Opinião do editor - É intolerável a interferência da Justiça do Trabalho em atos típicos de Governo

Faltou à PGE denunciar que a Justiça do Trabalho impõe pesadas perdas financeiras ao Tesouro do Estado, em decorrência da interferência abusiva e da demora com que trabalha no caso.

O editor buscou por inúmeras vezes saber informações e opiniões da Procuradoria Geral do Estado sobre as ações que o governo gaúcho intentaria para cortar o passo das demoradíssimas negociações exigidas pela Justiça do Trabalho do RS, tudo para "autorizar" a extinção de seis Fundações. A PGE sempre pareceu conformada com a demora de 9 meses, tempo que na natureza somente o gênero humano leva para gerar um filho. Finalmente a PGE saiu de cima do muro, conforme o leitor perceberá pela nota a seguir. O que diz corretamente a PGE:

- O Poder Executivo está colocando em prática o projeto de governo para o qual foi democraticamente eleito, com a chancela do Poder Legislativo, a fim de remodelar e reorganizar o próprio Estado. Não cabe ao Poder Judiciário intervir na conduta legítima daqueles Poderes, atentando contra o próprio Estado Democrático de Direito.

E não cabe mesmo.

A Justiça do Trabalho do RS alçou-se a uma posição que não lhe cabe, interferindo em atos administrativos próprios da administração estadual, inclusive tutelados por decisões soberanas do Legislativo. 

19 comentários:

Unknown disse...

Ou o Brasil acaba com a Justiça do Trabalho retrógrada e os Sindicatos pelegos ou eles acabam com o Brasil!!!

Anônimo disse...

Os abusos dos Juízes da Justiça do Trabalho e do Ministério Público do Trabalho precisam ser atacados pelo Conselho Nacional de Justiça - CNJ, como órgão institucional, mas, também, pela sociedade, através do seu melhor conduto que são os meios de comunicação. Veja os abusos no bloqueio de contas e bens de pessoas que nada tem a ver com empresas que devem. A Justiça faz um verdadeiro chantageamento. Talvez seja a hora de começar uma campanha pela incorporação da Justiça do Trabalho à Justiça Federal ou até mesmo extingui-la, criando Câmaras de Arbitragem, mais equilibradas e competentes.

Anônimo disse...

Perfeito! Já passou da hora da extinção da Justiça do Trabalho.

Anônimo disse...

Engraçado , alguns querem a Justiça só quando são beneficiados.

Anônimo disse...

Parabéns TRT4, Parabéns PGE.

Anônimo disse...

Aos defensores da Privatização não entendo o porquê do descontentamento com a greve dos professores. Presumo que por defenderem a Privatização tenham filhos em escolas particulares, não usem a rede pública de saúde e não morem em casas financiadas pelo estado. Ou estou errado e é só mágoa é mentira? Usem está energia para progredirem ao invés de ficarem desejando o mal.O meu sucesso não é a causa do TEU. FRACASSO

Anônimo disse...



É UMA ESCULHAMBAÇÃO GERAL NOS 03 PODERES...FOI ISSO QUE ACONTECEU EM 64...NÃO DAVA MAIS...

Anônimo disse...

A justiça do trabalho é uma cloaca.

Anônimo disse...


A PGE tem de dar conta de cobrar a dívida ativa e parar de destinar procuradores a atuar nas causas perdidas e sem nenhum efeito prático ou rentável discutindo e recorrendo por causa de 300 ou 400 reais e os créditos milionários paralisados nas prateleiras de DIVERSOS órgãos esperando atuação diligente e impulsionamento responsável.




Unknown disse...

Bela charge... a marcha dos cagados!!!

Anônimo disse...


O Editor é jornalista e não entende do assunto. Poderia ser mais humilde e usar a expressão "Eu acho...".

Anônimo disse...

Sei que não é possivel, mas seria interessante se esse pessoal todo pudesse ser cedido a justiça do trabalho, ela que os pagasse.

Anônimo disse...

kkkkkkkk? intolerável????? um cara que diz que tem oab dizer isso em nome do fanatismo partidário...É nessas aí q o cara se entrega ehehehe

Anônimo disse...

Aos defensores da Privatização não entendo o porquê do descontentamento com a greve dos professores. Presumo que por defenderem a Privatização tenham filhos em escolas particulares, não usem a rede pública de saúde e não morem em casas financiadas pelo estado. Ou estou errado e é só mágoa é mentira? Usem está energia para progredirem ao invés de ficarem desejando o mal.O meu sucesso não é a causa do TEU. FRACASSO

Anônimo disse...

O editor é contra decisão judicial? Ou só é a favor de decisão judicial do luz moro contra o PT e lula?

Anônimo disse...

Seu comentário é de uma crueldade sem limites. Então não lhe passa pela cabeça que pessoas normais se preocupam que crianças da rede pública possam concluir o ano letivo? Você se preocupa apenas em destruir Sartori, e o resto (crianças incluídas) que se explodam. Você é a escória foi mundo!!

Anônimo disse...

LERDA & MILIONÁRIA, a bem da Verdade!!!

Anônimo disse...

O sistema dos tres poderes está apodrecido.. existe o oexecutivo, o legislativo e o poder executivo do judiciário.. Juizes aão são eleitos para fazer atos de governo.. Mas desde o juizinho de Comarca até os ruminantes vermelhos do Supremo fazem por fazer atos do poder executivo..... virou uma mer..da só...o que precisamos é de Moro nas bandidos e Mourão no judiciario...

Anônimo disse...

Anônimo de 7 de outubro de 2017 10:10: Muito antes pelo contrário. Quem defende privatização é porque não acha correto este corporativismo que faz com que os alunos de escolas públicas fiquem 2 meses sem aula, com a greve dos professores, totalmente política, pois se fosse legítima (pelo salário) teriam voltado às aulas no dia 15/09, quando o total dos servidores foi pago.
O ensino público já é ruim e não permite que estes alunos compitam com os alunos de escolas privadas. E ainda por cima ficam 2 meses sem aula, ou até percam o ano letivo. Isso sim é não ter amor por crianças em situação mais vulnerável. Por mim iriam para escolas particulares, pagas com vouchers, como eu quando criança. Sairia mais barato que pagar professores que não dão aula e manter 40 servidores no CPERS.