Cunha: "O governo Dilma acabou na Câmara"

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), negou nesta quinta-feira, que a Casa esteja paralisada em virtude do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, que agora está no Senado. Ele, no entanto, admitiu que o ritmo dos trabalhos dos deputados foi desacelerado. "O problema é que não tem governo, o governo não existe na Câmara. Não existe nem para encaminhar votação. O partido do governo está obstruindo (a votação) de sua própria Medida Provisória. A verdade é que o governo acabou na Casa", resumiu.

Para Cunha, o período em que se aguarda a decisão do Senado é difícil porque "não há diálogo, nem com quem dialogar" no governo. Ele afirmou que não houve paralisia nos trabalhos da Câmara, lembrou que as comissões permanentes já foram escolhidas e começarão a funcionar na próxima semana. "Vai continuar havendo votações", declarou.

Hoje, por exemplo, foi votado um pedido de urgência para a proposta de reajuste do Judiciário, mas Cunha ressaltou que não há, ainda, acordo para votação do mérito da matéria. Ele negou que tenha dito que a Câmara não votaria nada durante o processo de impeachment, mas comentou que não havia vontade política entre os líderes partidários para votar.

5 comentários:

Anônimo disse...

Aumento do judiciário? De novo?
mais uma conta para o contribuinte pagar? e sempre dos mesmos aqueles que já ganham bem.

Anônimo disse...

Este Cunha já deveria ter sido cassado. Ele representa a escumalha da escumalha, a podridão da podridão, o pior do pior. Quem é ele pra falar alguma coisa. Corrupto, ladrão do dinheiro do povo. E será o nosso vice-presidente.

ARS disse...

Enquanto não assumir o novo governo, não se deve votar nada. O senado que trate de cumprir sua obrigação e casse logo o mandato da organização criminosa no poder, como a população exige!

Anônimo disse...

Dá para compreender o Eduardo Cunha.Se os trabalhos estão desacelerados é porque os quase 370 deputados que votaram pelo impeachment da Dilma não estão com boa vontade para ajudar esse desgoverno. A maioria é da oposição.E estão sendo coerentes.

Anônimo disse...

Será que o Cunha, como bom evangélico, paga o dízimo sobre todo o dinheiro que ele rouba ou só sobre seu salário ?