Como salvar o etanol e não morrer asfixiado

Nesta análise, Geraldo Samor, publisher do Brazil Journal, conta hoje que o etanol passou de 'vantagem estratégica' a setor de joelhos

Leia tudo:

Os empresários do setor do etanol se reúnem a partir de hoje numa grande conferência em São Paulo. O clima vai ser de lamúrias e comiseração.  O setor está mais quebrado que arroz de segunda, e Brasília continua surda aos pedidos de socorro.

No início dos anos 2000, o etanol era visto como uma promessa mundial, e o Brasil, o país mais preparado para capitalizar aquela ideia.  O setor sonhava em abrir o mercado norte-americano e globalizar o biocombustível: as vantagens ambientais do etanol — tão óbvias — deveriam apelar a um mundo cada vez mais preocupado em não morrer asfixiado. 

Quase 20 anos depois, boa parte das empresas do setor está em recuperação judicial, e o resto, sem perspectiva.

Como chegamos até aqui?

CLIQUE AQUI para saber mais.

8 comentários:

Unknown disse...

Só o Rosseto e a corja petralha se deram bem nessa...

Anônimo disse...

O Partido das Trevas e dos ladrões (que têm como chefe o Luladrão) destruiu o programa do etanol.
Este mês junho/2017, a China bateu recorde de exportação de etanol.

Anônimo disse...

A dilma, a que saudava a mandioca, transferiu o lucro do etanol para a petrobras, assim sobrava mais para as empreiteiras. Os usineiros estão a ver navios e os petroleiros rindo a toa.

Anônimo disse...

NUNCA ACREDITEI NUM PROGRAMA QUE EXIGE MUITA TERRA, MUITA MÃO DE OBRA, QUE GERA POLUIÇÃO E QUE EM SUMA ERA PARA PROTEGER OS CORONÉIS DO NORDESTE. O PETRÓLEO É IMBATÍVEL. E NÃO ACABA. E QUANDO ACABAR ESTAREMOS COM MOTORES A ENERGIA SOLAR!

Anônimo disse...

Estes filhos das putas madres que los parió,bem que merecem estar nessa situação,posto que enganaram o povo brasileiro por serem gananciosos demais.
Nos anos oitenta,houve um "sumiço"do etenol nos postos,em pleno uso dos carros a álcool;só que ninguém (só poucos)sabiam o porquê da falta de etanol.
Depois,soube-se que o etanol sumiu,porque lhes era mais negócio fabricar açucar que etanol.Conclusão:Eles nos disseram:FODAM-SE.
Agora toca pra nós lhes dizer:FODAM-SE.

Anônimo disse...

Artigo, "Nos escombros da política, o Brasil busca um Macron" de Geraldo Samor. Um trecho diz:
"Assim como os olhos do mundo hoje se voltam para a França — uma ilha de sanidade no oceano turbulento de populismo que atingiu o Reino Unido e os Estados Unidos..."
Em post mais recente o POlibio escreveu: A Suprema Corte dos Estados Unidos garantiu uma vitória nesta segunda-feira ao presidente Donald Trump ao permitir que entre em vigor sua restrição temporária de viajantes de seis países de maioria muçulmana e de todos os refugiados, que valerá para pessoas que não tenham laços fortes com os EUA, concordando em decidir ainda este ano sobre a legalidade do decreto."
Enquanto o Trump antevendo o gravíssimo problema a ser cria com a imigração muçulmana, no Brasil a nova lei de imigração está trazendo milhares de muçulmanos para o país.
Então quando o Geraldo Samor fala em "oceano turbulento de populismo que atingiu o Reino Unido e os Estados Unidos" tem que tomar muito cuidado. POucas palavras são necessárias para identificar um esquerdista globalista, sempre muito preocupado com a sustentabilidade, o aquecimento global e as mudanças climáticas!
No artigo, o etanol nunca foi vantagem para o consumidor e sempre foi prejudicial aos motores. O Samor cita o acordo de Paris para reduzir o Co2. Essa história da CO2 é uma farsa. O Samor quer a sobrevida do etanol baseado numa teoria falsa.

Anônimo disse...

Combustível de péssima qualidade, preços elevados (subsidiado pelos consumidores de gasolina), favorecendo meia dúzia de sucroalcooleiros, chegou a hora de dar um basta nisto.

Anônimo disse...

Este Geraldo Samor deve ser um comunista ou esta matéria é paga. Mesmo após constatarmos o estado que o Brasil chegou pela intervenção estatal na economia, ele pede mais intervenção. Pelo amor de Deus, não aprendeu nada? Como um ser deste possui um blog de assuntos econômicos? Vai fazer jornalismo em Cuba.