Artigo, Astor Wartchow - Fé e ciência

- O autor é advogado no RS.

É da natureza humana a inquietude e a inconformidade com a “(des)ordem das coisas”. Em busca de compreensão e respostas, ou para aquietar o espírito, alguns recorrem à ciencia e à filosofia. Outros, às religiões.

Quando sucedem tragédias mortais, sejam resultado de fenômenos naturais, guerras e acidentes, ou, como agora, a pandemia, advém uma inevitável pergunta: onde estava Deus?

Em 1755, Lisboa foi sacudida por um terremoto, seguido de outros dois tremores. Ao terremoto seguiu-se um tsunami. E após o terremoto e o tsunami, a cidade também ardeu em chamas durante dias. Milhares de mortes, destruição, desespero e tristeza.

“- Onde estava Deus?”, perguntavam filósofos, religiosos, reis, governantes e o próprio povo. Naqueles tempos tudo era responsabilidade divina.

(...)

As crises humanitárias têm o mérito de obrigar a reflexão e a reação. Nos piores momentos recupera-se o sentido da solidariedade, da paz e da preservação sócio-ambiental. E, notadamente, uma consciência acerca das limitações humanas. A ciência nos salvará!

CLIQUE AQUI para ler tudo.

4 comentários:

Anônimo disse...

Estados Unidos, Itália, China e Espanha possuem sistemas de saúde de 1º mundo, certo?
Logo, se tivermos aqui os mesmos casos desses países, com o sistema de saúde de pais subdesenvolvido, ainda estaremos no lucro. Certo?

Anônimo disse...

Estados Unidos, Itália, China e Espanha possuem sistemas de saúde de 1º mundo, certo?
Logo, se tivermos aqui os mesmos casos desses países, com o sistema de saúde de pais subdesenvolvido, ainda estaremos no lucro. Certo?

Anônimo disse...

A ciência nos salvará mas vai buscar nas florestas, com os nativos de todo o planeta, as curas para seus males.

Anônimo disse...

Qual a origem de todos os males?

Depende! Se os males são formatados pelos humanos etão a origem é a mente humana.

Se há um terremoto e não atinge um ser humano sequer então não há mal, apenas uma revolução planetária natural.