Em Esteio, RS, professores enganam alunos e mandam crianças para ato do PT contra a reforma da previdência

No vídeo logo abaixo, os leitores poderão acompanhar a "estarrecedora" denúncia feita da tribuna da Assembléia do RS pelo deputado Marcel van Hattem, PP:

- Professores e direção da Escola Estadual José Loureiro da Silva, Esteio, RS, conduziram sem autorização dos pais, crianças menores de idade, alunos do turno da noite, para um ato público do PT contra a reforma da previdência e de apoio a presidente cassada Dilma Roussef.

Foi na quinta-feira da semana passada.

O deputado disse que os professores enganaram os alunos, alegando que seria uma palestra para passar conteúdo escolar.

O ato da Câmara foi promovido por CUT, Cpers e MST, além, do  PT, que mandou para ali os deputados Bohn Gass, Marcon e Maria do Rosário.

Marcel van Hattem avisou que isto acontece em várias escolas estaduais.

17 comentários:

Anônimo disse...

O ratinho deveria estar preocupado eh com as centenas de gaúchos q morrem assassinados pelos bandidos do trânsito..verdadeiros covardes

Anônimo disse...

Ministério Público pra cima deles e processo administrativo já.

wagner britto disse...

Verdadeiros bandidos este tipo de professor. O móvel do crime? O futuro da juventude!

Anônimo disse...

O PT é uma mentira e Lula o seu arauto .!!!

Anônimo disse...

Nem abri o video, mas as duas mulheres que aparecem na abertura sao HORROROSAS. Toda petista eh feia, gorda e tem suvaco cabeludo, parece sina, impressionante.

A da direita tem ate papada, da pra fazer uma barraca para meia duzia com seu vestido.

Anônimo disse...

É isso aí, mas o que se pode esperar dessa gente da ORCRIM...???

Anônimo disse...

Bandidos do trânsito!
OPA, que indireta hem.

Anônimo disse...

Sem autorização do pais. ...é' sequestro..portanto CRIME!

Anônimo disse...

Parabéns, Marcel. Tu vales o meu voto.

Anônimo disse...

Mas o Bohn Gass não esta preso? Depois que ele sumiu com dinheiro dos colonos nas falcatruas dos emprestimos do BB, deveria estar dividindo cela com o Zé Dirceu e o Lula.

Anônimo disse...

Os responsáveis por isso devem respobder na justiça, se é wue exista no Brasil?

Anônimo disse...

E daí? Acontecerá algo que possa mudar isso? Nada! Esse Bananão já era!

Unknown disse...

E nossas autoridades babacas batem palmas!!!
Não se iludam: o RS ainda é dos petralhas!!!

Anônimo disse...

O SANGUÍNEO
Vou contar, porque já foi comentado aqui no Facebook (e agora eu até acho engraçado), meu desencontro com o jornalista Políbio Braga hoje à tarde na TVE.

Políbio, o jornalista Guilherme Baumhardt, da Bandeirantes, e eu iríamos entrevistar o professor Francisco Marshall para o programa Frente a Frente.

Estávamos os três sentados no estúdio, à espera do Marshall e do apresentador Vitor Dalla Rosa, quando Políbio virou-se para Guilherme, que estava na outra ponta, e perguntou:

– E tu, quem és?

O jornalista disse o nome e que era da Bandeirantes. Políbio virou-se então para mim, com certa fleuma, e indagou:

– E tu?

Eu respondi no mesmo tom, com meu jeito blasé de ser, certo de que não precisava acrescentar o sobrenome.

– Eu sou o Moisés.

Sei que Políbio me conhece, não porque eu seja famoso, mas porque não sou alguém sem rosto e ele já me atacou em seu blog. Pensei: este cara está me tirando.

Quando saí da Zero, no ano passado, ele escreveu: “O lulopetista Moisés Mendes sai de Zero Hora. A dança das cadeiras na RBS atingiu desta vez o colunista Moisés Mendes, o mais encarniçado dos cronistas da organização lulopetistas do jornal Zero Hora”.

Eu não era um jornalista com opiniões assumidamente de esquerda, eu era um encarniçado lulopetista ceifado pela dança das cadeiras na RBS.

Pois Políbio voltou a me olhar, com algum desdém, e veio com outra pergunta:

– E tu fazes o quê?

– Eu tenho uma ferragem – eu disse.

Ele me olhou, como se achasse estranho.

– Tem algum problema? – eu perguntei.

Ele falou algo como: então, encara qualquer coisa que vier, qualquer trabalho.

Eu achei que o deboche tinha ido longe e falei:

– Tu me chama de lulopetista e agora fica fazendo perguntas e dizendo que não me conhece.

Ele foi rápido:

– É que eu também costumo falar mal de quem não conheço.

– Pois eu te conheço muito bem. Todos nós te conhecemos muito bem – eu disse, e ele se levantou.

Começou a dizer que estava sendo desrespeitado, que não podia ficar ali. Mostrou-se inquieto e falou:

– Eu sou uma pessoa sanguínea. Vou embora porque não sei o que pode acontecer.

Eu continuei sentado e disse apenas:

– Que sanguíneo coisa nenhuma, tu é o que todo mundo sabe que tu é. Se não aguenta ficar aqui, vai embora.

Políbio saiu dali dizendo algo que não entendi e desapareceu atrás do cenário.

Anônimo disse...

Criminosos , abusam até da ingenuidade de crianças.

Anônimo disse...

Para quem tem filhos e netos nesse lixão em que se tornou esta República de Bananas, meus pêsames! Aqui tudo são bananas: o país, os políticos e a população!

Anônimo disse...

É MENTIRA, e o senhor sabe disso. Foi um ato da Câmara de Vereadores de Esteio, que inteligentes que são, de TODOS os partidos, são contra as reformas da previdência.
O senhor deveria ser processado pelas mentiras que noticia.