Ao TSE, Marcelo Odebrecht diz que Dilma cobrou R$ 50 milhões pelo Refis da Crise

Durante a campanha eleitoral, Veja disse que eles sabiam de tudo. CLIQUE AQUI para recuperar a reportagem. Boa parte dela baseia-se em delações de Alberto Youssef.

Marcelo explicou no TSE, conforme revelações de ontem, que a empresa tinha "relação intensa" com o governo Dilma, que essa relação intensa gerava a expectativa de que a Odebrecht fosse um grande doador. Dos R$ 150 milhões, R$ 50 milhões vieram a partir de um pedido, uma contrapartida específica, a edição da Medida Provisória 470, um "refis" na crise de 2009, que beneficiou a Odebrecht.

Ao todo, Marcelo Odebrecht disse que acertou com Guido Mantega R$ 170 milhões e, somado ao que acertou com Antonio Palocci, entre 2008 e 2014, o valor chega a R$ 300 milhões.

Marcelo Odebrecht contou também que, numa conversa em 2014, Mantega teria dito: 

- Marcelo, a orientação dela agora é que todos os recursos de vocês vão para a campanha dela. Você não vai mais doar para o PT, você só vai doar para a campanha dela, basicamente as necessidades da campanha dela: João Santana, Edinho Silva, e esses partidos da coligação.

Palocci e Mantega eram 
os operadores de Lula e de Dilma

Marcelo Odebrecht disse que, na prática, Guido Mantega só começou a pedir dinheiro para o PT a partir de 2011, quando era ministro de Dilma e Antonio Palocci já tinha saído da Casa Civil. Até aquele momento, segundo o depoimento, era Palocci que fazia a maior parte dos pedidos do PT.

2 comentários:

Anônimo disse...

Lulla e Dilma nada sabiam, tadinhos. Estavam ocupados colocando o filho do pobre dentro da universidade e a empregada domestica no aviao.

A hora desses dois ta chegado, a cavalo. Vao se borrar nas calcas, cuspir xingar mas vao dancar.

Anônimo disse...

LULA e seu "poste", DESTRUIDORES do Brasil.

A intenção do Gen. Golbery era somente de destruir a esquerda brasileira, mas o retirante foi além.