Cai Yunes, assessor e melhor amigo de Michel Temer

O assessor especial da Presidência da República e melhor amigo de Michel Temer, José Yunes, pediu demissão "em caráter irrevogável", após ser acusado por um delator da Operação Lava Jato de ter recebido propina da empreiteira Odebrecht. Yunes foi citado na delação premiada do ex-vice-presidente de Relações Institucionais da empresa Cláudio Melo Filho, que afirmou que parte dos R$ 10 milhões repassados ao PMDB a pedido de Michel Temer para a campanha de 2014 teria sido entregue, numa mala, no escritório de Yunes, localizado em São Paulo.

Ele é o sétimo membro do primeiro escalão do governo Temer a deixar o cargo em apenas sete meses