PF filmou toda a ação da condução coercitiva de Lula. Ao receber os delegados, disse Lula: "Isso é coisa do filho da puta do Ministério Público".

A revista Veja teve acesso à íntegra da gravação de todo o processo que resultou na condução coercitiva de Lula, dia 4 de março de 2014, feita por câmera digital GoPro, acoplada ao uniforme de um agente da PF. O filme tem duas horas. Veja tem cópia. Na busca e apreensão, os policiais federais apreenderam 9 aparelhos celulares, uma carta de Emílio Odebrecht e provas da compra do sitio de Atibaia.

A gravação da PF é vetor do filme Polícia Federal, a Lei é para Todos (R$ 14 milhões), primeiro de uma trilogia sobre a Lava Jato (fotos ao lado).

O conteúdo é devastador. 

Veja não quis fazer escândalo com o material, cujo teor é explosivo. Lembrarei da cara de cad aum de vocês. Me aguardem".

Ao receber os policiais federais, Lula etrilou: "Foi o filho da puta do Ministério Público". Isso se chama filhadaputice do MPF". E avisou: "Estou agora o indignado dos indignados dos indignados". Ameaçador, disse para os policiais: "Eu vou voltar a ser presidente em 2018 e lembrarei da cara de cada um de vocês". 

 Lula, que abre a porta antes mesmo de os agentes baterem, estava vestido para ir à academia. Critica, às vezes com xingamentos, a operação, os delatores e o Ministério Público Federal e pergunta: “Não trouxeram o japonês de Curitiba?”. Um policial responde que não. Lula diz: “Ainda bem. Capaz de ele roubar as minhas coisas aqui em casa”.

O petista desabafa para os policiais federais: "Eu pedi para o Cardozo (José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça de Dilma, que prendesse esse filho da puta "!".