Bolsonaro anuncia ida para o PEN

O deputado Jair Bolsonaro confirmou hoje ao blog O Antagonista que resolveu filiar-se ao PEN para disputar a presidência.

O PEN vai mudar de nome. É possível que vire Prona, o Partidi pelo qual Enéas carneiro disputou a presidência.

22 comentários:

Anônimo disse...

TEMER TORROU R$ 4,1 BI EM EMENDAS PARA SE SAFAR:

Para conseguir o apoio parlamentar necessário para barrar a denúncia de corrupção apresentada por Rodrigo Janot, Michel Temer torrou R$ 4,1 bilhões em emendas parlamentares apenas em junho e julho – o equivalente a 97% do total liberado o ano inteiro –, e direcionou o foco do Executivo para projetos destinados às prefeituras, como o programa de regularização fundiária; Temer montou ainda uma verdadeira maratona de reuniões: recebeu mais de 160 deputados e senadores; o peemedebista, no entanto, não deve ter muito tempo para comemorar; antes de deixar o cargo, Janot apresentará uma nova acusação de obstrução da Justiça e organização criminosa.

30 DE JULHO DE 2017

247 - Michel Temer tanto manobrou que deve conseguir escapar da primeira denúncia da Procuradoria-Geral da República feita contra ele.

O peemedebista recebeu mais de 160 deputados e senadores, acelerou emendas parlamentares, lançou “pacotes de bondades”, manteve como aliado Rodrigo Maia (DEM-RJ), seu eventual sucessor, e se beneficiou das “ruas vazias”.

Desde 17 de maio, quando veio à tona o conteúdo da delação premiada do empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, Temer recebeu em seu gabinete no Palácio do Planalto 133 deputados federais e 30 senadores. Após a denúncia chegar à Câmara em 29 de junho, Temer iniciou uma verdadeira “blitze política” para receber deputados e convencê-los a votar contra a abertura de investigação no Supremo Tribunal Federal. Em um único dia, recebeu 30 parlamentares.

O peemedebista atendeu a interesses da base, como a liberação de R$ 4,1 bilhões em emendas parlamentares apenas em junho e julho – o equivalente a 97% do total liberado o ano inteiro –, e direcionou o foco do Executivo para projetos destinados às prefeituras, como o programa de regularização fundiária. A pouco mais de um ano das eleições de 2018, a oferta de recursos para obras em municípios tem como objetivo ajudar deputados e senadores a colher dividendos em suas bases eleitorais.

No entanto, uma nova denúncia contra Temer, com a acusação de obstrução da Justiça e organização criminosa, deve ser apresentada por Janot, que vai deixar o comando do Ministério Público Federal no dia 17 de setembro. Novas delações também podem voltar a conturbar o ambiente político.

As informações são de reportagem de Isadora Peron e Carla Araújo no Estado de S.Paulo.

PS: Farra do boi?

Anônimo disse...

Se elegeu pelo PP, foi para o PSC e agora PEM? Troca mais de partido que de calcinhas?

Anônimo disse...

Simpatizantes de Bolsonaro são alimentados com ração à base de notícias falsas e alarmismo:

30 de julho de 2017 - DCM

Da Folha:

Notícias falsas e comentários alarmistas de cunho islamofóbico alimentam a rede virtual de simpatizantes de Jair Bolsonaro (PSC-RJ), em um ambiente similar ao da campanha que elegeu Donald Trump nos EUA.

Muitas vezes, os conteúdos giram em círculos, mesmo depois de contestados, abastecendo grupos por semanas.

Em junho, ocorreu um caso exemplar. Viralizou um áudio atribuído ao senador Magno Malta (PR-ES) –ele nega– em que o narrador anuncia “a invasão de 1,8 milhão de muçulmanos” ao país.

Seria supostamente estratégia do governo Michel Temer para agradar a ONU, “que é completamente islâmica”, para obter assento permanente no Conselho de Segurança do organismo, que se define pela neutralidade política, geográfica e religiosa.

Não há sinais de “invasão” no Brasil. Segundo a Polícia Federal, 399 sírios pediram refúgio ao Brasil de janeiro a maio deste ano. Somando-se solicitações do Líbano e do Iraque, há 1.094 pedidos em 2017. A entrada é controlada.

