"Se acionistas e credores impedirem acordo, a Anatel terá de intervir", diz presidente da Oi .

Foto do perfil de Marco no Linkedin.

Em longa entrevista que publica hoje em Zero Hora, a jornalista Marta Sfredo conta que está nas mãos de um gaúcho uma das missões mais delicadas do universo corporativo brasileiro: conduzir o maior processo de recuperação judicial da história do país. Marco Schroeder, formado em Economia pela UFRGS, completa neste mês um ano à frente da Oi, que embutiu dívida de R$ 63,96 bilhões no mecanismo de proteção contra credores. Embora o valor citado seja de R$ 64,5 bilhões, Schroeder explica que houve "correções" nas pendências.

Leia a entrevista completa:

-  Os acionistas querem ter fatia maior do controle, os credores querem pedaço da empresa em troca de desconto e alongamento do prazo. A Oi já ofereceu entregar 38%. É um problema complexo, mas não representa 1% da atividade. Temos 120 mil pessoas trabalhando. No ano passado, aumentamos o investimento em 18%, para R$ 4,7 bilhões. A qualidade melhorou. No primeiro trimestre, as reclamações para a Anatel caíram 28% em relação ao mesmo período de 2016.

(...) 

- A rede da Oi é muito importante para o sistema. Em alguns Estados e em algumas cidades, só nós estamos presentes. É uma rede de tráfego da qual depende, por exemplo, o Rio Grande do Sul. O país não pode prescindir da Oi. Em um cenário extremo, em que o serviço estivesse deteriorado, a Anatel teria o direito e até o dever de intervir. Mas esse é um caso hipotético. Se acionistas e credores não se entenderem, impedirem o acordo, a Anatel terá de intervir. Precisa-se de bom senso.

CLIQUE AQUI para ler toda a entrevista disponibilizada hoje pelo jornal gaúcho.

2 comentários:

Anônimo disse...

A Vodafone vem aí...

Anônimo disse...

Até quando essa imundície (OI) vai continuar existindo?
Até quando essa gangue de vigaristas (OI) - que só o que faz é fornecer um péssimo (e eu estou elogiando!!!) serviço, sem se preocupar de fornecer um mínimo do que foi contratado - vai continuar existindo?
Até quando essa quadrilha de trambiqueiros (OI) - que costuma (impunemente!!!) colocar, na nossa conta, coisas que não pedimos e que leva meses para retira-las (sem nos devolver um tostão do cobrado a mais!!!) - vai continuar existindo?
Du-vi-de-o-dô que exista um único cliente dessa porcaria OI) que não tenha queixas sistemáticas e irritações diárias com ela!!!
Du-vi-de-o-dô que exista um único cliente dessa máfia institucionalizada (OI) que - precisando acessar o seu (des)serviço de atendimento(?) ao cliente - não tenha passado por um exaustivo teste de paciência, por uma verdadeira sessão de tortura, até que alguém o ouça, normalmente com toda a má vontade e/ou com grosserias, sem resolver nada, normalmente deixando cair a ligação, para que o cliente ou comece tudo de novo (e passe pelo mesmo sádico tratamento) ou desista - o que é o que eles querem, pois não há o mínimo interesse em solucionar quaisquer problemas.