Opinião do editor - Yunes combinou com Temer a fala sobre Padilha

O amigo in pectore de Michel Temer, seu ex-assessor especial até 30 dias atrás, delatou Eliseu Padilha para os procuradores da PGR e na entrevista de uma hora e 20 minutos para Veja (leia abaixo).

É evidente que um amigão de 50 anos como o experiente advogado, jamais delataria sem ter combinado a fala com o amigão.

A idéia é proteger Michel Temer.

A entrevista de Yunes para a revista Veja está cheia de contradições e mentiras.

Resta saber se Padilha aceitará o papel de biombo.

A história do ministro não permite supor que a história acabará como combinaram Yunes e Temer.

11 comentários:

Anônimo disse...

Com incontinência urinária seria muito pior !!!

Anônimo disse...

DELATADO PELA ODEBRECHT E PELO MELHOR AMIGO DE TEMER, PADILHA SE LICENCIA:

24/02/2017 - Brasil 247

Governo Temer continua desmoronando; nesta sexta-feira, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, decidiu se licenciar; o motivo oficial é um tratamento médico para cirurgia da próstata; ontem, ele foi delatado por José Yunes, melhor amigo de Michel Temer, por pedir que ele recebesse um pacote de dinheiro em seu escritório; Padilha também está na delação da Odebrecht, por receber R$ 4 milhões em dinheiro vivo; ele é o segundo ministro a sair do governo por razões médicas; antes dele, José Serra deixou o Itamaraty alegando problemas na coluna....

PS: Parece que até o editor sabia que traíra vai trair todo mundo para livrar sua cara, ou seja, uma vez traíra sempre traíra. O Padilha poderia fazer um favor para a nação, dar o troco para o traira, ou seja, delação premiada em cima do traira.

Anônimo disse...

Cabe ao Quadrilha, pelo menos uma vez na vida, ser homem e não aceitar servir de palhaço para o seu agora já ex-amigo Temer.
Na minha opinião (des) governo Temer não dura até junho.

Anônimo disse...

mas o teu amigo, editor, é o quadrilha?? pois só vejo você defendê-lo....

Anônimo disse...

Pmdb fantoche do aecio. Ao fim de tudo quem se salvou foi aecio com moraes, gilmar, janot, serraglio e a morte de teori. O resto deu chabu. A temer restara curtir seus ultimos anos de vida ganhando papinha e babador de sua meta digo sua esposa em algum país no exterior...Renân tb eh incaível, mas deste senado ai do pmdb quero ver se mais alguem alem do renan, pq ele é idolo em AL.

Justiniano disse...

Em política não há amizade, veja o caso do Lula, seus comparsas do PT foram para cadeia e ele Lula não defendeu ninguém para salvar a própria pele, é o que está ocorrendo agora.

Estresse com a justiça geralmente ocasiona doenças, veja Bumlai bastou para cadeia que ficou doente, Serra também foi abatido e agora Padilha caiu. Logo Lula que já é réu em 5 processos, também vai ficar doente.

Anônimo disse...

Padilha foi pra casa!! Resta saber se, pressionado pelo Japonês da Federal, ela vai delatar Temer!!

Anônimo disse...

YUNES: TEMER SABIA DE TUDO E PROPINA DA ODEBRECHT PAGOU 140 DEPUTADOS:

24/02/2017 - Brasil 247

O empresário José Yunes decidiu disparar um tiro no peito de Michel Temer; em entrevista ao jornalista Lauro Jardim, Yunes afirmou que Temer, seu melhor amigo, sabe que ele foi usado como "mula" por Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil; "mula" é um termo do tráfico de drogas que designa a pessoa usada para transportar drogas para terceiros; Yunes disse ter recebido Lúcio Funaro em seu escritório, a pedido de Padilha; no encontro, Funaro lhe contou que estava financiando 140 deputados para garantir a eleição de Eduardo Cunha à presidência da Câmara dos Deputados; Yunes decidiu falar depois que apareceu nas delações da Odebrecht; de acordo com o delator Cláudio Melo Filho, da propina de R$ 11 milhões acertada com Temer, R$ 4 milhões foram entregues no escritório de Yunes; Padilha acaba de se licenciar do cargo alegando razões médicas....