Mas a mensagem pede “intervenção hoje”. “Bem-vindos ao Brasilquistão, a nova Turquia da América Latina. Espero que Bolsonaro ganhe, pelo amor de Deus. Espero que as Forças Armadas façam algo, porque [senão] o nosso país estará destroçado”, diz o narrador.

Bolsonaro está em campanha para viabilizar uma candidatura à Presidência em 2018. Desde o ano passado, quando foi batizado pelo pastor Everaldo no rio Jordão, faz acenos ao eleitorado evangélico enaltecendo Israel.

Essa agenda acabou por aproximá-lo de parte da comunidade judaica.

TERRORISMO

Em um vídeo na semana passada, uma simpatizante de Bolsonaro que se identifica como Jane Silva, “pastora e presidente da Comunidade Internacional Brasil-Israel”, afirma que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) “deu de presente” uma embaixada para a Palestina.

“E para quê? Para trazer o terrorismo, eles financiam o terrorismo no Brasil”, disse.

O país condena o terrorismo e aprovou lei no passado que tipifica o crime. Tem como praxe doar áreas para embaixadas, como foi feito com a Palestina em 2010. Em reciprocidade, recebeu doação, em 2015, de terreno em Ramalá. A construção é custeada pelo país estrangeiro.

“O Brasil dá tudo de graça, pega o nosso arroz e manda para a Faixa de Gaza, pega o nosso dinheiro e investe numa embaixada caríssima, e nós passamos necessidades”, reclama essa pastora, em possível referência à doação de R$ 25 milhões anunciada por Lula à faixa de Gaza em 2010.

Em seguida, ela mira o ministro de Relações Exteriores: “Aloysio Nunes recebe ordens no Itamaraty daqui”.

O ministro entrou na rota dos ataques virtuais quando da tramitação da Lei de Migração, de sua autoria, que estabeleceu regras mais flexíveis para imigrantes.

(…)

PS: Agora que o Bolsonaro está saindo do PSC (partido de evangélicos), os evangélicos vão continuar apoiando o "ficha suja militar"?

sempre mais disse...

Provavelmente ele não encontrou ninguém envolvido na lava jato neste partido. Certo ele.

Anônimo disse...

Exclusivo: "O importante é que a legenda é minha", diz Bolsonaro:

30.07.17 - O Antagonista

De Jair Bolsonaro a O Antagonista, sobre seu acerto com o PEN para se candidatar à presidência da República em 2018:
"O importante é que a legenda é minha. Não vai ter desconfiança em hipótese alguma de alguém trair ali – você sabe bem como funciona a política, não é? Nós temos certeza de que vai ter uma enxurrada de filiados ao partido e vai ser no mínimo um partido [de tamanho] médio no ano que vem, se a gente conseguir continuar nessa nossa caminhada. Tem tudo para ser um baita de um casamento.”

PS: Um Partido só para o Bolsonaro deitar e rolar? Quantos Deputados, Senadores, Governadores, Prefeitos? Quantos Diretórios em Estados e municipios? Quem vai ser o vice? Antes que escrevam: Os grandes partidos também usam e abusam da internet, com mais gente.

Anônimo disse...

Exclusivo: "Eu sou a formiguinha contra o elefante", diz Bolsonaro:

30.07.17 - O Antagonista

Jair Bolsonaro citou em conversa com O Antagonista as matérias do Globo e da Veja deste fim de semana sobre a repercussão e a atuação política nas redes sociais:
“O que eu senti é uma tendência em jogar mais para o [prefeito de São Paulo, João] Doria, dar uma certa ‘dourada’ no Doria, e tentar em parte desacreditar as mídias sociais. Ambas as matérias dizem que vai ser um vale-tudo no ano que vem. Mas a verdade é que a imprensa de papel, o pessoal já sabe que a credibilidade dela está sendo deteriorada a passos largos. E o negócio deles é vender papel, vender propaganda. Mas há uma tendência aí de tentar desqualificar as mídias sociais."

