Polícia Federal vasculha casas de Marco Maia, PT, Canoas, e também de Vital do Rego, ministro do TCU

Além da mansão do deputdo Marco Maia, PT, Canoas, RS, a Polícia Federal (PF) cumpriu na manhã desta segunda-feira (5), com apoio da Procuradoria Geral da República (PGR), mandados de busca e apreensão na casa do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) e ex-senador Vital do Rêgo (PMDB-PB).

Alé m de Maia, foi vasculhada a casa do seu operador, Luiz Gerber.

A PF também esteve nas empresas Light Engenharia, Fronteira, Construtora Planície, Construtora Realiza Ltda EPP, Nascer Comércio de Combustíveis Ltda e Posto Metropolitano.

Marco Maia e Vital são investigados desde maio pela Operação Lava Jato. Os dois são suspeitos de terem cobrado propinas de fornecedores da Petrobras para blindá-los e impedir suas convocações na CPI mista do Congresso Nacional que, em 2014, investigava as suspeitas de irregularidades na estatal do petróleo. À época, Vital ainda ocupava uma cadeira no Senado e presidia, simultaneamente, duas CPIs criadas no Legislativo para investigar as denúncias contra a Petrobras.Uma das comissões era formada exclusivamente por senadores e tinha como relator o ex-senador Gim Argello (PTB-DF), que foi condenado a 19 anos de prisão pela Lava Jato sob acusação de cobrar propina para barrar a convocação de empresários na CPI da Petrobras. A outra Comissão Parlamentar de Inquérito presidida por Vital do Rêgo era mista – composta por deputados e senadores – e tinha como relator o deputado Marco Maia. É justamente para esclarecer se os dirigentes dessa CPI também cobraram propina de empreiteiros que o STF autorizou os mandados de busca e apreensão cumpridos nesta segunda-feira.

Os mandados de busca e apreensão para coleta de provas foram autorizados pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

Vital do Rêgo abandonou a vida parlamentar e passou a ocupar uma cadeira no TCU no final de 2014, mesmo ano em que presidiu as duas CPIs, em uma cota reservada a indicações do Senado. Ele é ligado ao grupo político comandado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMBD-AL).