PS: Será que a Rede Globo e o JN, em especial, vão convocar os coxinhas? Obvio que não tanto a Globo como os coxinhas estão no mesmo barco.

Anônimo disse...

No alvo editor!!!!! Perguntar não ofende: Padilha e a Rede Globo também não teriam participado da trama? Afinal a entrevista foi para a Rede Globo (casualmente), parece que as perguntas e respostas foram combinadas....Padilha entra de Licença, mas não perde o Foro Privilegiado, ou seja, tudo acaba no STF....

Anônimo disse...

Malafaia é indiciado pela PF por participar de esquema de corrupção

24/02/2017 - Brasil 247

O pastor Silas Lima Malafaia foi indiciado pela Polícia Federal por lavagem de dinheiro e participação num esquema de corrupção ligado a royalties da mineração; segundo documento da PF, Malafaia “se locupletou com valores de origem ilícita”; o indiciamento significa que a autoridade policial encontrou elementos para caracterizar a ocorrência de crimes; além de Malafaia, a PF indiciou outros 49 investigados....

Anônimo disse...

Sem coerções ou prisões, Yunes "esclarece" R$ 10 milhões do PMDB:

24/02/2017

Jornal GGN - O empresário e amigo de Michel Temer, José Yunes, que foi apontado por delação de executivo da Odebrecht como o intermediário de um dos repasses de um total de R$ 10 milhões da empreiteira para as campanhas do PMDB, em 2014, a mando do atual presidente da República, diz que deixou o governo para tentar se defender.

A saída do ex-assessor de Temer do governo foi a sétima baixa do Planalto, no último ano. Foi no dia 15 de dezembro, que Yunes anunciou a sua saída. Conselheiro amigo de Temer há 40 anos, se considerando "psicoterapeuta político" do peemedebista, ocupava a assessoria especial da Presidência.

Ambos mantiveram uma relação de proximidade desde os tempos da graduação, em 1960. A amizade se estendeu por 50 anos, até assumir posto no gabinete pessoal do presidente. Mas duas delações de peso na Operação Lava Jato recaíram sobre a relação.

O ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho delatou um encontro, com a presença do presidente Michel Temer e do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, para o repasse de R$ 10 milhões, em caixa 2, da Odebrecht às campanhas eleitorais do PMDB.

O pedido partia, disse o delator, de Temer. Destes, mais da metade, R$ 6 milhões seriam destinados a Paulo Skaf, então candidato do PMDB ao governo de São Paulo, e outros R$ 4 milhões seriam destinados a Padilha para as demais campanhas do partido. A remessa destinada a Padilha teria contado com a ajuda de Yunes. O amigo de Temer recebeu em seu escritório o dinheiro vivo, depois encaminhado ao atual ministro.

A delação de Cláudio Melo Filho foi confirmada pelo próprio presidente da Odebrecht, Marcelo. Ele narrou que o então vice-presidente o convidou para um encontro, no Palácio do Jaburu, em maio de 2014, onde solicitou a ele os repasses em caixa dois.

Passaram-se mais de dois meses desde que Yunes deixou o Planalto para contar uma nova versão da narrativa. Sem se manifestar à época, quando saiu do governo de Temer, disse apenas, em nota oficial, que seu nome tinha sido jogado "no lamaçal de uma abjeta delação" premiada e criticou a "fantasiosa alegação, pela qual teria eu recebido parcela de recursos financeiros em espécie".

"Não houve caixa dois, nem entrega em dinheiro a pedido do presidente", completava o Planalto.

Mas a manifestação não foi suficiente. Exatamente 70 dias depois, uma nova versão para a história surge. Sem pedido de condução coercitiva ou intimação para prestar depoimento, Yunes teria ido "espontaneamente" à Procuradoria-Gerald a República falar sobre o tema, na última semana.

Disse que, em 2014, em plena campanha eleitoral do partido de seu amigo, Michel Temer, Yunes disse que recebeu um telefonema de Padilha, pedindo um "favor", para que apenas recebesse alguns documentos, que seriam retirados por um emissário. Sem supostos mais questionamentos, o empresário teria concordado.

Ainda, Yunes, ao receber em seu escritório os R$ 4 milhões, em um "pacote", não olhou o que, na verdade, se tratavam os tais documentos. Disse que o lobista Lucio Funaro apareceu em seu escritório "trazendo um pacote". (...)