Inflação do IGP-10 diz que há deflação em agosto

A deflação do IGP-10 de agosto foi impulsionada pela queda dos preços agropecuários e industriais.


O IGP-10 mostrou queda de 0,27% em agosto, em linha com o esperado pelo mercado (-0,25%) e abaixo da projeção de bancos como o  Bradesco (-0,20%), conforme divulgado há pouco pela FGV. 

A queda do índice, que sucedeu avanço de 1,23% em julho, refletiu  a deflação de 1,66% do IPA agropecuário, ante alta de 3,32% registrada no mês passado. No mesmo sentido, o IPA industrial passou de uma elevação de 0,37% para um recuo de 0,11% nesse período. A desaceleração do INCC, que oscilou de uma elevação de 1,76% para outra de 0,23% também contribuiu para o resultado do IGP-10. Por fim, o IPC acelerou de uma alta de 0,27% para outra de 0,38% entre julho e o mês corrente, diante da maior alta em seis de seus oito itens. Para as próximas leituras, espera-se que a deflação do IPA agropecuário perca força, refletindo a alta dos preços de algumas frutas e tubérculos. Já o IPA industrial deve apresentar resultados semelhantes ao observado no indicador divulgado hoje.

2 comentários:

Anônimo disse...

Antes de escrever estas coisas, vá num supermercado.

Anônimo disse...

Mais sinais da “recuperação econômica” de Temer. Sobe o desemprego

Fernando Brito · 17/08/2016

O IBGE divulgou o desemprego do segundo trimestre do ano, metade dele já passado sob o Governo Michel Temer.

Claro, subiu em todas as regiões do país: dos 10,9% do primeiro trimestre, está agora em 11,3%, com destaque para o Nordeste, com 13,2%, contra 12,8%.

Também a renda média caiu: menos 1,5% em relação ao trimestre anterior.

Queda na renda e apreciação do real para segurar a inflação não são saída para a crise.

Com o risco adicional do aumento do endividamento das empresas brasileiras em dólar, espremidas pelos juros altos aqui, pagando juros em dólar que não se acham no mundo.....