Governo Temer trabalha por maioria de 2/3 para votar reforma da previdência

O governo Michel Temer avisou que não recuaria das reformas trabalhista e previdenciária, mesmo que a greve pelega lulopetista de hoje fosse um sucesso.

Não foi um sucesso.

O caso mais delicado é o da reforma previdenciária, que precisa de 308 votos para garantir os 2/3, quorum necessário para garantir aprovação de qualquer PEC.

A proposta só será colocada em votação quando Padilha tiver contabilizado pelo menos 338 votos, portanto 20 de gordura.

No RS, deputados da base aliada que votaram contra a reforma trabalhista já são trabalhados para apoiar a reforma da previdência. O governo quer os votos de José Fogaça, Afonso Hamm e Sérgio Moraes, como também trabalha para que os deputados José Otávio e Giovani Cherini compareçam.

CLIQUE AQUI para entender melhor o que é a reforma da previdência.

2 comentários:

Anônimo disse...

3/5, não 2/3.

Anônimo disse...

Marcaremos esses porcos na paleta!