RS não vai parar seus caminhões na terça-feira

Em 2013 e 2015 eles pararam o Brasil.

Os caminhoneiros do Rio Grande do Sul não vão parar nesta terça-feira, que também não tem adesão nacional,ao contrário do que ocorreu em 2013 e 2015, durante o governo Dilma.

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) e o Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC) não estão chamando a categoria para aderir à manifestação, mas dizem respeitar a decisão de quem paralisar. No entanto, as entidades são contrárias a bloqueios de rodovias.

O presidente da MUBC, Nélio Botelho, defende que diferentemente do que ocorreu em 2013 e em fevereiro de 2015, quando o movimento liderou greves realizadas e pleiteava o subsídio no óleo diesel e aprovação da nova “Lei dos Caminhoneiros” durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff, neste momento, bloquear rodovias coloca a população contra a mobilização. Além disso, diz ele que em até 60 dias será realizada uma reunião no Rio de Janeiro, reunindo participantes do movimento, para debater a possibilidade de uma greve mantendo os caminhoneiros parados em casa.

5 comentários:

Anônimo disse...

Faz bem, isso é politicalha.

Anônimo disse...

FOLHA RIFA TEMER E PEDE QUE ELE SEJA INVESTIGADO

Depois de arcar com o ônus de apoiar o golpe que solapou a democracia brasileira e um governo apoiado por apenas 5% dos brasileiros, a Folha de S. Paulo reviu sua posição e pediu neste domingo, num longo editorial, que Michel Temer seja investigado por corrupção, o que levaria ao seu afastamento do cargo; "Deixar de investigar indícios tão fortes de irregularidade seria votar a favor de uma política, um sistema e uma visão de país que não podem continuar a ser o que são. Mudá-los, dentro da democracia, do direito à defesa e do equilíbrio institucional, tem um custo de incertezas e eventuais injustiças. Mas não há como não enfrentá-lo, e já", diz o texto do jornal de Otávio Frias Filho.

30 DE JULHO DE 2017

247 – Depois de arcar com o ônus de apoiar o golpe que solapou a democracia brasileira e um governo apoiado por apenas 5% dos brasileiros, a Folha de S. Paulo reviu sua posição e pediu neste domingo, num longo editorial, que Michel Temer seja investigado por corrupção, o que levaria ao seu afastamento do cargo.

"Deixar de investigar indícios tão fortes de irregularidade seria votar a favor de uma política, um sistema e uma visão de país que não podem continuar a ser o que são. Mudá-los, dentro da democracia, do direito à defesa e do equilíbrio institucional, tem um custo de incertezas e eventuais injustiças. Mas não há como não enfrentá-lo, e já", diz o texto do jornal de Otávio Frias Filho.

Leia, abaixo, a íntegra: A decisão que urge

Experimentando índices elevadíssimos de impopularidade, o presidente Michel Temer (PMDB) se aproxima de mais um difícil teste político-institucional com a votação na Câmara dos Deputados, marcada para esta semana, da denúncia contra ele apresentada pela Procuradoria-Geral da República.

Os fatos que fundamentam a peça acusatória são, a esta altura, largamente conhecidos.

Numa conversa estranha agenda oficial, em 7 de março, o presidente da República indicou ao empresário Joesley Batista, da JBS, o nome de seu assessor de confiança Rodrigo Rocha Loures como interlocutor nos diversos assuntos e pendências que o grupo empresarial mantinha com o poder público.

Semanas depois, em 28 de abril, flagrou-se Rocha Loures com mala contendo R$ 500 mil, que lhe havia sido entregue por um executivo da JBS. Conforme a denúncia, o próprio Temer seria o destinatário da propina, a caracterizar o crime de corrupção passiva. (...)

Anônimo disse...

TEMER TORROU R$ 4,1 BI EM EMENDAS PARA SE SAFAR:

Para conseguir o apoio parlamentar necessário para barrar a denúncia de corrupção apresentada por Rodrigo Janot, Michel Temer torrou R$ 4,1 bilhões em emendas parlamentares apenas em junho e julho – o equivalente a 97% do total liberado o ano inteiro –, e direcionou o foco do Executivo para projetos destinados às prefeituras, como o programa de regularização fundiária; Temer montou ainda uma verdadeira maratona de reuniões: recebeu mais de 160 deputados e senadores; o peemedebista, no entanto, não deve ter muito tempo para comemorar; antes de deixar o cargo, Janot apresentará uma nova acusação de obstrução da Justiça e organização criminosa.

30 DE JULHO DE 2017

247 - Michel Temer tanto manobrou que deve conseguir escapar da primeira denúncia da Procuradoria-Geral da República feita contra ele.

O peemedebista recebeu mais de 160 deputados e senadores, acelerou emendas parlamentares, lançou “pacotes de bondades”, manteve como aliado Rodrigo Maia (DEM-RJ), seu eventual sucessor, e se beneficiou das “ruas vazias”.

Desde 17 de maio, quando veio à tona o conteúdo da delação premiada do empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, Temer recebeu em seu gabinete no Palácio do Planalto 133 deputados federais e 30 senadores. Após a denúncia chegar à Câmara em 29 de junho, Temer iniciou uma verdadeira “blitze política” para receber deputados e convencê-los a votar contra a abertura de investigação no Supremo Tribunal Federal. Em um único dia, recebeu 30 parlamentares.

O peemedebista atendeu a interesses da base, como a liberação de R$ 4,1 bilhões em emendas parlamentares apenas em junho e julho – o equivalente a 97% do total liberado o ano inteiro –, e direcionou o foco do Executivo para projetos destinados às prefeituras, como o programa de regularização fundiária. A pouco mais de um ano das eleições de 2018, a oferta de recursos para obras em municípios tem como objetivo ajudar deputados e senadores a colher dividendos em suas bases eleitorais.

No entanto, uma nova denúncia contra Temer, com a acusação de obstrução da Justiça e organização criminosa, deve ser apresentada por Janot, que vai deixar o comando do Ministério Público Federal no dia 17 de setembro. Novas delações também podem voltar a conturbar o ambiente político.

As informações são de reportagem de Isadora Peron e Carla Araújo no Estado de S.Paulo.

PS: Farra do boi?

Anônimo disse...

Contra o governo Dilma os trouxas pararam o Brasil sem que tivesse aumento dos combustíveis, ou seja, pura politicagem, agora estão com medinho?

Anônimo disse...

O argumento de Temer:

30.07.17 - O antagonista

Nas conversas com 133 deputados e 30 senadores sobre a denúncia por corrupção passiva, Michel Temer, segundo o Estadão, "usou o argumento de que, se nem mesmo ele está seguro contra o avanço da Operação Lava Jato, imagine como ficaria o destino dos parlamentares que também são alvo de investigações".
É o argumento mais convincente em Brasília.

PS: O traira/PMDB/PSDB não brinca em serviço.