Jornalista Leudo Costa quer saber tamanho e gastos da frota de carros dos deputados estaduais do RS

O jornalista Leudo Costa acaba de protocllar na Assembléia do RS um pedido com base na Lei de Acesso às Informações, no qual busca saber quantos carros estão a disposição dos deputados e seus assessores, bem como o valor dos gastos efetivados com cada um deles ao longo dos últimos três anos.

O que quer saber o jornalista:

1. Que sejam fornecidas cópias ou acesso eletrônico para registro - escaner -  de forma individual e em separado,  todos os documentos legais e oficiais  que vinculem automóveis registrados em nome de todos os deputados com assento nesta Casa e assessores, com cópia dos respectivos renavans,  que  recebam deste Parlamento, indenização de qualquer espécie a saber:  Gasolina, álcool ou diesel, consertos, trocas de peças, equipamentos e seguro e seguro obrigatório e cobertura total.
2. Acesso a todas os processos contábeis que justifiquem diárias de motoristas e usuários relacionados ao abastecimento dos veículos referidos, com a consequente exibição de notas fiscais e controle de kilometragem...
3. Acesso a todas as notas fiscais, recibos ou controle tidos como válidos pela CAGE, que demonstrem gastos com consertos e compra de pneus dos referidos veículos...

4. A presente solicitação corresponde aos anos de 2105, 2016 e 2017.

5 comentários:

Anônimo disse...

carro oficial com seguranças buscando neto do vice governador na escola? isto a 2 quadras da casa do filho...

Anônimo disse...

Vão aparecer coisas do arco!!!!

Anônimo disse...

É bom pedir também os gastos das diárias de viagens, das "excrescências", ops, excelências, nos arredores de Porto Alegre, interior do RS, outros estados e exterior. Vão surgir uns roteiros bem curiosos.
Como lembrou o anônimo das 16:51, vão aparecer coisas do arco da velha.
Aqui, em SC, a NSC andou investigando e publicando a farra das diárias na ALESC. Os maiores gastadores deram inúmeras desculpas esfarrapadas, mas não devolveram um mísero centavo.
Ajudaria muito na situação pré-falimentar em que o nosso Estado se encontra, com o caixa da Secretaria da Fazenda sendo raspado para pagar as folhas de nov./dez e 13º. Os fornecedores, os hospitais filantrópicos e a polícia militar e civil que se lasquem.

Anônimo disse...

O legislativo e Judiciário não estão sujeitos a economizar.

Anônimo disse...

duvido que isso ocorra.