Com manobra relâmpago, ruralistas retomam benefício de R$ 17 bilhões

Enquanto as atenções estavam voltadas para a proposta de reajuste dos ministros do STF, a bancada ruralista fez uma manobra no Congresso para ressuscitar um perdão de dívidas de R$ 17 bilhões que já havia sido negado pelo governo. 

Sem espaço fiscal no Orçamento para bancar um programa como esse, a equipe econômica já tinha reduzido o custo da renegociação de débitos dos produtores rurais para R$ 1,6 bilhão. Isto foi feito em junho por meio da Medida Provisória 842, cujo relatório foi apresentado na quarta-feira, 8, pelo senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) menos de três horas depois da instalação da comissão mista que vai analisar a proposta. O texto "relâmpago" não só restituiu todas as renegociações que o Congresso já havia tentado emplacar antes (e que acabaram vetadas pelo presidente Michel Temer) como também prevê a extensão de alguns benefícios a dívidas que deixem de ser pagas até 31 de dezembro de 2018.

Esse trecho foi considerado "absurdo" por fontes da área econômica por ser um "convite" à inadimplência. Ou seja, o devedor poderá se programar para não pagar e depois renegociará o contrato.

CLIQUE AQUI para conhecer mais detalhes.

3 comentários:

Anônimo disse...

Voces que não enxergam um palmo na frente dos olhos, ficam somente preocupados com Lula , devem saber que estes mamões estão todos rodeando o Alkmim

Anônimo disse...

Quem é a bancada ruralista?
É o pessoal que apoiou o golpe contra Dilma, apoiou Aécio, apoia Temer, Alckmin, Dória, Bolnossauro, Meireles, Moreira Franco, Padilha, Jucá, Serra, FHC, e toda essa cambada que quer se manter no poder pra roubar a vontade.

Anônimo disse...


Culpa da greve dos caminhoneiros...