Lula e Dilma aprovavam leis e liberavam dinheiro do BNDES em troca de propinas da Odebrecht

Segundo delação feita aos procuradores da PGR e que estão sob a guarda do ministro Luis Edson Fachin, houve duas "contrapartidas específicas" (troca de propinas por benefícios dos governos do PT ) da Odebrecht ao PT desde 2009:

- Uma de R$ 64 milhões relacionada à linha de crédito e outra de R$ 50 milhões à votação da Medida Provisória do Refis, encaminhada ao Congresso, e que beneficiou a Braskem, controlada pela Odebrecht e que atua na área de química e petroquímica.

- Contrapartida específica ligada à linha de crédito.

No TSE, MO repetiu tudo e explicou:

— Para aprovarem uma linha de crédito, fizeram um pedido de contrapartida específica. Só que esses recursos, eles foram usados, se eu não me engano, até antes da eleição de 2010.

O delator disse que "eram pedidos diversos, mas vinham sempre através dos dois (Antonio Palocci e Mantega), incluindo os desembolsos para a campanha (de Dilma a presidente em 2014)"