disse...

Esta conjectura é realmente um projeto gestado nos porões da politica suja da centro esquerda (PSDB). Mourão? Sim, pelo desembaraço com que circulou nos bastidores da grande mídia antes de receber um para-te-quieto dos eleitores de Bolsonaro, nos faz a acreditar que está de conluio com esta patacoada.
Alerta!!! Não menosprezem o povo verde/amarelo que foi às ruas.Não engrossem ainda mais o caldo.

Ariel disse...

Sonhar não custa nada.....o futura a DEUS pertence...será que um novo
Adélio está sendo preparado e não sabemos de nada?





Anônimo disse...

Bolsonaro começou a cair quando mandou, digo, deixou Olavo de Carvalho ofender vários Generais e atuais Ministros do Governo.

Anônimo disse...

Esse mesmo embaixador previu e avisou Lula logo no final de seu segundo mandato que forças utra conservadoras do Brasil e dos EUA (com STF e tudo, como diria Jucá...) estavam tramando sua prisão, ......

Anônimo disse...

O bolsonarismo é uma manifestação única na história brasileira. Não tem similar. A associação com Jânio Quadros ou Fernando Collor não se sustenta. O primeiro teve uma destacada carreira administrativa na prefeitura de São Paulo e no governo estadual. Elegeu, inclusive, seu sucessor. Na eleição de 1960 obteve um amplo arco de apoio mesmo em uma conjuntura econômica favorável (o país cresceu 9,4%) venceu o candidato oficial (o marechal Teixeira Lott). Estabeleceu no governo uma política externa independente – em plena Guerra Fria – e nomeou o primeiro embaixador negro, o jornalista Raymundo Souza Dantas. Fernando Collor enfrentou e venceu o PT na primeira eleição presidencial depois de 29 anos. Encontrou um país com uma inflação anual de 1782,9% (em 1989). Os seus dois ministérios foram compostos (com raríssimas exceções) por expoentes nas diversas áreas, basta ver os titulares do Itamaraty. O quadro atual é muito distinto – isto sem entrar, por exemplo, na formação intelectual de Jânio comparada a de Bolsonaro; a oratória e o conhecimento do vernáculo.

É possível entender o bolsonarismo como resposta popular à desmoralização do Estado democrático de Direito realizado pelo PT durante 13 longos anos. Ao que o ministro Celso de Mello, em um voto da Ação Penal 470, chamou de projeto criminoso de poder. A democracia foi considerada responsável pelo saque do Estado. Os fabulosos gastos eleitorais – financiados pela corrupção estatal em escala nunca vista na nossa história, como o petrolão – permitiram transformar o processo eleitoral em uma farsa sob controle petista. A compra de apoio parlamentar levou a um entendimento de que o Congresso não passava de uma Casa pronta para ser subornada. Esta visão acabou sendo consolidada em grande parte da sociedade. Assim, o Parlamento perdeu o papel de ser um conduto para a insatisfação popular. Mais grave, passou a ser visto como um obstáculo à moralização da coisa pública, à governabilidade.

Anônimo disse...

O bolsonarismo ocupou o espaço deixado vazio pela direita e o centro democrático. É aquela velha história: assim como no futebol, na política não há vazio que não será ocupado. A direita liberal perdeu o discurso. Pressionada pela extrema-direita teve enorme dificuldade de construir um discurso no campo democrático que respondesse à desilusão dos eleitores com o sistema político desenvolvido a partir da Constituição de 1988. Já o centro perdeu identidade. As acusações de corrupção que atingiram seus líderes acabaram maculando a construção de uma proposta que resgatasse os valores democráticos, combatesse os desvios de recursos públicos e apresentasse ao país um caminho para o crescimento econômico.

A manifestação de domingo demonstrou que o bolsonarismo tem enorme dificuldade de conviver com a democracia, com as instituições, com o funcionamento do Estado sob a égide da Constituição de 1988. Isso não significa necessariamente que o autoritarismo esteja de tal forma consolidado nos corações e mentes dos apoiadores do Presidente da República que não possa ser enfrentado. Muitos estão iludidos por uma solução de força, por uma suposta limpeza ética. Estão enganados, sim. Mas tem de ser conquistados para o campo democrático. E aí mora um outro problema. Onde estão as alternativas? Quais os líderes? E as ideias? Basta criticar os manifestantes?

Anônimo disse...

Até hoje não é possível afirmar que há um plano de governo. O que existe são ações ministeriais, na maior parte das vezes desconectadas e sem um claro objetivo a ser atingido. A improvisação é uma marca desta gestão. A própria reorganização ministerial é uma demonstração de amadorismo na estruturação das diversas atividades governamentais. Também a escolha dos ministros foi contaminada pela pobreza ideológica de Bolsonaro. Sem uma perspectiva macro, passou toda a campanha dissertando sobre obviedades, platitudes e temas irrelevantes. Quando instado a esclarecer algum ponto controverso, evitava aprofundar a dúvida. Optava pela desqualificação do interlocutor. E assim passou toda a campanha – e foi favorecido, involuntariamente, registre-se – pelo atentado de 6 de setembro, que permitiu justificar a ausência nos debates. Assim, o eleitor deu um cheque em branco no último processo eleitoral.

