quarta-feira, 15 de março de 2017

Dois dos 23 apontados como responsáveis pelo calote ainda são diretores do Badesuil

Dos 23 responsabilizados pelos calotes de R$ 157 milhões sofridos pelo Badesul, após uma sindicância coordenada pela Procuradoria-Geral do Estado apurar o caso, dois continuam ocupando cargos de indicação política na atual gestão.

O Piratini cogita demiti-los.

Pery Sprerotto, vice-presidente do banco de fomento, e Luiz Alberto Bairros, presidente do conselho fiscal, foram inscritos entre os responsáveis pelos contratos de financiamento assinados com a Wind Power Energy e a Iesa Óleo e Gás. Juntas, elas tomaram R$ 90 milhões (valores da época) em empréstimos junto ao Badesul, controlado pelo governo estadual e irrigado por recursos públicos. 

Speroto, PDT, ocupou o mesmo cargo no governo Tarso, enquanto Bairros, PSB,a época, era diretor Administrativo.

4 comentários:

Anônimo disse...

O Piratini cogita demiti-los...mas botar na rua mais de 1000 servidores concursados,o governo não mediu esforços...dois pesos duas medidas...assim caminha a política suja do Brasil.

Anônimo disse...

COGITA DEMITI-LOS???? E ainda tem débil mental para ouvir as conversas de
hospicio do Sartori.

Anônimo disse...

Então essa PGE vai ter de investigar a própria PGE.

Ela é vinculada ao gabinete do governador !

Se o governo anterior houve falcatrua, foi nas barbas da mesma PGE que participa do gabinete, ora bolas ...

Quem investiga a PGE pelas falcatruas ocorridas no Badesul que a PGE não apurou no ato e faz 3 anos depois ???

Que venha o controle externo da PGE urgente !!!!

Anônimo disse...

Mas o polenta não sabia de nada.