Portugueses continuam tentando travar a Oi

A Oi informou hoje, por meio de comunicado ao mercado, que não realizará a assembleia geral extraordinária convocada para o dia 7 de fevereiro por um de seus acionistas, o grupo português Pharol (ex-Portugal Telecom), detentora de mais de 22% do capital da empresa.

Entre os pontos pautados para a assembleia está a rediscussão de partes do plano de recuperação judicial aprovado pelos credores em dezembro do ano passado. De acordo com o comunicado, a convocação contraria a decisão judicial que homologou seu plano de recuperação judicial. A realização de uma assembleia geral extraordinária “por iniciativa de um de seus acionistas contraria a decisão judicial, proferida em 8 de Janeiro de 2018, pelo Juízo da 7ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro. A referida decisão judicial homologou o Plano de Recuperação Judicial aprovado pelos credores e concedeu a recuperação judicial da Oi e de suas subsidiárias”, disse a nota.

- Os portugueses não se deram por satisfeitos de terem colocado a Oi em Recuperação Judicial agora tentam atrapalhar o retomada do crescimento da companhia.

5 comentários:

Anônimo disse...

Por mim que quebre já, a internacional do condenado.

Anônimo disse...

Essas operadoras, no Brasil, são todas uma porcaria.
Péssimo serviço e caríssimos.
Meia dúzia de operadoras formando um cartel e explorando babacas.
Tomara, UM DIA, existam centenas de operadoras como acontece em países CIVILIZADOS.

Anônimo disse...

Torcendo muito para essa torturadora da paciência dos consumidores fechar logo as portas. Somente hoje recebi 3 ligações, gravaçoes, tentando me vender o lixo de suas "promoções" . São gravações "robôs". Espero que a justiça obrigue seus atuais e antigos diretores a pagarem, pelo menos parte, da imensa dívida que sua incompetência gerou. Quantos bônus milhonários foram distribuídos enquanto a empresa afundava? Sem falar da suruba com políticos.

Anônimo disse...

oi-....hum....e o filho de lula investigado como vai... oi..... hum,......

Anônimo disse...

Onde português põe a mão nada cresce, vide o Brasil.