José Genoíno, outro "herói do povo brasileiro", mesmo condenado no Mensalão, levou propina da Odebrecht

Herói ou poltrão?

O ex-presidente do PT e condenado no processo do mensalão José Genoino foi citado pelo ex-diretor da Odebrecht Alexandrino de Alencar e pelo ex-superintendente da empreiteira Carlos Armando Paschoal em delações premiadas acordadas com o Ministério Público. Segundo Alexandrino de Alencar, depois do processo do mensalão, Genoino começou a ter problemas financeiros e, por isso, a Odebrecht fez intervenções diretas para ajudá-lo.

— Depois que aconteceu o mensalão, visitei o José Genoino. Uma das vezes que eu o procurei, vi que ele estava em sérias dificuldades financeiras, e isso me impactou, até pela relação que tinha ao grupo. Sendo que procurei o Emílio Odebrecht e disse "Zé Genoino está em dificuldades". "Então vamos ajudá-lo com alguns recursos" (teria respondido Emílio). E eu fiz isso pessoalmente. Em quatro operações no valor de R$ 15 mil, com codinome Natal — contou Alexandrino.

Genoino também disputou as eleições de 2010 ao cargo de deputado federal pelo PT, mas não venceu. E, segundo o delator Carlos Armando Paschoal, o petista foi o único candidato não eleito que, naquele ano, depois de feitas as doações para sua campanha ao Congresso, voltou a procurar os executivos da empreiteira para agradecer as doações.

Procurado pela reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, Genoino disse que não vai comentar o relato dos delatores, pois trata-se de "mentira".