A pobreza ideológica foi agravada pela falta de quadros. Isto explica a escolha de ministros sem expressão e despreparados para o exercício de funções públicas tão importantes. O pior é que os nomeados, deslumbrados com o poder, agiram (com raras exceções) como se estivessem conquistando território inimigo. Houve uma junção de primarismo político, radicalismo religioso e fanatismo. Um coquetel tenebroso que imobiliza a boa gestão administrativa. O que funciona no governo deve-se a alguns abnegados (geralmente funcionários de carreira) e alguns ministros (a minoria) que tenta dar um rumo racional à irracionalidade advinda do Palácio do Planalto.

Anônimo disse...

A manifestação de 26 de maio não alterou em nada a situação política. Permanece a tensão entre o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional. Houve um discreto apoio oficial aos atos, mas sem a participação direta do presidente da República. Se o objetivo era o de emparedar o Congresso, acabou fracassando. As ruas não ficaram tomadas pelo povo, como nas manifestações pelo impeachment de Dilma Rousseff.
A questão central é a governabilidade. Algo que não será resolvido com os apoiadores de Jair Bolsonaro nas ruas. Se nada mudou, então o governo perdeu. Ficou demonstrado que o apoio popular está menor do que estimado. Pode ser que o presidente tenha caído na armadilha das redes sociais. O mundo virtual não é o melhor conselheiro político. E mais: robôs não fazem história.
O Palácio do Planalto padece de um déficit de democracia. As constantes diatribes de Bolsonaro contra o funcionamento do Congresso reforçam o seu desinteresse pela negociação política, essência da democracia. A demonização dos partidos e das principais lideranças políticas do Parlamento compõe o receituário. Nesses cinco meses de presidência, ele não deu nenhum sinal real de que pretende conviver com a independência dos poderes. É provável que até desconheça o funcionamento de cada poder consagrado na Constituição, apesar de ter permanecido 28 anos na Câmara dos Deputados.

Anônimo disse...

O governo não conseguiu apresentar um conjunto de medidas que possam conduzir o País à recuperação econômica. O discurso monocórdio de que tudo passa milagrosamente pela Reforma da Previdência produz uma narrativa de que, a partir da sua aprovação, o Brasil vai entrar numa rota de crescimento econômico em ritmo chinês. Que o capital estrangeiro vai afluir aos bilhões de dólares. É uma falácia. São necessárias diversas ações no campo macroeconômico, devidamente articuladas dentro de um amplo projeto nacional, a fim de criar as condições para que o País saia da crise criada a partir do início do segundo governo Dilma. Isso não vai ocorrer espontaneamente, mas será produto de uma ação governamental responsável.
E ao Presidente da República, o que caberia fazer? Coordenar os esforços para que o Brasil tenha um rumo seguro. Para tanto, necessitaria ter ciência dos principais projetos. Bolsonaro deveria entusiasmar o País. Viajar, inaugurar obras, discursar apresentando as ações governamentais e dialogar com os setores políticos.

Selminha Rocha disse...

Oh coitado!!! Deus nos libertou deste mal, nem na próxima encarnação essa raça maledita se criará novamente..#olulatapresobabaca

Anônimo disse...

Este Tipo não cuida da estocagem de vento ?

Anônimo disse...

Boa análise! Honesta! Bem diferente dos imbecis do DCM,PHA, Fórum, Ismael, 247...e outros idiotas Petistas!

Anônimo disse...


E sobre a liberdade do Bandido-Mor barbudo-petralha ladrão dos pobre trabalhadores .... alguma previsão se vai ser em 2040 ou 2050 ??

Anônimo disse...

Não esquecamos que depois da eleição do Lula a Dilma irá assumir novamente para terminar o grande trabalhos que começou em 2010. Daí os brasileiros vão pedir asilo na Venezuela e em Cuba, pois serão considerados como paraísos comparado ao novo Brasil de 2026. A inflação da Venezuela estará em 1.000.000.000.000.000% metade da inflação brasileira no futuro governo previsto pelo ex-embaixador.

Anônimo disse...

>>



Ciro Gomes: O PT é uma cartomante com Alzheimer



<<

Anônimo disse...

🇧🇷 Já combinaram com o povão? Não? É então vai dar ruim.

Anônimo disse...

Será que ele tem os números da mega sena ? Babacões

Anônimo disse...

Bolsonaro irá cair, morrer de traumatismo craniano e então Mourao assume? Atenção com o chão, capitão! Porque o Congresso não consegue derrubar ninguém em 2 meses. Nem Dilma teve tanta rapidez.

Anônimo disse...

