segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Construtoras não conseguem retomar atividade plena, apesar da colaboração com o MPF

Pelo menos sete grandes empreiteiras já fecharam acordo de leniência com o Ministério Público Federal, por conta da Operação Lava-Jato. Ao todo, elas devem ressarcir os cofres públicos em R$ 8,7 bilhões.

A colaboração com as autoridades, no entanto, não foi suficiente para permitir a retomada das obras que prestavam para o governo, que já custaram R$ 50 bilhões aos cofres públicos. Com isso, o número de desempregados aumentou vertiginosamente.

A maior delas, a Odebrecht, tinha, em 2014, 168 mil funcionários. O último dado oficial é de 128 mil, em dezembro de 2015, mas acredita-se que o número, hoje, seja maior, perto de 100 mil. A receita bruta da empresa também caiu, de R$ 132,5 bilhões em 2015, contra R$ 126,6 bilhões ano passado.

3 comentários:

Anônimo disse...

ONDE ESTAVAM OS CONTADORES DESSAS EMPREITEIRAS?

Agora essas empresas ficaram com os seus orçamentos mais "reais". Antes era tudo inflado com dinheiro público, e os seus balanços contábeis não refletiam a verdadeira situação econômica e financeira das instituições.

Assim como ocorreu nos EUA, no escândalo da ENRON e na quebradeira dos bancos no "crash" de 2008, os auditores e as empresas de auditoria saíram ilesas de todo o processo!

A rigor, deveria ter sido feita uma apuração e a divulgação dos contadores que faziam os balanços contábeis dessas empresas! Quem é que assinava os balanços oficiais que eram remetidos para a Receita Federal e para o fisco estadual? E quando era enviado para os bancos para as operações de empréstimos e investimentos nos Bancos?

Emmanuel Carlos disse...

Claro que não! Eram movidas a propina ...

Anônimo disse...

Com a ajuda do MPF? só se for para dar um empurrãozinho para o precipício.