Em seguida, o deputado deu a sua visão sobre a sua própria ordem de grandeza na disputa pelo eleitorado, em comparação com a concorrência:
"Eu não tenho equipe nenhuma. Minha equipe é composta por um ou outro funcionário meu que trabalha depois do expediente. O PSDB tem o estado de São Paulo, tem a capital, tem ali uns 60 parlamentares entre deputados e senadores – eles têm a máquina na mão, eu não tenho nada, não tenho nem partido ainda. Não sou nem o Golias, de David e Golias. Eu sou a formiguinha contra o elefante. E chegamos aonde chegamos.”

PS: Anotem: o PSDB e a Rede Globo vão desconstituir o mito Bolosnaro e depois, por represália Bolsonaro vai "apoiar" o candidato do PSDB.

Anônimo disse...

ESTE TEU MEU VOTO.PRINCIPALMENTE DEPOIS DO VÍDEO ONDE ELE DIZ QUE LADRÃO E BANDIDO MATAM ESTUPRAM E AINDA QUEREM REGALIAS,FICAM SE QUEIXANDO DE CELAS SUPER LOTADAS.ESTÁ CORRETO ELE.NEM PRECISA FAZER MAIS PRESÍDIOS.TEM QUE IR ENFIANDO TODOS ELES QUE NEM RATO EM GUAMPA.VÃO SE MATANDO UNS AOS OUTROS.CLARO,QUE EXISTE AS MARIAS DO ROSÁRIO,QUE DEFENDE BANDIDO E MENOR ASSASSINO.MEU VOTO ESTÁ ABERTO DESTE HOJE,BOLSONARO.QUERO VER BANDIDOS LEVANDO A PIOR E OS PETISTAS FUGINDO DO BRASIL.DÁ-LHE BOLSONARO.

Anônimo disse...

Que mala esse leitor

Anônimo disse...

anonimo da 30 de julho de 2017 13:52 , se Bolsonaro tira a calcinha da tua mae, qual e' o problema?

Mordaz disse...

Imagina a nação na mão desta gente sem capacidade parlamentar.

Anônimo disse...

Só Bolsonaro para colocar ordem neste pais. Força Bolsonaro! Estou com você e não largo.

Anônimo disse...

Se o Bolsonaro vencer, todos os que apoiaram o PT e estão hoje apoiando o Temer, passarão a apoiar eventual governo Bolsonaro

Anônimo disse...

PS1: Pibo,verifica se tu consegue bloquear estes robôs idiotas lulopetistas. Eles não estão agregando nada ao teu blog. PS2: Se os PTistas estão incomodados com a candidatura do MITO então é bom pro Brasil PS3: Ficha Suja? O que falar dos guerrilheiros, terroristas e assassinos Dilma e Zeca Dirceu??? Piada...

Anônimo disse...

Um(a) filho(a)-da-put@ petralha, anta que não sabe se expressar!!

Aposto que não tem competência pra
nada!!

Anônimo disse...


Vai pesquisar, cabeção!

E Bolsonaro é MILITAR. É HOMEM MESMO. HETEROSEXUAL.

Caso contrário, seria amiguinho do ex-futuro deputado BBB
(baita currículum) Jean Willis!

Sabe por que Bolsonaro saiu do PSC?????

Porque o presidente do PSC, um pastor que se corrompeu, deu uma de Luladrão, e cagou as mãos!!

E Bolsonaro quer ficar em uma sigla sem corruptos!!!

Anônimo disse...

Bolsonaro admitiu atos de indisciplina e deslealdade no Exército:

Documentos obtidos pela Folha no STM (Superior Tribunal Militar) mostram que o deputado e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) admitiu em 1987 ter cometido atos de indisciplina e deslealdade para com os seus superiores no Exército.

O então capitão foi acusado por cinco irregularidades e teve que a responder a um Conselho de Justificação, uma espécie de inquérito, formado por três coronéis.

Ele foi considerado culpado pelos coronéis, mas absolvido depois em recurso acolhido pelos ministros do STM, por 8 votos a 4.

O processo tinha dois objetos: um artigo que ele escreveu em 1986 para a revista "Veja" para pedir aumento salarial para a tropa, sem consulta aos seus superiores, e a afirmação, meses depois, pela mesma publicação, de que ele e outro oficial haviam elaborado um plano para explodir bombas-relógio em unidades militares do Rio.

