quarta-feira, 5 de abril de 2017

Gasto com inativos toma 40% da folha de Estados. No RS, número é de 62,81%.

Nesta reportagem do Valor Econômico, a jornalista Marta Watanabe informa que aderindo ou não à reforma previdenciária do governo federal, os Estados enfrentam o avanço das despesas com inativos. Em apenas um ano, de 2015 para 2016, os inativos e pensionistas avançaram de 38,72% para 40,2% da despesa bruta de pessoal total dos Estados. Enquanto a despesa com inativos avançou praticamente 10% de um ano para outro, o gasto bruto total de pessoal cresceu 6%. No mesmo período a fatia da despesa com ativos caiu de 60,41% para 58,19% da despesa de pessoal.

Leia tudo:

O levantamento leva em conta dados do relatório de gestão fiscal do Poder Executivo de 26 Estados, além do Distrito Federal. Apenas três Estados não tiveram avanço com o pagamento a aposentados e pensionistas de 2015 para o ano passado e nove registraram avanço acima de dois pontos percentuais. Mesmo retirando do dado agregado os Estados com altas despesas de pessoal e que decretaram calamidade financeira - Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais - a despesa com aposentados e pensionistas avança de 35,13% para 36,8% da despesa de pessoal.

Os Estados em calamidade, porém, estão entre os que mostram maior peso dos inativos em sua despesa total de folha, com índices acima da média do agregado. Em Minas os aposentados e pensionistas representam 45,77% da despesa bruta de pessoal em 2016 enquanto no Rio de Janeiro a fatia foi de 43,19%. Rio Grande do Sul é o Estado mais comprometido com os inativos, que chegam a 62,81% da folha bruta.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

6 comentários:

Unknown disse...

Irresponsabilidade Fiscal dos governantes do RS, leniência do TCE-RS e omissão da Assembleia Legislativa-RS!!!

Anônimo disse...

Mas deve-se destacar que, em um sistema em que o servidor ativo mantém a a aposentadoria do inativo, a não contratação de novos servidores é o grande responsável pelos índices. No RS, por exemplo, o Estado não contrata novos servidores, logo - e obviamente - o índice de inativos em relação ao de ativos irá aumentar.
O autor da matéria disse o óbvio. Mas a solução é contratar servidores ou então alterar realmente a previdência (cada um com sua própria conta, como se faz no meio privado).
Em qualquer previdência privada, você vai lá, abre uma conta e, em 30 anos tem uma valor que pode viver o resto de sua vida tranquilamente.
Mas há um porém. O servidor não tem escolha. O Estado recolhe 14% na fonte (um valor altíssimo) mas não há uma conta para onde vai o dinheiro em nome do servidor. E o servidor não tem o direito de escolher não contribuir. É compulsório. E Esse dinheiro banca o que já está aposentado. E com a redução no número de contrações é claro que os valores não serão suficientes.
Agora, qual o interesse dos governantes em não criar uma conta para cada servidor e aplicar o dinheiro, alterando todo sistema de previdência?
Ocorre que, assim, os valores das contas dos servidores (em uma conta, como na privada) devem estar aplicados e não ficam à disposição do governo para cobrir outros rombos ou financiar outros programas sociais. Aliás, é o dinheiro da previdência que financia muitos programas sociais da União e, ainda, o Estado do RS é um dos maiores devedores do RS.
Aí está a razão do rombo na Previdência e as intenções que não permitem uma verdadeira reforma de sistema e não no sistema.

Anônimo disse...

Tinha que desvincular a previdencia do setor público da do trabalhador privado, eles que se danem.

Anônimo disse...

CRISE, DEESMPREGO, MISÉRIA, APOSENTADORIA POR UM SALARIO MINIMO SOMENTE PARA INICIATIVA PRIVADA...

SERVIDORES PÚBLICOS - PRIMEIRA CLASSE

ATÉ SEBENTA DE 88 OS SERVIDORES POUCO OU NADA CONTRIBUÍAM PARA PREVIDÊNCIA/INATIVIDADE...

A CONTRIBUIÇÃO COMEÇOU NO GOVERNO BRITO COM 5% DEPOIS DE GOVERNO EM GOVERNO FOI AUMENTANDO ,7, 9, 11, 13,5 EM 2017 DIZEM QUE PASSOU PARA 14% E O ESTADO DEVERIA DEPOSITAR MAIS O DOBRO....

MAS O DINHEIRO SAI TODO DO MESMO CAIXA, ATIVOS E INATIVOS, DESCONTANDO OU NÃO...MAS O QUE QUEBROU COM AS FINANÇAS É APOSENTADORIA INTEGRAL COM ULTIMO VALOR....

EX:
-TEM UMA PROFESSORA PERTO DE CASA, SEMPRE DEU AULA PARA O FUNDAMENTAL, EU OLHAVA PARA ELA SEMPRE PENSANDO NA GRITARIA DO CPERS, MAS QUAL FOI MINHA SURPRESA, ENTREI NO PORTAL TRANSPARENCIA ELA RECEBE A UNS 6 ANOS COMO INATIVA R$ 7.800 LIMPINHOS POR MÊS....(lá diz salario r$ 1.800,+ uma montanha de penduricalhos..)
-A ROSANE MARCHETTI 30 ANOS NA RBS, EU NÃO SABIA, ME CAIU OS BUTIA DO BOLSO , COMO ELA CONSEGUIU EM DOIS LOCAIS AO MESMO TEMPO, ESTA A 5 ANOS INATIVA DA ASSEMBLEIA, ELA FOI TAQUIGRAFA E RECEBE R$ 26 MIL/MÊS LÍQUIDOS....

EXISTE MILHARES DE CASOS SIMILARES.....

NÃO EXISTE CONTRIBUIÇÃO QUE DE CONTA, PARA CONTRATAR MAIS E PAGAR OS EXISTENTES A POPULAÇÃO DA INICIATIVA PRIVADA VAI TER DE PAGAR TANTOS IMPOSTOS QUE VAI FICAR SEM GRANA, VAI PASSAR FOME....


Anônimo disse...

Merece uma auditoria. Os percentuais fogem muito do resto do país. Algo está mal. E já foram canceladas aposentadorias indevidas. Tem muitas mulheres com filhos que recebem pensão como solteiras. E as aposentadorias acima do teto. E as aposentadorias precoces, são todas legais?

Anônimo disse...

Então tem que atualizar a Constituição Estadual para o que de fato está sendo feito. O Estado existe para pagar servidores, aposentados e pensionistas. O resto é secundário. *** Tem muita injustiça aí se for considerar a realidade social. O teto devia ser 20 mil. Judiciário não deveria receber um percentual da RCL e sim o necessário e justo com economicidade para a prestação desse serviço. E outras tantas distorções de quem recebe mais do que contribui para a população.