De dar vergonha: bullying contra alunos de Novo Hamburgo.

Luminares do pensamento moderno se enchem de falsa superioridade moral para execrar estudantes pelo pecado supremo de ser de classe média

Vilma Gryzinski, Veja de hoje.

“Jovem”, “adolescente”, “garoto”, “menino”. Alternativamente, “rapaz”. Foram estes o adjetivos amplamente empregados em relação a uma vítima de 17 anos agredida de forma vil, com as palavras  “ladrão” e “vacilão” tatuadas em sua testa por aparente tentativa de furto de uma bicicleta e outras misérias.

Seu rosto em nenhum momento foi mostrado, conforme exige a lei. Os autores da agressão foram presos em flagrante.

O dono da bicicleta disse que não conseguiu dormir e que se tivessem dado “uns tapas na orelha dele” estaria tudo resolvido. Como é pobre e deficiente, a defesa de uma agressão atenuada não causou repúdio.

Considere-se agora o tratamento dispensado aos alunos de uma escola de Novo Hamburgo que usaram trajes de profissões humildes para uma atividade chamada “Se tudo der errado”. Foram expostos, execrados, nacionalmente condenados, chamados de vanguarda do preconceito, submetidos a um bullying de proporções assustadoras.

CLIQUE AQUI para ler mais.

24 comentários:

Justiniano disse...

Rafael Hollanda, publicado pelo Instituto Liberal:

ESTUDANTES DE NOVA HAMBURGO: NÃO É VERGONHOSO TER TRABALHO; VERGONHOSO É NÃO TRABALHAR

Em primeiro lugar não é decente que se chame de “festa” um evento cuja temática é tão problemática. O que ocorreu naquele colégio foi uma total inversão de valores e um desrespeito ao trabalho de uma forma geral.

Esses jovens demonstraram extremo mau gosto ao considerar como “dar errado” exercer um trabalho honesto, digno e que gera valor para a sociedade. Uma das coisas mais cruéis que se pode fazer é desmerecer um indivíduo por conta da função honesta que ele desempenha.

No tempo em que fui aluno, a “piada” “se tudo der errado vou trabalhar no McDonald’s” também era muito repetida por conhecidos meus. Sempre achei aquilo extremamente cruel e arrogante.

É notório que milhares de empreendedores de sucesso começaram sua vida profissional na famosa rede de lanchonetes. A diferença da cabeça desses trabalhadores para os jovens do referido colégio gaúcho é que os primeiros compreenderam a importância de gerar valor para a sociedade através do trabalho sério. Enquanto isso, muitos jovens estudantes pensam que exercer determinada função é algo desonroso e deve ser depreciado. Em suma, eles enxergam o trabalho de atendente degradante quando deveriam encarar como uma oportunidade para o próprio crescimento.

A desvalorização do trabalho denota uma grave crise no tecido social, uma inversão de valores e um desestímulo pela geração de riqueza. Quem perde com esse tipo de postura social é o país. Quando um jovem expressa esse tipo de pensamento sobre trabalhos honestos é sinal que perdeu o respeito pelo próximo.

Que todos os brasileiros, sobretudo os jovens, tenham em mente: não existe trabalho honesto que sinalize que alguém “deu errado”. Ninguém é inferior a ninguém porque exerce certas funções.

Acredito que esses jovens deveriam aprender o que significa “contribuir” para, depois de terem experiência sobre a vida, poderem opinar sobre o que é “dar certo” e “dar errado”. Com certeza, eles teriam outra mentalidade e se arrependeriam do absurdo que encenaram.

Concordo com numero, gênero e grau desse artigo.

Oswald disse...

Tem uma tal de Anelize que faz um comentário totalmente escroto. Não entendeu nada. Deve ser da turma da Maria do Rosário.

Anônimo disse...

Palhaçada do politicamente correto.
Quem quer ser gari, faxineira, etc ?
Essa gente parece que não tem com o que se preocupar, ficam enchendo o saco dos outros.

Anônimo disse...