Percebem por que Dilma caiu? Com uns auxiliares como esse só podia fazer o que fez. Vamos ver a guerra dos astrólogos em breve? Olavo, cade você com os astros?

José Corrêa disse...

Sr Políbio:

Que tal um bilhete aéreo para elle???

Para Caracas, só ida!!!

Anônimo disse...

As esquerdas e o centrão continuam querendo solapar o governo - até o Nhonho - dizendo que não existe "plano de governo" (procurem na internet, está lá!). Outra coisa, não haverá articulação($$$) política($$$) por parte do palácio do planalto. Essa é a raiva. Vão continuar com o cabo de guerra até o último momento, mas perderão e sairão desmoralizados.

Anônimo disse...

Para o Brasil e as reformas, seria muito melhor.
Bolsonaro é despreparado, inexperiente e não tem projeto nenhum de desenvolvimento e criação de empregos, sem contar seus filhos atrapalhando ainda mais a governança

Anônimo disse...

Samuel Guimaraes é um diplomata esquerdopata aposentado. NAO é Embaixador.
Sofre de miopia ideológica galopante. É um dos babacas que querem ver o maior ladrao de todos os tempos, o molusco apaixonado, fora da cadeia.!!!

Anônimo disse...

Samuel é um comunistinha desde os tempos de aluno do Instituto Rio Branco. !

Anônimo disse...

Kkkkk... Rindo toda a vida !!!

Anônimo disse...

Bolsonaro só cai se as esquerdas assassinarem ele, será que este cara tem informações privilegiadas sobre algum complô?

Anônimo disse...

A VE'IA LOUCA AINDA NAO ENTENDEU

AGUARDA GARRAFA PARA GUARDAR VENTO

LULA TA PRESO

Anônimo disse...

Não anonimo das 20:14, o Congresso só está esperando o OK dos Militares e o Mourão assume.

Anônimo disse...

Só para lembrar o nobre senhor, acabou de ser aprovado pelo Senado a MP 871 do Bolsonaro que investiga fraudes mo INSS , resultado Sim 55 Não 12.Uma lavada contra a oposição que esse cidadão pertence.

Anônimo disse...

Será difícil derrubar o Presidente Jair Bolsonaro. Ele tem um exército de 58% da população e os militares que o apoiam. Brasil acima de tudo! Deus acima de todos! Bolsonaro ama o Brasil e deu seu sangue pelo povo.

Paulo Helmich disse...

E quem se importa com a opinião furada de um ZUMBI PETISTA LACAIO DO CORRUPTO CHEFE DA ORCRIM DO PT?

Unknown disse...

Estou só observando a paciência se esgotar....vai chegar o dia que petralhas serão perseguidos nas ruas....aí já é tarde...

Anônimo disse...

Isso é coisa dos oráculos daquele sábio dos direitosos, só pode ser.

Anônimo disse...

Olha o ponto em que o cérebro desse cidadão chegou.
"Estou só observando a paciência se esgotar....vai chegar o dia que petralhas serão perseguidos nas ruas....aí já é tarde..."

E o editor permite esse tipo de coisa. Quando se diz que ele é nazista e fascista fica todo tristinho.

Anônimo disse...

O anonino das 22:09 esqueceu que o mercado e o povo estão abandonado o Capitão, só falta As Forças Armadas.

Anônimo disse...

Bolsonaro ou outro o PT seria derrotado 57 milhões estavam decididos para sacar esses pilantras

Anônimo disse...

Quais as opções? Em política não existe espaço vazio que não seja preenchido. O PT desmoralizou não só o Estado democrático de Direita e suas instituições como também desmoralizou a esquerda.

Anônimo disse...

A revolta e indignação devem recair sobre o PT e não contra o Estado democrático de Direito e suas instituições.
A justa indignação da população contra o “projeto criminoso de poder” petista que registrou o maior saque ao Erário no mundo ocidental, foi decisiva na eleição de Bolsonaro.
Importante destacar a diferença entre aqueles que votaram em Bolsonaro, como voto de protesto contra o PT, daqueles que são bolsonaristas.
O desafio é trazer os cidadãos indignados que votaram na extrema direita para o polo democrático.

Anônimo disse...

Ou você é louco de pedra ou ta trabalhando pro Bolsonaro. Acredito mais na opção 1. A versão bolsonarista daquele PT zao mais idiotizado.QI de caramujo.

Anônimo disse...

A revolta e indignação devem recair sobre o PT e não contra o Estado democrático de Direito e suas instituições.
A justa indignação da população contra o “projeto criminoso de poder” petista que registrou o maior saque ao Erário no mundo ocidental, foi decisiva na eleição de Bolsonaro.
Importante destacar a diferença entre aqueles que votaram em Bolsonaro, como voto de protesto contra o PT, daqueles que são bolsonaristas.
O desafio é trazer os cidadãos indignados que votaram na extrema direita para o polo democrático.