Assembleia e MPE nada falam sobre assedio ao ex-presidente Edgar Pretto, PT

O gabinete do presidente de um Poder não pode servir de abrigo para assediadores de deputados. Trata-se de um caso explícito de denúncia de corrupção e cabe à Assembleia e ao Ministério Público esclarecer o que houve. Leia nota a seguir.

A Assembleia do RS não tomou atitude alguma para esclarecer a denúncia do seu ex-presidente Edgar Pretto, segundo a qual foi assediado dentro do próprio gabinete do presidente, tudo para corrompê-lo e evitar que disputasse a reeleição (leia nota a seguir). O caso envolve outros quatro deputados, todos do PT, também assediados.

O assunto rola pelos corredores desde o ano passado, mas não há denúncia formal do deputado.

O atual presidente Marlon Santos, PDT, não é homem de botar panos quentes em nada, mas ainda não falou sobre o caso.

Um comentário:

Anônimo disse...

Em briga de cachorro grande, cusco não entra.