Para tornar o Brasil decente temos que agir fortemente para restituir o politicamente incorreto e a decência baseada em princípios morais mínimos como parâmetros nacionais, sem perder o bom humor. Já os "espertos", "entendidos", os "defensores" dos pobres, "intelectuais" e "formadores de opinião pública" , todos estes devem ter limites, pois são meros manipuladores de pessoas acostumados a mamar e enganar ,tentando levar vantagem em tudo, nem que para isto se destrua o país. Transformemos 2018, nas próximas eleições um marco para eliminar estes parasitas e por limites a burrice, a ignorância , a esperteza, a hipocrisia cínica e criar condições para desenvolvimento sustentável, livre das amarras de nosso passado recente.

Anônimo disse...

Para tornar o Brasil decente temos que agir fortemente para restituir o politicamente incorreto e a decência baseada em princípios morais mínimos como parâmetros nacionais, sem perder o bom humor. Já os "espertos", "entendidos", os "defensores" dos pobres, "intelectuais" e "formadores de opinião pública" , todos estes devem ter limites, pois são meros manipuladores de pessoas acostumados a mamar e enganar ,tentando levar vantagem em tudo, nem que para isto se destrua o país. Transformemos 2018, nas próximas eleições um marco para eliminar estes parasitas e por limites a burrice, a ignorância , a esperteza, a hipocrisia cínica e criar condições para desenvolvimento sustentável, livre das amarras de nosso passado recente.

Emmanuel Carlos disse...

Falou e disse!

Jaime Carvalho disse...

Acabou de vez este país, não aguento mais o politicamente correto. Temos que acabar com isso.

Jaime Carvalho disse...

Acabou de vez este país, não aguento mais o politicamente correto. Temos que acabar com isso.

Anônimo disse...

NÓS JÁ ESTAMOS VIVENDO EM UM REGIME COMUNISTÓIDE DE MERDA. PARA LIMPAR ESSA MERDA QUE SÃO NEM 5% MAS CONTROLAM O BRASIL, TEM QUE ENTRAR COM AS FORÇAS ARMADAS E ACABAR RADICALMENTE COM ESSE GRAMSCISMO QUE CRESCE A CADA DIA. BOLSONARO NELES.

Anônimo disse...

Acho que falta interpretação de texto nas escolas. Entendi a atividade como: "se meus planos não derem certo, serei feliz em outra profissão". Apenas isso. Os alunos tambem encararam assim. Preconceituosas são as pessoas que condenaram a atividade. Encaram com fracasso exercer um profissão de menos destaque. Bando de hipócritas

Dumitria disse...


É justa mente é o que eles não querem meninos e meninas que
pensão
é muito mais fácil tutelar e domesticar bêbados e drogados

FAÇANHA,O INTEGRALISTA disse...

Esse é um PAÍS SÉRIO, meu caro Políbio Adolfo?

Nelson disse...

É o famigerado "politicamente correto" que só serve para proteger um grupo, notadamente de esquerda.
Curioso é que em todas as noticias que vi sobre os estudantes de Novo Hamburgo uma menina usando a camisa do PT não apareceu.(não entenda como crítica ao teu blogo, caro Políbio)

Anônimo disse...

Excelente artigo. Tenho orgulho em dizer que não caí na vala comum de atacar a classe média e agir como hipócrita. E quer saber mais? Todos tem o direito de se divertir, mesmo que sua diversão não seja politicamente correta. Fora fascismo cultural!

Anônimo disse...

Brasil, Pais de Tolos, digo, do mi mi mi, mi mi , mi mi.

Unknown disse...

Populistas comunistas na gestão escolar... eis as sequelas!!!

Anônimo disse...

Eu leio muito a Vilma no Mundialista, mas desta vez ela fez exatamente o que critica. Desconhece os fatos e foi na onda da internet que faz ou imita exatamente o que a imprensa faz; condena antes de ouvir os dois lados. Se ela ouvisse as declarações da psicóloga da instituição que; culpou os alunos, justificou devido a "pressão da sociedade" e não assumiu que deveriam ter vetado ou modificado o "approach" do tema. Ouça a entrevista da psicóloga no site da Radio ABC e depois julguem.