Os documentos informam que, pela autoria do artigo, Bolsonaro foi preso por 15 dias ao "ter ferido a ética, gerando clima de inquietação na organização militar" e "por ter sido indiscreto na abordagem de assuntos de caráter oficial, comprometendo a disciplina".

O Exército detectou um movimento para desestabilizar a cadeia de comando e determinou uma investigação, a mando do ministro e general Leonidas Pires Gonçalves (1921-2015), alvo de Bolsonaro.

Em interrogatório reservado de 1987, o então capitão assinou documento no qual reconhece ter cometido uma "transgressão disciplinar" ao escrever para "Veja". "E que, à época, não levou em consideração que seria uma deslealdade mas que, agora, acha que sim", disse ao depor.

O STM decidiu que pelo artigo ele já havia sido punido com a prisão. Depois, a revista publicou que ele e outro capitão haviam elaborado um plano chamado "Beco sem saída", que previa uma série de explosões. Como evidência, a revista divulgou esboços atribuídos a Bolsonaro.

Na reportagem, ele dizia que haveria "só a explosão de algumas espoletas" e explicava como fazer uma bomba-relógio. "Nosso Exército é uma vergonha nacional, e o ministro está se saindo como um segundo Pinochet", afirmava.

Havia outros movimentos militares pelo país, como um capitão que invadiu uma prefeitura para pedir reajuste. Acuado, o então presidente José Sarney deu um aumento escalonado de 95% nos salários das Forças Armadas.

Bolsonaro negou a autoria de qualquer plano de bombas e citou que dois exames grafotécnicos resultaram inconclusos. Perícia da Polícia Federal, porém, foi inequívoca ao concluir que as anotações eram dele.

Os coronéis decidiram, por unanimidade, pela condenação. "O Justificante [Bolsonaro] mentiu durante todo o processo, quando negou a autoria dos esboços publicados na revista 'Veja', como comprovam os laudos periciais."

Segundo documento assinado por três coronéis, Bolsonaro "revelou comportamento aético e incompatível com o pundonor militar e o decoro da classe, ao passar à imprensa informações sobre sua instituição".

Pela lei, decisões do conselho deviam ser enviadas ao STM. No tribunal, Bolsonaro negou em abril de 1988 o plano das bombas, mas reconheceu a autoria do artigo: "Admito também a transgressão disciplinar [...], pela qual, acertada e justamente, fui punido com quinze dias de prisão, única punição por mim sofrida até a presente data". (...)

PS: A Ficha suja disciplinar do Bolsonaro é oficial do Exército não é montagem como a da Dilma, ou seja, o elemento é ficha suja militar mesmo.

Anônimo disse...

Bolsonaro acha um partido para chamar de seu:

FERNANDO BRITO · 30/07/2017 - O Tijolaço

Jair Bolsonaro, em entrevista àquele site de extrema direita – que aqui a gente não fala nem o nome – informou ter escolhido um partido para a sua candidatura a Presidente da República, o atual Partido Ecológico Nacional, o PEN, presidido por Adilson Barroso, que já foi do PTB, PFL ,PSC e do PSL , antes de ser presidente do PEN.

Diz Bolsonaro que o partido agora “é seu”.

“O importante é que a legenda é minha. Não vai ter desconfiança em hipótese alguma de alguém trair ali – você sabe bem como funciona a política, não é? Nós temos certeza de que vai ter uma enxurrada de filiados ao partido e vai ser no mínimo um partido [de tamanho] médio no ano que vem, se a gente conseguir continuar nessa nossa caminhada. Tem tudo para ser um baita de um casamento.”

“A legenda é minha” dá bem ideia da concepção de democracia do senhor Bolsonaro. Ele dá as ordens e pronto.

Mas o partido, segundo O Globo, é um defensor da família. Da família Barroso: “cinco dos 14 membros da Executiva Nacional da legenda são parentes diretos do presidente Adilson”. Rute, sua mulher, é Primeira Secretária da legenda e diretora financeira da Fundação Ecológica Nacional (FEN). O filho, Fernando Barroso, é tesoureiro. Seu irmão Rogério Barroso Ferreira, o primeiro vice-presidente e Aguinaldo Barroso, outro irmão, ocupa a secretaria de Relações Internacionais.

