segunda-feira, 27 de março de 2017

Governo Temer recua. Reforma da previdência valerá também para Estados e municípios.

O Palácio do Planalto comunicará nesta segunda-feira aos líderes das base aliada a decisão de colocar no texto da reforma da Previdência Social um artigo que dá prazo de seis meses para estados e municípios aprovarem regras próprias para os regimes previdenciários de seus servidores. Se as reformas locais não forem aprovadas neste prazo, passará, então, a valer, para cada estado e cada município que não fizer as mudanças, o texto que vier a ser aprovado pelo Congresso Nacional.

O presidente recebeu apelos de governadores que estavam preocupados com a dificuldade em aprovar regimes próprios para os servidores. O temor colocado por governadores ao presidente é que, caso não tivessem força política para aprovar uma reforma previdenciária nos estados, os orçamentos locais "explodiriam".

Enquanto isso, no governo, a decisão também contempla reivindicação de deputados federais que estavam sofrendo pressões de corporações estaduais.

12 comentários:

Anônimo disse...

Já estou vendo governadores e prefeitos fazendo a reforma conforme lhes convém fazer, sempre visando a próxima eleição sem compromisso algum com o Brasil, essa reforma precisa ser uniforme e justa, coisa que não vai acontecer, estaríamos americanizando o Brasil, cada estado com suas próprias leis? ha, em tempo, concordo que as leis orgânicas dos municípios precisam ser reformadas em regime de urgência, tem coisas do arco da velha ali.

Anônimo disse...

Funcionários público vão ingressar no stf e deu, só o povo que vai entrar nesta reforma, tudo já devidamente combinado.

Anônimo disse...

Eu quero saber porque ninguém fala mais nada sobre o pente fino no inss, tem milhares de segurados recebendo auxilio doença há mais de dois anos e não são chamados para revalidar o beneficio através da pericia médica, muitos não fazem mais jus ao beneficio em detrimento de outros segurados, e nós contribuintes continuamos pagando caro essa irresponsabilidade que ocorre neste instituto.

Anônimo disse...

Recua nada, tudo dentro do acordo, no final vai sobrar só para a iniciativa privada. Só aguardar.

Anônimo disse...

A primeira coisa que se deve fazer na Reforma da Previdência é tirá-la das mãos dos políticos e entregá-la para um especialista dessa área. Segundo, tirar a aposentadoria dos políticos, pois a política nunca foi emprego, estão lá de passagem. Terceiro, esse Congresso não tem moral para trabalhar em uma coisa tão séria, que é mexer nos direitos dos trabalhadores. Eles não tem conhecimento de causa.

Anônimo disse...


A Reforma Eleitoral é que precisa ser feita, cortando pela metade o número de todas as vagas parlamentares, nos níveis municipal, estadual e nacional.

Se quase todos os políticos são ladrões do dinheiro público, então se diminuir pela metade o número de políticos, eles roubarão só a metade do erário público.

Por uma Previdência não obrigatória.

Pelo direito democrático do trabalhador planejar sua própria aposentadoria.

Pelo fim da aposentadoria para políticos, que não são trabalhadores.

Política não é profissão.

Política não exige concurso público, nem estudo, nem domínio de línguas estrangeiras, nem experiência.

Até semi-analfabeto, até vagabundo pode ser Presidente da República, ou qualquer coisa.

Peli fim das eleições com urnas eletrônicas, que estão todas passíveis de manipulações por hackers, quer sejam russos, chineses, venezuelanos, petralhas fedidos.

As urnas eletrônicas (SMARTMATIC) usadas no Brasil foram importadas da Venezuela!! Socorro! Isto é herança dos ladrões sebosos lulopetistas.FDP.

Por sistema de votação na Internet, através do CPF e no.site da Receita Federal.

O que funciona para a Declaração do Imposto de Renda, individual e intransferível, através da Internet e sem interferência de hackers, deve servir também para a votação eleitoral e plebiscitos.

Anônimo disse...


A Reforma Eleitoral é que precisa ser feita, cortando pela metade o número de todas as vagas parlamentares, nos níveis municipal, estadual e nacional.

Se quase todos os políticos são ladrões do dinheiro público, então se diminuir pela metade o número de políticos, eles roubarão só a metade do erário público.

Por uma Previdência não obrigatória.

Pelo direito democrático do trabalhador planejar sua própria aposentadoria.

Pelo fim da aposentadoria para políticos, que não são trabalhadores.

Política não é profissão.

Política não exige concurso público, nem estudo, nem domínio de línguas estrangeiras, nem experiência.

Até semi-analfabeto, até vagabundo pode ser Presidente da República, ou qualquer coisa.

Pelo fim das eleições com urnas eletrônicas, que estão todas passíveis de manipulações por hackers, quer sejam russos, chineses, venezuelanos ou petralhas fedidos.

As urnas eletrônicas (SMARTMATIC) usadas no Brasil foram importadas da Venezuela!! Socorro! Isto é herança dos ladrões sebosos lulopetistas.FDP.

Por sistema de votação na Internet, através do CPF e no site da Receita Federal.

O que funciona para a Declaração do Imposto de Renda, individual e intransferível, através da Internet e sem interferência de hackers, deve servir também para a votação eleitoral e plebiscitos.

Anônimo disse...

TEM QUE MUDAR E ACABAR DE VEZ COM O TAL "DIREITO ADQUIRIDO" DA BURGUESIA ESTATAL.
OS ESTADOS E MUNICÍPIOS NÃO DEVEM QUERER PORQUE O DINHEIRO TIRADO DA " CHOLDRA" DO INSS,SEM NENHUM DIREITO, PARA MANTER ESTA BURGUESIA ATRAVÉS DE IMPOSTOS,FAZ FALTA AO FALSO GIRO FINANCEIRO DESTES ESTADOS E MUNICÍPIOS.

Unknown disse...

Isto não é reforma... é ''bronha''!!!

Anônimo disse...

CUSTO BRASIL

em cada esquina devemos ter especialistas em atuária.
27 estados, 5800 municípios, todos fazendo a MESMA COISA.
Será que alguém sabe o que é duplicar o serviço. Neste caso fazer o serviço 27+5800+1 tudo igual.
Nossa administração deveria ir plantar batata no asfalto, pois geraria mais beneficios para a população.

Anônimo disse...

Foi jogada de mestre. Ao retirar da reforma os estados e municípios, aliviou os deputados federais da pressão corporativista provida dai, e jogando no colo dos governadores e prefeitos o problema. Ao colocar o prazo de 6 meses nas disposições transitórias da constituição para que os estados e municípios, cada qual faça a sua reforma, e em não o fazendo valerão as disposições federais, fará com que os deputados estaduais e vereadores permaneçam inertes, ou procrastinem tanto quanto necessário, sem se "queimar" com ninguém, e pimba, foi-se o prazo e todos seguirão a mesma regra. Jogada genial.

Anônimo disse...



Eu só acho que governos estaduais e municipais precisam estar incluídos, sim. Do mesmo modo as "mazelas" dos politicos de um modo geral e de apaniguados (ccs e outros) precisam ser incluídos também. Se não for, é tudo com os "verdadeiros trabalhadores" -- aqueles que vem pagando a conta, sempre. A colocação dos governadores de que os orçamentos "explodiriam" é brincadeira -- por acaso já não explodiram??!! É difícil de entender meu País e as conversas, sem sentido.