domingo, 29 de janeiro de 2017

Artigo, Estadão, Fernando Gabeira -A irreversível Lava Jato

Creio que chegamos a um ponto em que não adianta matar ninguém para deter a operação.       

A morte de Teori Zavascki aconteceu de uma forma que aciona dúvida do tipo que existe desde o Descobrimento: intencional ou por acaso ? Como isso se resolve ao cabo de uma rigorosa investigação, o foco, a meu ver, é o destino da Operação Lava Jato. Ela deve prosseguir com o mínimo de atraso possível.

A delação da Odebrecht abalou a vida política de muitos países latinos. Em alguns deles já houve não só prisões, como também a decisão de expulsar a empresa.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

4 comentários:

Tito Verdi di Pietro disse...

Não estou conseguindo acessar o facebook. Estranho...muito estranho. Terá algo a ver com a homologação da delação da Odebrecht pela Ministra Carmen Lúcia???!!!

Tito Verdi di Pietro disse...

E, POR FALAR EM RESPONSABILIZAR PODEROSAS INSTITUIÇÕES, COMO O EXECUTIVO, O LEGISLATIVO E O JUDICIÁRIO, VALE A PENA LER A NOTA ABAIXO.
LÁ COMO CÁ...

Tradução Livre de uma nota extraída do New York Times de hoje. O original está logo abaixo.

DAVID MCCRAW
Vice-Presidente e Conselheiro Geral Assistente

Do lado de fora do meu escritório no Departamento Legal, há um telegrama emoldurado de 1971 do Procurador Geral dos Estados Unidos pedindo que o The New York Times parasse de publicar documentos do Pentágono. O The New York Times enfrentou o Governo naquela ocasião e conquistou uma decisão que é um marco para a liberdade de imprensa diante do Supremo Tribunal dos Estados Unidos.

Atualmente nós ainda estamos enfrentando os poderosos. É uma daquelas coisas pelas quais me orgulho por ser um advogado do The Times. Ao longo dos últimos oito anos eu dei entrada com 27 ações judiciais contra o Governo Federal, na busca de acesso a registros secretos. Nossa equipe legal ajuda nossos jornalistas todos os dias quanto ao acesso à informações que outros não querem nem ver.

A história de Eric Lipton e Robert Faturechi é um exemplo de como o jornalismo pode enfrentar as mais poderosas instituições do país e responsabilizá-las.

TEXTO ORIGINAL EM INGLÊS

DAVID MCCRAW
Vice President and Assistant General Counsel
Outside my office in the legal department is the framed 1971 cable from the United States attorney general asking The New York Times to stop publishing the Pentagon Papers. The New York Times stood up to the government then and won a landmark decision for press freedom before the U.S. Supreme Court.

Today we’re still standing up to the powerful. It’s one of the things that make me proud to be a lawyer for The Times. Over the past eight years, I have filed 27 suits against the federal government seeking access to secret records. Our legal team helps our journalists every day to access information that others don’t want you to see.

The story by Eric Lipton and Robert Faturechi is an example of how journalism can take on the country’s most powerful institutions and hold them accountable.

http://x.e.newyorktimesinfo.com/ats/msg.aspx?sg1=6d1098c1288889e471a7db93d8a21c3c

Anônimo disse...

A Justiça brasileira é tão morosa que nós o povo ficamos esperando sentados. Já nos acostumamos com esse marasmo dela, até porque não representamos perigo nem para a Justiça, nem para os nossos governantes. Somos alienados a ponto de não reagirmos frente a esse descaso com o povo e com a coisa pública. Assistimos as atitudes da Justiça de outros países em corrigir desvios de condutas dos estrangeiros em seus territórios. Mas infelizmente não é o que acontece no Brasil. Certamente seus governantes amam seus países e tomam atitudes exemplares para disciplinar seu povo. Pobre Brasil, seu povo espera o quê dessa Justiça e seus políticos?

Anônimo disse...

Menosprezar a capacidade destrutiva da bandidagem é a PIOR IDÉIA POSSÍVEL!!!