quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Porto Alegre está nas mãos da bandidagem

Sem qualquer tipo de policiamento nas ruas - Brigada, Polícia Civil e FNS - ostensivo ou não, a população de Porto Alegre continua sob a mira de ladrões e assassinos.
  
O corpo esquartejado e abandonado de um homem foi encontrado no fim da noite dessa terça-feira no bairro Passo das Pedras, na zona Norte de Porto Alegre. Segundo informações da Brigada Militar (BM), a vítima foi localizada por moradores da região, nas imediações da avenida 10 de Maio, onde teria ocorrido um tiroteio minutos antes.

Partes do corpo foram deixadas no local em um carrinho de mão e ao lado estava um Gol incendiado. A Polícia Civil informou que a região seria dominada pelo tráfico de drogas e, segundo o titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), João César de Oliveira Nazário, o crime pode ter sido cometido por vingança de facções rivais.

“Encontramos um corpo esquartejado caído na frente de um Gol e uma parte do corpo estava dentro de um carrinho de mão. Aqui é região dos 'Bala na Cara' e os 'Anti-Bala' devem ter matado um integrante da facção rival e ter largado o corpo aqui”, explicou Nazário. Além disso, o veículo que foi incendiado consta como roubado no sistema de Segurança Pública.

6 comentários:

Anônimo disse...

Também tem bandidagem na assembléia,onde os deputados votaram a seu favor por ocasião do duodécimo.
Também sucumbiram à pressão de seus colegas de mordomias do judiciário.
Eles são as Marias Antonietas do século XXI e nós os vassalos.
Alguma diferença da França de 1789?
Bastilhas resuscitadas e modernizadas.

Anônimo disse...

Até quando ?????

Anônimo disse...

E no interior do Estado também. Mas gringo governador não sai à rua sem seus capangas/seguranças.

Anônimo disse...

faz muito tempo q estamos nas maõs dos bandidos. E os militares servem para o q

Anônimo disse...

Está certa a manchete do Políbio: Estará nas mãos dos bandidos a partir de 2 de janeiro

Anônimo disse...

mas festa com fogos e tudo mais teremos né...
mas aparelhar a brigada nem pensar