Joel
de Novo Hamburgo
Alias o Champagnat de POA fez algo parecido e pediu desculpas...e assumiu o erro.

Anônimo disse...

as redes sociais são o novo Talibã...

através dessas porcarias que nada tem de "social - pois, junto com os famigerados smartphones, promovem mesmo é calunia, selvageria, ofensas e, muitas vezes, ajudam a espalhar boatos que muitas vezes terminam em linchamentos públicos de inocentes pela turba ensandecida que ja parte para o derramamento de sangue so pelo "ouvi falar" - pessoas são acusadas, julgadas e condenadas sem direito algum a defesa...

é uma nova espécie de Inquisição,

a internet é ótima, é um mundo novo de descobertas maravilhosas, mas as tais redes sociais foram das coisas das mais demoníacas ja criadas...talvez ate a intenção tenha sido das melhores, mas o resultado conseguido foi dos piores...

não tenho nenhuma e nunca terei...

sociabilidade se faz com pessoas de verdade que estão ao seu alcance, que compartilham da sua vida...

Anônimo disse...

O colégio está de parabéns, pois, mesmo tudo dando errado na vida de seus alunos, estes buscaram uma alternativa DIGNA e HONRADA para seu sustento.

Se tudo der errado para os alunos doutrinados pelos professores esquerdistas, estes estariam perambulando pelas ruas como zumbis drogados acusando a sociedade pelo seu fracasso.

Sheila disse...

Isso revela como os comunistas odeiam pobres e tem preconceito contra eles. Costumam usar a expressão "pobre de direita", traduzindo fielmente o que mais odeiam: os humildes e a democracia, pois na ótica dessas psicopatas travestidos de justiceiros sociais, ao pobre não deveria ser facultado o direito de ser da direita, daí o apreço pelas ditaduras como Cuba, Coreia do Norte e Venezuela, onde a pobreza foi gerada pela esquerda para escravizar a população sob mão de ferro.

Sheila. disse...

É comum os esquerdalhas afrontarem, quem não adota seu viés totalitário e arrogante de donos da verdade, para ir "limpar latrina nos Estados Unidos". Eis aí mais uma revelação: eles desqualificam o trabalho dos mais desfavorecidos, não valorizando o ofício, por acharem, em seu preconceito estatista de playboyzinho do Estado, que isso é humilhante. Ora, limpar latrina nos EUA seria mais ou menos digno do que limpar latrina em Cuba? Pelo menos, nos EUA o pobre ganha em dólar e sua profissão é respeitada, pois lá é comum jovens da classe média trabalharem em lanchonetes e entregar jornais para ter seu próprio dinheiro. Ou seja, no rico país da liberdade econômica e da democracia não há preconceito contra atividades consideradas "humilhantes" pelos bolcheviques-caviar....que aliás, sempre escolhem países capitalistas para passar suas fe´rias e nunca Cuba, Venezuela, ou Coreia do Norte. Por que será? Seria "preconceito" contra a própria ideologia que defendem?

Anônimo disse...

Alunos estão na escola para ... aprender !!!
Caberia ao responsável pela classe orientar seus adolescentes ... e só a ele...
São adolescentes... erram o tempo todo...mas se bem orientados mudarão o mundo...
Digo isto com a tranquilidade de quem estudou no São Luiz de N. Hamburgo na década de 60... e ao ser transferida para o Colégio Anchieta de P. Alegre não teve nenhuma dificuldade em passar por média em todas as matérias...
A educação em N. Hamburgo costuma ter padrões europeus e ser levada a sério... talvez por este motivo os adolescentes tiveram oportunidade de expressarem o que assimilaram via mídia e convivência social para que pudessem ser feitas as correções necessárias...
Costumo dizer que quando círculo pelo mundo levo Nóia na bagagem... porque sei que a postura educada e séria que aprendi por lá abrem todas as portas que dificilmente são abertas a forasteiros...

Anônimo disse...

Vergonhoso o que tentaram fazer com o Colégio e com os Alunos.

Anônimo disse...

Parabéns pela opinião. Disse muitas verdades com poucas palavras.