Bolsonaro diz que vai mudar o nome do partido – este negócio de ecológico não sei não, né? – e estuda a mudança para Prona, como o partido de Enéas Carneiro. A sigla, hoje, é disputada por um certo Marcelo Vivório, apoiado por Bolsonaro, e Patrícia Lima, que se diz “filha afetiva” de Enéas, e que gravou um vídeo sobre a briga pela sigla.

Também estão na “mira” de Bolsonaro os nomes de “Pátria Amada Brasil” ou “Partido da Defesa Nacional”.

Por causa da sigla PT, não entrou nas cogitações do deputado batizar sua recente aquisição de “Partido do Trabuco”.

O número – ou calibre – também poderia ser o 45, se não estivesse ocupado pelos tucanos. O atual é 51, o que talvez não desça bem pela goela de Bolsonaro.

PS1: 51, sinonimo de Pinguço?

Anônimo disse...

Bolsonaro vai disputar o Senado:

30 de julho de 2017 - Blog do esmael

O deputado Jair Bolsonaro trocou o nanico PSC pelo nanico do PEN. Isto quer dizer que ele vai concorrer ao Senado pelo Rio, em 2018.
O PSC tinha 10 deputados na Câmara. O PEN tem apenas 3.

A quantidade deputados federais eleitos é o que determina o tempo que o candidato majoritário tem no horário político.

Bolsonaro não tem condições de ampliar seu leque de alianças, a piori, nem para direita nem para a esquerda numa campanha presidencial que promete polarizar pelos extremos.

Há dez dias, o ex-presidente Lula vaticinou que Bolsonaro não disputaria o Palácio do Planalto.
“Bolsonaro não disputa e, se disputar, não tem chance”, disse o petista em entrevista aos jornalistas José Trajano, Juca Kfouri e Antero Greco.

PS: á, bem capaz de ganhar para senador, pois o que há de fascista no rj.

Anônimo disse...

Caro anonimo petista, vc com certeza sabe que emenda parlamentar e gasto obrigatorio. Veja a lei.
1,2% da receita corrente liquida sao destinadas a emendas parlamentares, e o presidente da republica nao tem poder de cancelar emendas, nao tem poder de escolher para quem libera emendas. Precisa desenhar?
Veja a PLDO que la tem as leis que regem a execucao do orcamento.
Parem de dizer asneiras

PADilla Professor LUiZ Roberto Nuñes PADilla disse...

Pibo, são hilários os comentários dos petistas...
Bolsonaro 2018 é a saida! http://bit.ly/1mundomelhor

Anônimo disse...

TEMER LIBERA R$ 4 BI EM EMENDAS. BOLSONARO E AÉCIO LIDERAM REPASSES:

Denunciado por corrupção e rejeitado por mais de 90% dos brasileiros, Michel Temer decidiu abrir os cofres federais e gastar R$ 4,2 bilhões em emendas, apenas no mês de junho, para agradar parlamentares e se manter no cargo, que conquistou por meio de um golpe; curiosamente, os políticos mais beneficiados com as liberações de recursos foram o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ); Aécio, que tem um pedido de prisão não julgado pelo STF, trabalha para manter o PSDB na base de Temer; o agrado a Bolsonaro se deve ao fato de o político exercer forte influência nas redes sociais – até agora, ele não deu um pio sobre os escândalos de Temer.

4 DE JULHO DE 2017

247 – Denunciado por corrupção e rejeitado por mais de 90% dos brasileiros, Michel Temer decidiu abrir os cofres federais e gastar bilhões em emendas parlamentares para agradar parlamentares e se manter no cargo, que conquistou por meio de um golpe.

Curiosamente, os políticos mais beneficiados com as liberações de recursos foram o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Aécio, que tem um pedido de prisão não julgado pelo STF, trabalha para manter o PSDB na base de Temer. O agrado a Bolsonaro se deve ao fato de o político exercer forte influência nas redes sociais – até agora, ele não deu um pio sobre os escândalos de Temer.

Leia, abaixo, a reportagem da Reuters sobre a compra de apoio parlamentar para barrar a denúncia contra Temer:(...)

PS: Esse é o velho Bolsonaro de guerra, louco por $, digo, emendas parlamentares e o RJ quebrado....

Anônimo disse...



PEN is PRONA. Vai Fud** muito.