Análise - A queda dos juros básicos sinaliza movimentos de retomada da economia

A retomada é lenta, segura e gradual.

O Banco Central acelerou ritmo de corte de juros e reduziu a taxa Selic de 13,75% para 13,00%
O Comitê de Política Monetária (Copom) optou por reduzir a taxa de juros em 0,75 p.p., levando a Selic a 13,00% a.a., em decisão anunciada ontem. O corte foi maior que o esperado por nós e pelo mercado (-0,50 p.p.) e marcou a intensificação do ritmo de flexibilização das condições monetárias iniciada em outubro do ano passado, com duas reduções de 0,25 p.p. A decisão foi respaldada por fundamentos econômicos que vêm se consolidando ao longo do tempo e favorecem uma distensão monetária mais intensa. Dentre as alterações no cenário macroeconômico que possibilitaram maior queda de juros, destacamos (i) o reconhecimento de que o desempenho da atividade econômica está aquém do esperado e de que as informações disponíveis apontam para uma retomada mais gradual e lenta do que a prevista anteriormente;

(...)


Vale destacar que o Copom avaliou a opção de reduzir a taxa de juros em 0,50 p.p., mas a ancoragem das expectativas de inflação, a disseminação da desinflação e a atividade econômica mais fraca propiciaram a antecipação e o estabelecimento de nova velocidade de corte de juros. 

O próprio Banco Central (BC) sinalizou no comunicado que este será o ritmo natural de distensão monetária nas próximas reuniões na ausência de grandes surpresas adicionais no cenário. Em relação à Selic ao final de 2017, mantemos nossa projeção de 9,50% ao ano, como reflexo da mensagem do BC de que a intensificação do ritmo de corte se trata de uma antecipação do ciclo de ajuste monetário, sinalizando não haver, neste momento, a percepção de que o ciclo deva ser mais extenso do que o previamente previsto. 


CLIQUE AQUI para ler tudo.

5 comentários:

Anônimo disse...

OS REPASSES DA BAIXA DAS TAXAS DE JUROS PARA A ECONOMIA NO VAREJO NÃO SÃO IMEDIATOS!

É preciso lembrar que no decorrer do governo Lula, quando esse determinou uma série de cortes e baixas nas taxas de juros SELIC pelo BC, o viés de baixa não se refletiu imediatamente no varejo.
Ou seja, embora as taxas tivessem um viés de baixa, ainda assim a população não sentiu os efeitos dessas medidas, pois os juros do cartão de crédito continuaram altos assim como os valores do crédito para o consumo...

Unknown disse...

Negativo!!!
Só vai melhorar quando o governo agiota deixar de atrapalhar o sistema bancário!!!

Anônimo disse...

Voo da galinha.

Anônimo disse...

OS JUROS EM 14 ANOS De PT FORAM NAS NUVENS OS MAIS altos do mundo , os banqueiros nunca lucraram taNto como lucraram no 13 anos de pt

Anônimo disse...

VAI LEVAR ANOS PARA CONCERTAR 14 ANOS DE INCOMPETENCIA E ROUBALHEIRA DO PT