Inflação médico-hospitalar baterá recorde este ano. Previsão é aumento de até 20%.

Nesta segunda o IEES reúne-se com a senadora Ana Amlia (PP-RS), autora de um dos projetos de lei que tramitam no Congresso para penalizar fraudes.

A inflação médico-hospitalar, que em 2016 atingiu seu maior patamar da série histórica, dever se manter entre 18% e 20% neste ano, segundo o IESS (Instituto de Estudos de Sade Suplementar).

A informação éda Folha de hoje.

O aumento de custos —que inclui internações, exames, consultas, terapias etc- foi de 19,4% no acumulado de 12 meses até setembro.

Além da mudança no modelo de cobrança de hospitais —que recebem por procedimento, o que estimula desperdícios—, o combate a fraudes ser importante para controlar a inflação, diz Luiz Carneiro, superintendente do IESS.

“Hoje, a fraude médica no um crime. Assim como a Lava Jato teve como apoio leis de anticorrupo, preciso uma legislação antifraude.”

Os gastos das operadoras com desperdícios e fraudes respondem por 20% das despesas totais do setor. Em 2015, isso representou R$ 22,5 milhões, segundo o instituto.

3 comentários:

Anônimo disse...

Foi autorizado aumento de 14 % nos planos de saúde.
Mas tá tudo bem ...

elias disse...

Essa matéria, caro polibio, foi escrita por uma criança de 10 anos?

Leia e corrija, por favor.

Anônimo disse...

Ué mas o temer e o executivo da JBS não estavam acabando com a inflação?